O instrumentista

 

 

Outshine (1992-94)

   

Outshine

Esta foi minha primeira banda, formada com o amigo Rafael Jr., baterista. Com influências do Deep Purple, Black Sabbath, Led Zeppelin, Alice in Chains e Soundgarden, fizemos alguns shows e gravamos uma fita "demo" no estúdio de Jairo Bala, fita esta que seria comentada na revista Rock Brigade Ano12, vol.81, Abril de 93 (Capa - Van Halen). Na foto, dá pra ver Fabinho, Cláudio, Daniel, eu (escondido atrás de Rafael), e Rafael. Bons tempos de adolescência, quando eu não fazia mais nada além de tocar e sair para namorar com Agatha, que virou minha esposa.

Woodgod (1994-95)

   

Woodgod

Esta foi minha segunda banda, com o fim da Outshine. Na verdade eu esqueci porque a Outshine acabou. Mas tudo bem, porque ela foi a base para uma das melhores bandas do Estado, a Snooze. Voltando ao assunto, a Woodgod era formada por Cláudio, um amigo e ex-aluno de guitarra, Hélder no Baixo, Nelson no vocal e Vodu na bateria. Com influência direta de Metallica, Megadeth e Dream Theater, chegamos a compor algumas músicas e fazer alguns shows, mas não foi pra frente não. Nelson não gostava de ensaiar, e Vodu nunca comprou uma bateria que prestasse. Com o fim da Woodgod, Claudio e Hélder foram para São Paulo estudar música, e eu entrei na Warlord. Cláudio desistiu da música e hoje está trabalhando com Design Gráfico e informática. Hélder, após anos de estudo com Celso Pixinga, parace que aprendeu a tocar baixo, hehehe. Hoje ele continua em Sampa, tocando em diversas bandas. Vodu, sumiu. Nelson, encontro vez ou outra, nos supermercados da vida...

Projeto Instrumental (1994-95)

   

Foto Demo

Comecei a tocar música instrumental após um pequeno curso de harmonia na música popular com Alvino Argollo, que muito me incentivou a estudar guitarra mais profundamente. Acompanhado pelo tecladista Edmundo me apresentei em alguns bares da cidade (horrível, hehehe), tendo inclusive gravado uma entrevista na TV ATALAIA (SBT), em 11 de outubro de 93, no programa João de Barros. Tal projeto culminou na gravação de uma fita em 1995, que contém quatro músicas próprias, uma versão para SO WHAT de Miles Davis, uma interpretação de FOR THE LOVE OF GOD de Steve Vai e RETRATO BRASILEIRO de Baden Powel. A gravação contou com a presença de Rafael Jr. na bateira, Dinho Dog no baixo, e Álvaro na guitarra. Apesar da má qualidade de gravação, e do uso de playback MIDI em determinadas faixas, a fita teve bom comentário na revista GUITAR PLAYER Ano2, n°19 (Capa - Eric Clapton).

Henrique Teles e Maria Scombona (1994-99)

   

scombona

Assim a banda se definem: "colocando-se na contra-mão das tendências dominantes, a Maria Scombona emerge com uma sonoridade inovadora: seu som é, na verdade, uma mistura única de rock´n roll, blues, soul e R&B carregada com sotaque e ritmos incontestavelmente nordestinos - dando forma a um regionalismo universal que é tipicamente scomboneano"(?)!

Ao ser convidado a assumir o lugar do guitarrista Marcus Vinícius em 94, juntei-me à Maria Scombona e com eles gravei algumas músicas 'demo' em estúdio. Tive a oportunidade de tocar junto com artistas como Martinho da Vila e Oswaldo Montenegro. Foi uma época maravilhosa, e a banda está a cada dia melhor. Deixei de tocar com eles em 1999, eu acho. Depois de mim entrou Álvaro, que gravou o CD da Banda, e no lugar de Álvaro entrou Abraão...

Alex Sant`Anna (1997-2000)

   

Alex

Grande amigo, com quem toquei em diversos bares da cidade durante anos, principalmente no antigo Martinica e no Tequila Café. Juntos criamos arranjos para diversas músicas do repertório musical brasileiro. Nossos shows eram, no mínimo, divertidos. Sempre foi muito legal estar tocando com Alex. O astral era 10. Saí da banda em 2001 para me dedicar mais aos estudos da pós-graduação. Com ele gravei uma música constante no CD do SESC Canção, disponível na seção de downloads.

Sulanka (1997-99)

   

Sulanka

Banda que faz fusão de ritmos nordestinos e folclóricos com a música pop. Na verdade a Sulanca nunca deixou de ser um projeto de Jorge Ducci. Nunca foi uma banda, no sentido 'lato' da palavra. Este foi um dos motivos que me fizeram deixar a banda, após vários shows, no início de 1999. Na verdade, foi um show, que me irritei muito com Jorge. Hoje, somos amigos e não guardo mágoas. Em meu lugar entrou Álvaro, de novo.

Bando de Mulheres (1998)

   

Bando de Mulheres

Banda de forró na qual fiz toda a temporada de São João de 1998 (cerca de 20 shows) deixando-a em julho. Guardo ótimas lembranças dessa época. A banda era 10. Gilson Batata, excelente músico, no baixo; Val nos teclados, e Bruninho na Bateria. As viagens foram muito divertidas. Ops, não se assustem, o nome da banda só diz respeito à vocalistas (eram 4). Na foto só estão os machos...

Warlord (1998-2004)

   

Warlord

Banda de Heavy Metal formada em 1991, com influências de Judas Priest, Iron Maiden, Manowar. Comecei tocando guitarra mais ou menos em 1997 e assim permaneci até o início do ano 2001, onde assumi os teclados dando lugar ao guitarrista João Paulo. Com a WARLORD tive o prazer de abrir o show do ANGRA em sua passagem por Aracaju durante o ROCK-SE/99. A partir do início de 2004 desisti dessa vida de tecladista e convidamos Júnior (Múmia) para assumir os teclados. Agora eu fico ajudando na equalização e mixagem durante os shows, e ainda participo em alguns arranjos de guitarra e bateria nas músicas novas. Saí do palco e fui para os bastidores.

Warlord (2000-03)

   

teclado

Mais ou menos em no final de 2000, decidi trocar a guitarra pelo teclado na banda Warlord, de forma a me dedicar mais ao estudo dos instrumentos de teclado, ao mesmo tempo em que lançamos mão de uma nova sonoridade e possibilidades composicionais dentro da banda. Assim permaneci até o fim de 2003 quando, juntamente com os integrantes da banda, decidimos convidar outro músico para ocupar meu lugar nos teclados (mais experiente e com melhor qualidade técnica), ficando somente com a parte de arranjo e composição das músicas, e direção musical.

Orquestra de Câmara (2000-03)

   

Orquestra de Camara

Meu primeiro contato com o violino foi em 1993, quando tentei cursar violão no Conservatório de Música de Sergipe, mas só tinha vaga para violino. Ao final do ano abandonei o violino, e só voltei a ter contato com ele novamente em 1999, quando cursei uma disciplina de Instrumento Suplementar na Graduação em Música. Nesse ano segui estudando com o Prof. Teodoro Salles, e me apresentei em público tocando um concertino para violino e piano, acompanhado por Saulo Gama. No ano seguinte troquei o violino pela viola, e comecei a estudar com o Prof Luis César Magalhães. Pouco tempo depois juntei-me ao grupo que iria formar a Orquestra de Câmara da EMUs-UFBA, idealizada pelo Maestro Ângelo Rafael. Com a Orquestra de Câmara fiz diversas apresentações, retirando-me no final de 2003, por não mais estar presente em Salvador. Saudades, snif, snif...

Quarteto Azul de Violões (1998)

   

QUarteto Azul

Grupo formado pelos violonistas Hugo L. Ribeiro, Eduardo Bertussi, Humberto e Luis Cláudio, durante a disciplina Percepção II (EMUS - UFBA). Além de instrumentista, eu também participava como compositor e arranjador. Fizemos algumas apresentações, sempre incentivados por nossa grande professora Georgina Lemos. Que descanse em paz.