Referências Bibliográficas (falta revisar e remover duplicatas)

Aarne, Antti A. The Types of the Folktale….trans. and enlgd. Stith Thompson, 2d rev. ed. Helsinki: Suomalainen Tiedeakatemia. 1961

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. 3. ed. rev. e amp. Traduzido por Alfredo Bosi et al. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Tradução de Alfredo Bosi et al. 3. ed. rev. E amp. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ABNT. NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos. Rio de Janeiro, 2002b.

ABNT. NBR 12225: informação e documentação: lombada. Rio de Janeiro, 2004.

ABNT. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos. Rio de Janeiro, 2011a.

ABNT. NBR 15287: informação e documentação: projeto de pesquisa. Rio de Janeiro, 2011b.

ABNT. NBR 6022: artigo em publicação periódica científica impressa. Rio de Janeiro, 2003a.

ABNT. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002a.

ABNT. NBR 6024: informação e documentação: numeração progressiva das seções de um documento: apresentação. Rio de Janeiro, 2012a.

ABNT. NBR 6027: informação e documentação: sumário. Rio de Janeiro, 2012b.

ABNT. NBR 6028: informação e documentação: resumo. Rio de Janeiro, 2003b.

ABRAHAM, Otto e HORNBOSTEL, Erich M. von. Suggested Methods for the transcription of exotic music. Ethonmusicology, v. 38, n. 3, fall, p. 425-456, 1994.

Abraham, Otto, and E. M. von Hornbostel. “Phonographierte Indianermelodien aus Britisch-Columbia.” In Boas Anniversary Volume. New York: G. E. Stechert, pp. 447-74. 1906

Abraham, Otto, and E. M. von Hornbostel. “Tonsystem und Musik der Japaner.” Sammelbände der Intemationalen Musikgesellschaft 4:302-60. 1903

Abraham, Otto, and E. M. von Hornbostel. “Vorschläge fur die Transkription exotischer Melodien.” Sammelbände der Intemationalen Musikgesellschaft 11: 1-25. 0

ABRAMO, Bia. Rock made in Brasil. Revista Teoria e Debate número 32. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1996.

ÁBRAMO, Helena Wendel. Cenas juvenis: Punks e Darks no Espetáculo Urbano. São Paulo: Scritta, 1994.

ABREU, Juscélio Clemente. Normas para apresentação de projetos de pesquisa, monografias, dissertações e teses. Colaboração de Maria Terezinha da C. Teixeira dos Santos e Walace Henry Miranda Coimbra, revisado por Geysa Silva e Juscélio Clemente de Abreu. Três Corações, MG: Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações, 2004.

ABREU, Luiz Eduardo; BARBOSA DA SILVA, Frederico A. Levando a sério o que nos dizem: notas sobre avaliação nas políticas públicas. IPEA. Texto para Discussão 1730. Rio de Janeiro, Abril de 2012.

ADACHI Yoshihiko, Phenomenology of Musical Perception, Ongaku gaku 16/1-2 (1970), ss. 1-15.

Adams, Charles R. “Melodic Contour Typology.” Ethnomusicology 20:179-215. 1976

Adams, Richard N. Energy and Structure: A Theory of Social Power. Austin: University of Texas Press. 1975

Adler, Guido, ed. Handbuch der Musikgeschichte. 2d ed. Berlin: H- Keller. 1930

Adler, Guido. “Umfang, Methode und Ziel der Musikwissenschaft.” Vierteljahrschrift fur Musikwissenschaft 1:5-20. 1885

Adorno, Theodor A. Prismas – Crítica cultural e sociedade. Augustin Wernet e Jorge Mattos Brito de Almeida, trad. São Paulo: Ática, 1998.

ADORNO, Theodor W. Introducao à Sociologia da Música. Tradução de Fernando R. de Moraes Barros. São Paulo: Unesp, 2009.

ADORNO, Theodor. Critica cultural e sociedade. In Prismas: Crítica cultural e sociedade. Augustin Wernet e Jorge Mattos Brito de Almeida, trad. São Paulo: Ática, 1998.

ADORNO, Theodor. e HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ADORNO, Theodor. O fetichismo na música e a regressão da audição. Textos escolhidos. São Paulo: Nova Cultural, 1996, p. 65-108, excertos.

AGAWU, Kofi. Analyzing Music under the New Musicological Regime. The Journal of Musicology, Vol. 15, No. 3 (Summer, 1997), pp. 297-307. University of California Press. Disponível em http://www.jstor.org/stable/763911. Acesso em: 26 mar. 2013.

AGAWU, Kofi. Music as Discourse: Semiotic Adventures in Romantic Music. Oxford University Press, 2009.

AGAWU, Kofi. The Challenge of semiotics. In: COOK, Nicholas; EVERIST, Mark (Org). Rethinking music. Oxford: Oxford University, 1999. p. 138-160.

Aguilar, J. L. “Insider Research: an ethnography of a debate.” In Anthropologists at Home in North America: Methods an issues in the study of one’s own society, editado por D. A. Messerschmidt, 15–25. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.

Aiello, R. & Sloboda, J.A. (1994). Musical Perceptions. New York: Oxford University Press.

AKEV, Lauri V. Garage band or GarageBand? Remixing musical futures. Britsh Journal of Music Education. 2010, 27:1, 59-70.

Alan P. Merriam. Basongye Musicians and Institutionalized Social Deviance Yearbook of the International Folk Music Council, Vol. 11 (1979), pp. 1-26.Stable URL: http://www.jstor.org/stable/767561 .

ALEXANDRE, Ricardo. Dias de luta: o rock e o Brasil dos anos 80. São Paulo: D&A Artes gráficas, 2002.

ALEXANDRE, Ricardo. Um conto de duas cidades. Revista história do rock brasileiro: anos 70. São Paulo: Editora Abril, 2004.

ALFONSO-GOLDFARB, Ana Maria; MAIA, Carlos A. (Coord.) História da ciência: o mapa do conhecimento. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura; São Paulo: EDUSP, 1995.

ALFONSO-GOLDFARB, Ana Maria; MAIA, Carlos A. (Coord.) História da ciência: o mapa do conhecimento. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura; São Paulo: EDUSP, 1995.

Allen, Warren Dwight Philosophies of Music History. New York: American Book Co. 1939

ALMEIDA, Cristiane G. Educação musical não-formal e atuação profissional: um survey em oficinas de música de Porto Alegre-RS. Dissertação (Mestrado em Educação Musical)–Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

ALMEIDA, Doriedson Alves de. Relações entre Estado, sociedade e Tic: uma análise das tensões a partir do modelo proposto pelos pontos de cultura. Tese (doutorado) Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2011.

ALMEIDA, Judith Morisson. Aulas de Canto Orfeônico. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1958.

ALMEIDA, Maria Berenice. Outras Terras, outros Sons. Com CD. 2002.

Almeida, Renato. Historia da música brasileira. 2. ed, Rio de Janeiro: F. Briguiet, 1942.

ALMEIDA, Renato. Historia da Musica Brasileira. 2a. Ed. Correta e aumentada. Rio de Janeiro: F. Briguiet, 1942.

ALTUNA, Raul Ruiz de Asúa. Cultura Tradicional Banto. Luanda, Secr.Arquidioc.de Pastoral. 1985.

ALVARENGA, Oneyda. 1946. Melodias registradas. Prefeitura do município de São Paulo: Departamento de Cultura.

ALVARENGA, Oneyda. 1950. Música popular brasileira. Porto Alegre: Globo

ALVES, Elder Patrick Maia. A economia simbólica da cultura popular sertanejo-nordestina. Tese (doutorado) Universidade de Brasília, Departamento de Sociologia, 2009.

Alves, G. L. (1999). A elaboração de currículos para as escolas de educação infantil, de ensino fundamental e de educação de jovens e adultos: premissas. Florianópolis: Secretaria de Educação (mimeo).

ALVES, Maria Bernardete Martins e LOPES, Marili I. Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos. UFSC, 2006.

ALVES, Maria Bernardete Martins. Procedimentos para apresentação de artigo em publicação periódica científica. Módulo V (NBR 6022:2003), UFSC. Apresentação para Datashow.

ALVES, Rubem. 2002 (2000). Filosofia da Ciência: introdução ao jogo e a suas regras. São Paulo: Loyola.

Alves, Rubem. Conversas com quem gosta de ensinar. Cortez Editora, Editora Autores Associados. 1980.

ALZER, Luiz André; MARMO, Hérica. A vida até parece uma festa: toda a história dos Titãs. Rio de Janeiro, Editora Record, 2005.

AMARAL, Rita. Festa à brasileira: sentidos do festejar no país que “não é sério”. Tese (Doutorado em Antropologia Social)–Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2010.

Ambros, August Wilhelm Geschichte der Musik. Breslau: F. E. C. Leuckart. 1862

AMBROSE, Joe. The violent world of mosh pit culture. Kindle edition. London: Omnibus Press, 2001.

Ames, David W. “A Socio-Cultural View of Hausa Musical Activity” In Warren L. d’Azevedo, ed., The Traditional Artist in African Societies. Bloomington: Indiana University Press, pp. 128-61. 1973b

Ames, David W. “Igbo and Hausa Musicians: A Comparative Examination” Ethnomusicology 17:250-78. 1973a

Ames, David W. and Anthony V. King. Glossary of Hausa Music and Its Social Contexts. Evanston, Illinois: Northwestern University Press 1971

Amiot, Père. Memoire sur la musique des chinois. Paris: Chez Nyon l’ainé 1779

ANDRADA, Lúcia Vulcano de. We who are not as others: Análise das noções de violência no mosh a partir do heavy metal. 2013.115 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós- Graduação em Música,Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

ANDRADE, Mário de. 1962. Ensaios sobre a música brasileira. São Paulo: Martins.

ANDRADE, Mário de. 1982A (1959). Danças Dramáticas do Brasil. Volume 1, 2º ed. Oneyda Alvarenga, org. Belo Horizonte: Itatiaia.

ANDRADE, Mário de. 1982B (1959). Danças Dramáticas do Brasil. Volume 2, 2º ed. Oneyda Alvarenga, org. Belo Horizonte: Itatiaia.

ANDRADE, Mário de. 1982C (1959). Danças Dramáticas do Brasil. Volume 3, 2º ed. Oneyda Alvarenga, org. Belo Horizonte: Itatiaia.

ANDRADE, Mário de. Ensaio sobre a música brasileira. 3ª ed. Comentário e hipertextos: Cláudia Neiva de Matos (UFF). São Paulo: Vila Rica; Brasília: INL, 1972.

ANDRADE, Mario de. Pequena História da Música. Belo Horizonte: ed. Itatiaia, 1987.

ANDRÉA et ali. Mulheres do rock: o rock do DF sob o ponto de vista feminino. Distrito Federal: Zine Oficial, Ossos do Ofício, 2010.

ANDRIES, André Luiz Fernandes. Pontos de cultura: uma experiência de política pública participativa. Monografia (especialização) Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Ciência Política, 2010.

Ankermann, B. “Die afrikanischen Musikinstrumente” Dissertation, University of Leipzig. 1902

ANSELMO, Antônio Joaquim. Bibliografia das Obras Impressas em Portugal no Séc.XVI. Lisboa, Oficinas Gráficas Nacional, 1926. Reedição:1977.

ANTONIETO, Thiago. O inventor do peso no heavy metal. In: Cover Guitarra, n.120. São Paulo:HMP Editora, dez.2004. p. 42-50.

Antonio, Irati, Rita de Cássia Rodrigues e Heloísa Helena Baub, org. 1988. Bibliografia da Música Brasileira 1977-1984. São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações e Artes.

Anttila, Raimo. An Introduction to Historical and Comparative Linguistics. London: Macmillan 1972

ANTUNES, José Leopoldo Ferreira. Medicina, leis e moral: pensamento médico e comportamento no Brasil (1870-1930). São Paulo. UNESP, 1998.

Apel, Willi Harvard Dictionary of Music. 2d ed. Cambridge, Mass.: Harvard University Press 1969

ARAÚJO, Alceu Maynard e ARIGÓ Jr. 1957. Cem melodias folclóricas : documentário musical nordestino. São Paulo: Ricordi.

ARAUJO, Alceu Maynard. Cultura Popular Brasileira. São Paulo, Ed. Melhoramentos, 1973.

ARAUJO, J. G. ; MARINS, P. R. A. . Evasão na Ead: um survey com estudantes do curso de Licenciatura em Música a distância da UnB. In: XXIV Congresso da Anppom, 2014, São Paulo – SP. Anais do XXIV Congresso da Anppom, 2014.

ARAÚJO, Samuel. Etnomusicologia e debate público sobre a música no Brasil hoje: polifonia ou cacofonia? Música e Cultura, n. 6, v. 1. 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2012.

Archer, William Kay, ed. The Preservation of Traditional Forms of the Learned and Popular Music of the Orient and the Occident. Urbana: University of Illinois, Institute of Comunications Research. 1964b

Archer, William Kay. “On the Ecology of Music” Ethnomusicology 8:28-33. 1964a

ARKADIEV Michael A., [The Temporal Structures of New European Music: An Essay of Phenomenological Study, in Russian.], Moscow 1992.

ARNETT, J.. Heavy Metal Music and Reckless Behavior Among Adolescents. Journal of Youth and Adolescence. Volume 20, n. 06, pp. 573 – 592, 1991.

ARNETT, J.. Metalheads: heavy metal music and adolescent alienation. Boulder: Westview Press, 1996.

ARRAUD, Henry. Hector Berlioz. Madrid: Alianza Editorial

Arroyo, M. (1990). Educação musical: Um processo de aculturação ou enculturação? . Em Pauta, 1. Porto Alegre: UFRGS.

Arroyo, M. (1990). Educação musical: Um processo de aculturação ou enculturação? . Em Pauta, 1. Porto Alegre: UFRGS.

ARROYO, Margarete (Org.). Jovens e músicas: um guia bibliográfico. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

ARROYO, Margarete. Mundos musicais locais e educação musical. Em Pauta, Porto Alegre, v. 13, n. 20, p. 95-121, 2002.

ARROYO, Margarete. Mundos musicais locais e educação musical. Em Pauta, vol. 13, n. 20, junho, 2002. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

ARROYO, Margarete. Mundos musicais locais e educação musical. Em Pauta, vol. 13, n. 20, junho, 2002. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

ARROYO, Margarete. Mundos musicais locais e educação musical. Em Pauta, vol. 13, n. 20, junho, 2002. Disponível em http://seer.ufrgs.br/EmPauta/article/view/8533/4953. Acessado em: 11 out. 2012.

Arroyo, Margareth. Um Olhar Antropológico sobre Praticas de Ensino e Aprendizagem Musical. Revista da ABEM, nº 5, 2000.

Arruda, Yolanda de Quadros. Elementos de Canto Orfeônico: educação musical. São Paulo.

ARRUDA, Yolanda de Quadros. Elementos de Canto Orfeônico: educação musical. São Paulo.

ARRUDA, Yolanda de Quadros. Elementos do Canto Orfeônico.36 ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1960.

ASCH, Michael I. 1975. “Social Context and the Musical Analysis of Slavey Drum Dance Songs”. Ethnomusicology, 19 (2):245-57.

ASSARÉ, Patativa do. Cante lá que eu canto cá. 4ªEd. Petrópolis, Vozes, 1982.

ASSEF, Vinícius. Dicas para melhorar sua apresentação de slides. Webinsider. Publicado em 17 fev. 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2012.

ASSIS, Aline Silveira. Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania – Cultura Viva: expressão dos rumos da política social na contemporaneidade. Dissertação (mestrado) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Serviço Social, 2007.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

ATTALI, Jacques. Noise: the political economy of music. Minneapolis: The University of Minnesota Press, 2003.

ATTALI, Jacques. Noise: The Political Economy of Music. Translation by Brian Massumi, Foreword by Fredric Jameson, Afterword by Susan McClary. Theory and History of Literature, Volume 16. Minneapolis, London: University of Minnesota Press, 2009.

AUBERT, Eduardo Henrik. A música do ponto de vista do nativo: um ensaio bibliográfico. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 50, n. 1, p. 271-312, 2007. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

AUBERT, Eduardo Henrik. A música do ponto de vista do nativo: um ensaio bibliográfico. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 50, n. 1, p. 271-312, 2007. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77012007000100007&lng=en&nrm=iso . Acessado em: 11 out. 2012.

AUBERT, Eduardo Henrik. A música do ponto de vista do nativo: um ensaio bibliográfico. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 50, n. 1, p. 271-312, 2007. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77012007000100007&lng=en&nrm=iso. Acessado em: 11 out. 2012.

AUDRIN,Frei José M.,O.P. Os sertanejos que eu conheci. Rio de Janeiro, Ed.José Olympio, l963.

Avelar, Idelber. 2001. “Defeated Rallies, Mournful Anthems, and the Origins of Brazilian Heavy Metal.” In Brazilian Popular Music and Globalization, edited by C. Dunn and C. Peronne. Gainsville: University of Florida Press. Disponível em http://www.tulane.edu/∼avelar/metal.html, ultimo acesso em julho de 2004.

Avelar, Idelber. 2003. “Heavy Metal Music in Postdictatorial Brazil: Sepultura and the Coding of Nationality in Sound.” Journal of Latin American Cultural Studies 12 (3): 141– 152.

AVELAR, Idelber. De Mílton ao Metal: política e música em Minas. ArtCultura: Revista de História, Cultura e Arte do Instituto de História e do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, n.9, jul-dez, 2005. p 26- 37.

AVELAR, Idelber. De Mílton ao Metal: política e música em Minas. In: Anais do V Congresso Latino-americano da Associação para o Estudo da Música Popular – IASPM-LA. Rio de Janeiro, 2004.

AVELAR, Idelber. Defeated Rallies, Mournful Anthems, and the origins of Brazilian Heavy Metal. In: DUNN, C.; PERONE, C..Brazilian popular music & globalization. Gainsville: University of Florida Press, 2001.

AVELAR, Idelber. Figuras da violência: Ensaios sobre narrativa, ética e música popular. – Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, 268p.

AVELAR, Idelber. Heavy Metal Music in Postdictatorial Brazil: Sepultura and the Coding of Nationality in Sound. Journal of Latin American Cultural Studies, Oxford, vol. 12, n.3, p.329-346, 2003.

AVELAR, Idelber. O manguebeat e a superação do fosso entre o nacional e o jovem na música popular.

AVELAR, Idelber. Otherwise National: locality and power in the art of Sepultura. In: Metal Rules the Globe: Heavy Metal Music Around the World. WALLACH, Jeremy; GREEN, Paul, and BERGER, Harris. Londres: Duke University Press, 2011. p. 135-160

ÁVILA, Alisson; BASTOS, Cristiano; MÜLLER, Eduardo. Gauleses Irredutíveis: Causos e Atitudes do Rock Gaúcho. Porto Alegre: Editora Sagra-Luzzatto, 2002.

AVRITZER, Leonardo; COSTA; Sérgio. Teoria Crítica, Democracia e Esfera Pública: Concepções e Usos na América Latina. DADOS (Revista de Ciências Sociais), Rio de Janeiro, Vol. 47, no 4, 2004, pp. 703 a 728.

AVRITZER, Leonardo. Conferências nacionais: ampliando e redefinindo os padrões de participação social no Brasil. IPEA. Texto para Discussão 1739. Rio de Janeiro, Maio de 2012.

AVRITZER, Leonardo. Teoria Democrática e deliberação política. In: Revista Lua Nova. São Paulo, no 49, 2000, pp.26 a 46.

AZENHA, Gustavo S. The internet and the decentralisation of the popular music industry: critical reflections on technology, concentration and diversification. Radical Musicology 1 (2006). Publicado em 17 mai. 2007. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2012.

AZEVEDO, Cláudia Souza Nunes de. É para ser escuro! – codificações do Black Metal como gênero audiovisual. 2009. 239f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

AZEVEDO, Cláudia. Fronteiras do Metal.

AZEVEDO, Cláudia. Metal in Rio de Janeiro 1980’s-2008: An Overview: T. In. SCOTT, Niall W. R.; HELDEN, Imke Von. The Metal Void: First Gatherings. Oxford: Inter-Disciplinary Press, 2010. p. 331-340.(?)

AZEVEDO, Cláudia. Subgêneros do metal no Rio de Janeiro a partir da década de 1980. Cadernos do colóquio. 2004-2005.

AZEVEDO, M. C. C. C. ; NARITA, F. M. . Saberes musicais na criação musical de crianças de 7 a 10 anos: o papel da motivação. In: XIX Congresso da ANPPOM, 2009, Curitiba. Anais do XIX Congresso da ANPPOM, 2009.

AZEVEDO, M. C. C. C. ; REIS, L. ; PESSOA, F. ; RIGHINI, M. ; SANTOS, M. ; NARITA, F. M. . O estranho e o familiar na sala de aula: a música no PAS/UnB: relato de experiência. In: XVII Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2008, São Paulo. XVII Encontro Anual da ABEM: Diversidade musical e compromisso social: O papel da educação musical, 2008.

AZEVEDO, Maria C. C. C. de; NARITA, Flávia. Saberes musicais na criação musical de crianças de 7 a 10 anos: o papel da motivação. In: Congresso Nacional da ANPPOM, 19., 2009, Curitiba. Anais. . . Curitiba: UFPR-DeArtes, 2009. p. 85-87.

BACH, Johann S. Partita I. [17–]. 1 partitura (13 p.). Violino solo. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2010.

BADDELEY, Gavin (1999, 2006). Lucifer Rising – sin, devil worship & rock’n’roll. London: Plexus Publishing Limited.

BAHIA, Lia. Discursos, políticas e ações: processos de industrialização do campo cinematográfico brasileiro. Organização da coleção Lia Calabre. São Paulo: Itaú Cultural; Iluminuras, 2012.

BAHIANA Ana Maria. Importação e assimilação: rock, soul, discotheque. In: NOVAES, Adauto (org.) Anos 70: Ainda sob a tempestade. Rio de Janeiro: Aeroplano; Editora Senac Rio, 2005a. p. 53-59.

BAHIANA Ana Maria. Inocente desobediência civil. In: CARVALHO FILHO, Ibanez de et al. Rock: a música do século XX. v. 1. Rio de Janeiro: Rio Gráfica Editora, 1983. p. 143-144.

BAIESTORF, Peter; SOUZA, Cesar. Manifesto canibal. Rio de Janeiro. Robson Achiamé, 2004.

Baily, John. .”Recent Change in the Dutar of Herat.” AM 8/1:29-64. 1976

BAIRRAL, Adeilton; LANCMAN, Elza Greif e BARCELLOS, Lia Rejane. Normas para elaboração de artigos científicos. Conservatório Brasileiro de Música (CBM). Com a colaboração do corpo de bibliotecárias do CBM-CEU. Rio de Janeiro, fevereiro/março de 2011.

Baker, Theodore. On the Music of the North American Indians. Trans. Ann Buckley. Buren, Netherlands: F. Knuf. 1882 (1976)

BALYOZ, Hal, e Nazir A. Jairazbhoy. 1977. “Electronic Aids to Aural Transcription” Ethnomusicology, 21 (2):275-82.

Bamberger, J. (1991). The mind behind the musical ear. Cambridge: Harvard University Press.

BANDEIRA, Messias. Underground digital no Brasil: a música nas trincheiras do ciberespaço. Dissertação de mestrado. Facom/UFBa, 1999.

BARBALHO, Alexandre. Políticas culturais no Brasil: identidade e diversidade sem diferença. Trabalho apresentado no III ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil.

Barbeau, Marius. “Asiatic Survivals in Indian Songs.” MQ 20:107-16. 1934

Barbeau, Marius. “Buddhist Dirges of the North Pacific Coast.” Journal of the IFMC 14:16-21. 1962

BARBOSA DA SILVA, Frederico A,; ABREU, Luiz Eduardo. As políticas públicas e suas narrativas: o estranho caso entre o Mais Cultura e o Sistema Nacional de Cultura. Brasília: Ipea, 2011.

BARBOSA DA SILVA, Frederico A.; ARAÙJO, Herton Ellery: organizadores. Cultura viva: avaliação do programa arte educação e cidadania. Brasília: Ipea, 2010.

BARBOSA DA SILVA, Frederico A.; LABREA, Valéria Viana. Linhas gerais de um planejamento participativo para o Programa Cultura Viva. [Publicação oficial do Relatório Redesenho do Programa Cultura Viva] Brasília: Ipea, 2014

BARBOSA DA SILVA, Frederico Augusto; ZIVIANI, Paula (Orgs.). Cultura Viva: as práticas de pontos e pontões. 2. ed., rev. e ampl. Brasília: Ipea, 2014.

BARBOSA DA SILVA, Frederico et al. Relatório Redesenho do Programa Cultura Viva. Brasília: IPEA, 2012.

BARBOSA DA SILVA, Frederico; CALABRE, Lia (Orgs.). Pontos de cultura: olhares sobre o Programa Cultura Viva. Brasília: Ipea, 2011.

BARCINSKI, André; GOMES. Silvio. Sepultura: toda a história. São Paulo: Editora 34, 1999.

BARENBOIM, Daniel; SAID, Edward. Paralelos e paradoxos: reflexões sobre música e sociedade. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. ISBN: 8535904271.

Barkechli, Mehdi. La musique traditionelle de l’Iran. Teheran: Secretariat d’état aux beaux-arts. 1963

Barnett, H. G. Innovation: The Basis of Cultural Change. New York: McGraw- Hill. 1953

BARROS, Guilherme Antonio Sauerbronn de. O conceito de Harmonia como fundamento da Ética e da Estética no trabalho didático e na obra musical de Ernst Mahle. In: Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM), 16., 2006, Brasília. Anais… Brasília: UnB, 2006. p. 512-519.

BARROS, José Márcio (org.). Diversidade Cultural: da proteção à promoção. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

BARROS, Líliam C. da S. Repertórios musicais em trânsito: música e identidade indígena em São Gabriel da Cachoeira, Am.. Tese (Doutorado em Etnomusicologia)–Escola de Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

BARROS, Liliam Cristina da Silva . Repertórios Musicais “Culturais” em São Gabriel da Cachoeira, Am. In: Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM), 16., 2006, Brasília. Anais… Brasília: UnB, 2006. p. 236-239.

BARROS, Patrícia. “Provocações brasileiras”: A imprensa contracultural made in Brazil –Coluna Underground (1969-1971), Flor do Mal (1971) & a Rolling Stone Brasileira (1972-1973). Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Assis, 2007.

Barry, Phillips “Communal Re-Creation.” Bulletin of the Folk-Song Society of the Northeast 5:4:-6. 1933

Barry, Phillips “The Origin of Folk Melodies.” JAF 23:4:4:0-4:5. 1910

Barry, Phillips “The Transmission of Folk-Song.” JAF 27:67-76. 1914

Barry, Phillips Folk Music in America. New York: Works Progress Administration, Federal Theatre Project, National Service Bureau Publication no. 80-5. 1939

Barth, Frederick, ed. Ethnic Groups and Boundaries. Boston: Little, Brown. 1969

Barth, Frederick. 1969. “Introduction.” In Ethnic Groups and Boundaries: The Social Organization of Culture Difference, edited by Frederick Barth, 9–38. Bergen, Oslo: Universitets Forlaget.

BARTHOLOMEU, Floro. Joazeiro e o Padre Cícero. Rio de Janeiro, Impr.Nacional, 1923.

Bartholomew, Douglas. 1995. “Sounds Before Symbols: What Does Phenomenology Have to Say.” Philosophy of Music Education Review 3 (1): 03–09.

Bartók, Bela and Albert B. Lord Serbo-Croatian Folk Songs. New York: Columbia University Press. 1951

Bartók, Bela Hungarian Folk Music. London: Oxford University Press. 1931

Bartók, Bela Melodien der rumiinischen Colinde (Weihnachtslieder). Wien: Universal-Edition. 1935

Bartók, Bela Rumanian Folk Music. Vol. 1. The Hague: M. Nijhoff. 1967

Bartók, Bela Slovenske I’udove piesne. Bratislava: Akademia Vied. 1959

BARTÓK, Bela. Integrale des quatours à cordes. Quatour Végh. Paris: Auvidis, 1997. 3 CDs.

BARTÓK, Béla. O mandarim maravilhoso. Wien: Universal, 1952. 1 partitura. Orquestra.

BARTÓK, Bela. Quartour no. 1, Opus 7, Sz. 40. Intérprete: Quartour Végh. In: BARTÓK, Bela. Integrale des quatours à cordes. Quatour Végh. Paris: Auvidis, 1997. 3 CDs.

BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Casting Shadows: fieldwork is dead! Long live fieldwork. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 3-24.

BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 3-24.

BARZ, Gregory F. Confronting Field(note) in and out the field: music, voices, texts, and experiences in dialogue. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 25-41.

BASTIDE, Roger. Les Religions Africaines au Bresil. Paris, Presses Universitaires, 1960. (Trad. São Paulo, Pioneira de Ciências Sociais, 1971.)

BASTOS, Rafael José de Menezes. 1999. A Musicológica Kamayurá: para uma antropologia da comunicação no Alto Xingu. Florianópolis: Editora da UFSC.

BATISTA, Ana Presicla; FUKAHORI Lídia; HAYDU, Verônica Bender. Filme com cenas de violência: efeito sobre o comportamento agressivo de crianças expresso no enredo de uma redação. In: Interação em psicologia, 2004, 8(1), p. 86 89-102

BATSTONE Philip, Musical Analysis as Phenomenology, Perspectives of New Music 7/2 (1969), ss. 97-110.

Batstone, Philip. 1969. “Musical Analysis as Phenomenology.” Perspectives of New Music 2 (7): 94–110.

BATTAILE, Georges. A história do olho. São Paulo. Cosac & Naify, 2003.

BAUGH, Bruce. Prolegômenos a uma Estética do Rock. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo: CEBRAP, n. 38, 1994.

BAULSH, Emma. Gesturing elsewhere: the identity politics of the Balinese Death/Thrash Metal scene. Popular Music. Volume 22, n. 02, pp. 195 – 215, 2003.

Baumann, Max Peter Musikfolklore und Musikfolklorismus. Winterthur: Amadeus. 1976

BAVAB, Magida. História da Educação Musical. Rio de Janeiro: Editora Livros Organização Simões, 1960.

BAVAB, Magida. História da Educação Musical. Rio de Janeiro: Editora Livros Organização Simões, 1960.

Bayard, Samuel P. “American Folksongs and Their Music.” Southern Folklore Quarterly 17: 130-38. 1953

Bayard, Samuel P. “Ballad Tunes and the Hustvedt Indexing Method.” JAF 65:24:8-54 1942

Bayard, Samuel P. “Prolegomena to a Study of the Principal Melodic Families of British-American Folk Song.” JAF 63:1-4:4:. 1950

Bayard, Samuel P. “Two Representative Tune Families of British Tradition.” Midwest Folklore 4:13-34. 1954

BEARD, David e GLOAG, Kenneth. Musicology: The Key Concepts. London, New York: Routledge, 2005.

BEAUD, Michel. Arte da tese: Como preparar e redigir uma tese de mestrado ou doutorado, uma monografia ou qualquer outro trabalho universitário. Tradução de Glória de Carvalho Lins. 3ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000. 176 p. [Resumo do livro em forma de apresentação para Datashow]

BEAUDRY, Nicole. 1978. “Toward Transcription and Analysis of Inuit Throat-Games: Macro-Structure”. Ethnomusicology, 22 (2):261-273.

BEAUDRY, Nicole. The Challenges of Human Relations in Ethnographic Inquiry: Examples from Arctic and Subarctic Fieldwork. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 224-245.

BECKER, Howard S. Uma teoria da ação coletiva. Rio de Janeiro, Zahar, 1977.

BECKER, Howard. Truques da Escrita. São Paulo: Zahar.

Becker, Judith “Western Influence in Gamelan Music.” AM 3/1 :3-9. 1972

Becking, Gustav Der musikalische Rhythmus als Erkenntnisquelle. Augsburg: B. Filser . 1928

BÉHAGUE, Gerard. Conferência: Discurso Musical e Discurso sobre Música: Sistemas de Comunicação Incompatíveis?.

BEHAGUE, Gerard. Estado atual da etnomusicologia brasileira. Encontro Nacional de Pesquisa em Música, 3., 1987, Ouro Preto. Anais… Belo Horizonte, 1989.

Belzner, William “Music, Modernization, and Westernization among the Macuma Shuar.” In Norman E. Whit ten, ed., Cultural Transformations and Ethnicity in Modern Ecuador. Urbana: University of Illinois Press, pp. 731-4:8. 1981

Ben Hutcherson and Ross Haenfler, “Musical Genre as a Gendered Process: Authenticity in Extreme Metal,” Studies in Symbolic Interaction 35, no. 1 (2010): 101–21;

Benedict, Ruth Patterns of Culture. Boston: Houghton Mifflin. 1934

BENEVIDES, Márcio Fonseca. Aspectos ético, estéticos e socioculturais do fazer rock em Fortaleza-CE: resistência e desterritorialização. In: Experiências musicais. Fortaleza: Prefeitura Municipal de Fortaleza – PMF/EdUECE, 2008, pp. 174-187. Francisco José Gomes Damasceno, Amaudson Ximenes Veras Mendonça (orgs.).

BENEVIDES, Márcio Fonseca. Dos Subterrâneos aos Holofotes: os nomadismos do rock fortalezense. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Universidade Federal do Ceará, 2008.

BENJAMIN, Thomas; Horvit, Michael; Nelson, Robert. Music for Analysis: examples from the common practice period and twentieth century. 5th edition. New York: Oxford University Press.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. In: Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores).

BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas em Baudelaire. In: BENJAMIN, Walter. A modernidade e os modernos. Rio de Janeiro. Tempo Brasileiro, 1975.

BENNET, Andy (org.) (2004), Music Scenes. Local, Translocal, and Virtual, Nashville: Vanderbilt University Press.

BENNET, Andy. As youth as you feel. In. HODKINSON, Paul; DEICKE, Wolfgang. Youth subcultures: scenes, subcultures and tribes. Nova York: Taylor & Francis Group, 2007.

BENNET, ANDY. Cultures of popular music. Buckingham: Open University Press, 2001

BENNET, Andy. Subcultures or neo-tribes? Rethinking the relationship between youth, style and musical taste. Sociology. vol. 33, n°3 1999.

BENNET, Roy. Forma e estrutura na música. Jorge Zahar.

BENNET, Roy. Forma e Estrutura na Música. Tradução de Luis Carlos Cseko. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1986.

BENNET, Roy. Forma e Estrutura na Música. Tradução de Luis Carlos Cseko. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1986.

BENNET, Roy. Uma breve história da música. Jorge Zahar.

Bennett, Andy and Peterson, Richard A. (eds.). 2004. Music Scenes: Local, Translocal, and Virtual. Nashville: Vanderbilt University Press.

BENNETT, Andy. Popular Music and Youth Culture: music, identity and place. Cidade: McMillian Press,2000.

BENT, Ian; POPLE, Anthony. Analysis (verbete). The New Grove (OnLine – 2001).

BEOZZO, José Oscar. Pe. A Igreja do Brasil. Petrópolis, Vozes, 1993.

BERG, Alban. Piano sonata, Op. 1. Intérprete: Glen Gould. In: GOULD, Glenn. The Glenn Gould edition: Berg, Krenek, Webern, Debussy, Ravel. Canadá: Sony Classical, 1995.

Berger, Harris M. 1999. Metal, Rock and Jazz: Perception and the Phenomenology of Musical Experience. Hannover, London: Wesleyan Univesity Press.

BERGER, Harris M. 1999. Perception and the Phenomenology of Musical Experience. Hannover, London: Wesleyan Univesity Press.

BERGER, Harris M. Phenomenology and the Ethnography of Popular Music: Ethnomusicology at the Juncture of Cultural Studies and Folklore. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 62-75.

BERGER, Harris M.. The Practice of Perception: Multi-Functionality and Time in the Musical Experiences of a Heavy Metal Drummer. Ethnomusicology, Vol. 41, No. 3 (Autumn, 1997), pp. 464-488. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/852760

BERGER, Harris M.. The Practice of Perception: Multi-Functionality and Time in the Musical Experiences of a Heavy Metal Drummer. Ethnomusicology, Vol. 41, No. 3 (Autumn, 1997), pp. 464-488. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/852760

BERGER, Harris. Death Metal and the Act of Listening. Popular Music, vol. 18, no. 2, pp. 161-179, 1999.

BERGER, Harris. Metal, Rock and Jazz: Perception and the Phenomenology of Musical Experience. Hannover, London: Wesleyan Univesity Press, 1999. Pag. 08-21.

BERILACQUA, Maria Cecília. A criança deficiente e a escala. São Paulo: Balieiro, 1987.

BERILACQUA, Maria Cecília. A criança deficiente e a escala. São Paulo: Balieiro, 1987.

Berliner, Paul The Soul of Mbira. Berkeley: University of California Press. 1978

Berliner, Paul. 1994. Thinking in Jazz: The Infinite Art of Improvisation. Chicago: University of Chicago Press.

BERZINS, Felix Augusto Jacobson. Entre linhas e redes: os pontos de cultura no tecido brasileiro. Dissertação (mestrado) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Psicologia, 2011.

Beyer, E. (1995). Os múltiplos desenvolvimentos cognitivo-musicais e sua influência sobre a educação musical. Revista da ABEM, 2. Associação Brasileira de Educação Musical.

BEYER, Esther (org.). Idéias em Educação Musical. Porto Alegre: Ed. Mediação, 1999.

BEYER, Esther (org.). Idéias em Educação Musical. Porto Alegre: Ed. Mediação, 1999.

BEZERRA, Amilcar Almeida; FERREIRA, Daniela Maria Ferreira; LA BARRE, Jorge de; GADELHA, Wilfred. Metal além da Capital: música pesada no Interior de Pernambuco. Relatório Final do Projeto de Pesquisa Cultural no 346/11, novembro de 2012 . Fundarpe, Funcultura.

BEZERRA, Amilcar Almeida; FERREIRA, Daniela Maria Ferreira; LA BARRE, Jorge de; GADELHA, Wilfred. Transformações: a cena metal no Recife “pós-mangue”. Relatório Final do Projeto de Pesquisa Cultural no 124/09, Maio/2011. Fundarpe, Funcultura.

BEZERRA, Amilcar Almeida; FERREIRA, Daniela Maria Ferreira; LA BARRE, Jorge de. Detonando as fronteiras: notas sobre a formação de uma cena Metal na cidade do Recife. Anais do XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Recife, PE – 2 a 6 de setembro de 2011.

BEZERRA, Jocastra Holanda.Quando o popular encontra a política cultural: a discursividade da cultura popular nos pontos de cultura “Fortaleza dos Maracatus”, “Cortejos Culturais do Ancuri” e “Boi do Ceará”. Dissertação (mestrado) Universidade Estadual do Ceará, Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade, 2014.

BEZERRA, M. G. ; MARINS, P. R. A. ; VIEIRA, L. A. B. . Objetos de Aprendizagem no Curso de Licenciatura em Música a Distância da UnB: Uma Proposta de Classificação. In: XII Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância, 2015, Salvador-BA. Anais do XII ESUD, 2015.

BEZZI, M. O maior espetáculo da Terra. BIZZ – A História do Rock – vols. 4 & 5 – 1980/2005. São Paulo: Editora Abril, 2005.

BIBLIOGRAFIA CZASU MUZYCZNEGO (1992)

Biblioteca Nacional. 1963. Ernesto Nazareth 1863-1934. Biblioteca Nacional, Ministério da Educação e Cultura.

Biblioteca Nacional.1964. Alberto Nepomuceno 1864-1964. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional.

Bingham, W. V. “Five Years of Progress in Comparative Musical Science.” Psychological Bulletin 11 :4:21-33 1914

BITHELL, Caroline. 2006. The Past in Music: Introduction. Ethnomusicology Forum, 15(1): 3-16.

BIVAR, A. O que é punk. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1988.

Blacking, John. “Deep and Surface Structure in Venda Music.” Yearbook of the IFMC 3:91-108. 1972

Blacking, John. “Some Problems of Theory and Method in the Study of Musical Change.” Yearbook of the IFMC 9:1-26. 1978

Blacking, John. “The Role of Music in the Culture of the Venda of the Northern Transvaal.” Studies in Ethnomusicology (New York) 2:20-53. 1965

Blacking, John. “The Value of Music in Human Experience.” Yearbook of the IFMC 1:33-71. 1971

Blacking, John. “Tonal Organization in the Music of Two Venda Initiation Schools.” Ethnomusicology 14:1-56. 1970

Blacking, John. “Can Musical Universals Be Heard?” World of Music 19/1-2:14-22. 1977

Blacking, John. 1995. Music, Culture and Experience: Selected Papers of John Blacking. Edited by Reginald Byron. Chicago: The University of Chicago Press.

BLACKING, John. 2000. How Musical is Man? Seattle and London: University of Washington Press.

BLACKING, John. Can Musical Universals Be Heard? World of Music, vol. 19, n. 1-2, p. 14-22, 1977.

BLACKING, John. Can musical universals be heard? World of Music, vol. 19, n. 1-2, p. 14-22, 1977.

BLACKING, John. Deep and Surface Structure in Venda Music. Yearbook of the IFMC vol. 3, p. 91-108, 1972.

BLACKING, John. Deep and surface structure in Venda music. Yearbook of the IFMC, vol. 3, p. 91-108, 1972.

BLACKING, John. How Musical is Man? Seattle and London: University of Washington Press, 1974.

BLACKING, John. How musical is man? Seattle: University of Washington Press, 1973.

BLACKING, John. How Musical Is Man? Seattle: University of Washington Press, 1973

Blacking, John. How Musical Is Man? Seattle: University of Washington Press. 1973

BLACKING, John. Music culture and experience: selected papers of John Blacking. Editado e com introdução de Reginald Byron; prefácio de Bruno Nettl. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

BLACKING, John. Music culture and experience: selected papers of John Blacking. Editado e

BLACKING, John. Música na sociedade e na cultura. In: BLACKING, John. How Musical is Man? Seattle and London: University of Washington Press, 1974. p. 24-37. [Traduzido por Guilherme Werlang, não publicado].

BLACKING, John. Música na sociedade e na cultura. In: BLACKING, John. How Musical is Man? Seattle and London: University of Washington Press, 1974. p. 24-37.

BLACKING, John. Quão Musical é o Homem? Tradução de Werlang.

Blacking, John. Review of The Anthropology of Music, by Alan P. Merriam. Current Anthropology 7:218. 1966

Blacking, John. Venda Children’s Songs: A Study in Ethnomusicological Analysis. Johannesburg: Witwatersrand University Press. 1967

BLANCHARD, Bonnie. Making music and enriching lives: a guide for all music teachers. Bloomington: Indiana University Press, 2007.

BLANCO, Enrique. Música y lenguaje: Plan de la serie. Valoración del uso del “primitivismo” como analogía con los orígenes de la música. Especulaciones. Disponível em: http://www.imaginarymagnitude.net/eblanco/indice.html

Blaukopf, Kurt. “The Sociography of Musical Life in Industrialised Countries – A Research Task.” World of Music 21/3:78-81. 1979

Blaukopf, Kurt. “Tonsysteme und ihre gesellschaftliche Geltung in Max Webers Musiksoziologie.” International Review of Music Aesthetics and Sociology 1: 159-68. 1970

Blaukopf, Kurt. Musiksoziologie: Eine Einfuhrung in die Grundbegriffe mit besonderer Berüttsichtigung der Soziologie der Tonsysteme. Vienna: Verkauf. 1951

Bloomfield, Leonard. Language. Rev: ed. New York: Holt. 1951

BLUM, Estephen. 1992. “Analysis of musical style”. In Ethnomusicology : an introduction. Helen Meyers, ed. New York: W. W. Norton. Pp.165-218.

Blum, Estephen. 1992. “Analysis of Musical Style.” In Ethnomusicology: An Introduction, edited by Helen Meyers, 165–218. New York: W. W. Norton.

Blum, Stephen. “Musics in Contact: The Cultivation of Oral Repertories in Meshhed Iran.” Dissertation, University of Illinois. 1972

Blum, Stephen. “Persian Folksong in Meshhed (Iran), 1969.” Yearbook of the IFMC 6:68-114 1975a

Blum, Stephen. “Towards a Social History of Musicological Technique.” Ethnomusicology 19:207 1975b

Blume, Friedrich, ed. Die Musik ia Geschichte und Gegenwart. Kassel: Biirenreiter. 1949-79

BOBINEAU, Olivier. La musique metal : sociologie d’un fait religieux . Sociétés, Paris, n.88, p. 93-102. 2o sem. 2005

Boiles, Charles. “Reconstruction of Proto-Melody.” Yearbook for Inter-American Musical Research 9:45-63. 1973a

Boiles, Charles. “Semiotique de l’Ethnomusicologie.” Musique en jeu 10:34-41. 1973b

Boiles, Charles. “Tepehua Thought-Song.” Ethnomusicology 11:267-92. 1967

Boiles, Charles. Man, Magic, and Musical Occasions. Columbus, Ohio: Collegiate Publishing. 1978

BONFITTO, M. O ator compositor: as ações físicas como eixo: de Stanislávski a Barba. São Paulo: Perspectiva, 2002.

BORDINI, Ricardo. M.; DANTAS, M. S. O que pensa e o que sente o compositor quando compõe?. ICTUS: periódico do programa de pós-graduação em música da UFBA, Salvador, v. 8, p. 97-103, 2007.

BORGES NETO, José. Música é linguagem? Universidade Federal do Paraná.

BORGES, Geruza Helena. O Presépio do Pipiripau. Belo Horizonte, Terra Editoria, 1996.

BORGES, José Francisco. A vida do Padre Cícero gravada por José Borges. Recife, Tipografia Marista, sem data.(Colaboração:UFPE)

BORGES, Mackely Ribeiro. Umbanda e Candomblé: Pontos de Contato em Salvador – BA. In: Congresso Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Mùsica (ANPPOM). N.16, 2006, Brasília. Universidade Federal da Bahia, 2006. p. 226-231.

BORN, Georgina. For a Relational Musicology: Music and Interdisciplinarity, Beyond the Practice Turn. Journal of the Royal Musical Association, Vol. 135, no. 2, 205-243.

Bose, Fritz “Messbare Rassenunterschiede in der Musik.” Homo 2/4:1-5. 1952

Bose, Fritz “Musikgeschichtliche Aspekte der Musikethnologie.” Archiv fur Musikwissenschaft 24:239-51. 1966

Bose, Fritz “Volkslied-Schlager-Folklore.” Zeitschrift fur Volkskunde 63:40-49. 1967

Bose, Fritz “Western Influences in Modern Asian Music.” Journal of the IFMC 11:47-50. 1959

Bose, Fritz Musikalische Volkerkunde. Zurich: Atlantis. 1953

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo, Comp.das Letras, 1987.

BOSI, Ecléa. “Problemas Ligados à Cultura das Classes Pobres.” In: A Cultura do Povo. São Paulo, Cortez & Moraes/PUC, 1977.

BOTÃO, Renato Ubirajara dos Santos. Para além da Nagocracia: A (re)africanização do Candomblé Nação Angola-Congo em São Paulo. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais. Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais UNESP, Marília, 2007.

BOTELHO, Isaura. Dimensões da cultura e políticas públicas. São Paulo em Perspectiva, 15 (2), 2001.

BOTELHO, Suzy Piedade Chagas. Educação Musical. São Paulo: Atica, 1978.

BOTELHO, Suzy Piedade Chagas. Educação Musical. São Paulo: Atica, 1978.

Both, Arnd Adje: Aztec Music Culture. Disponível em <>. Acessado em: 23 ago. 2015.

Boudler, John Edward. 1978. “Música Brasileira para Percussão.” (IAP – UNESP).

Bourdieu, Pierre. 1983. Sociologia. São Paulo: Atica.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo. Perspectiva, 1974.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. São Paulo. Cia. das Letras, 2002b.

BOURDIEU, Pierre. Distinction: a social critique of the judgement of taste. Cambridge. Harvard University Press, 2002.

BOURDIEU, Pierre. Outline of a Theory of Practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1977 [1972].

BRACKETT, David. Interpreting Popular Music. Berkeley / Los Angeles / London: University of California Press, 1995.

BRAGA, Reginaldo Gil. Música e Modernidade religiosa entre Tamboreiros de Nação: em torno de uma tradição musical moderna. In: Em Pauta, vol.14, n.23. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003. p. 121-141.

BRAGA,J. Ancestralidade Afro-Brasileira: o Culto de Babá Egum. Salvador, Ed.UFBA, 1995.

Brailoiu, Constantin Problemes d’ethnomusicologie: Textes reunis et prefaces par Gilbert Rouget. Geneva: Minkoff Reprint. 1973

Brailoiu, Constantin Vie musicale d’un village: Recherches sur le repertoire de Dragus (Roumaine) 1929-1932. Paris: Institut universitaire roumain Charles ler. 1960

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O Divino, o Santo e a Senhora. Rio de Janeiro: Funarte, 1978.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Pesquisa Participante. São Paulo, Ed.Brasiliense, 1983.

BRANDAO, Carlos Rodrigues. Reflexões sobre como fazer trabalho de campo. Sociedade e Cultura, V. 10, N. 1, jan./jun. 2007, p. 11-27.

BRANDAO, Carlos Rodrigues. Reflexões sobre como fazer trabalho de campo. Sociedade e Cultura, V. 10, N. 1, jan./jun. 2007, p. 11-27.

BRANDINI, Valéria. Cenários do rock: mercado, produção e tendência no Brasil. São Paulo: Olho d’Água, 2004.

Brasil. (1998). Parâmetros Curriculares nacionais (1ª a 4ª séries). Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (1998). Parâmetros Curriculares nacionais: Arte (5ª a 8ª séries). Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (1998). Referencial curricular nacional para a educação infantil. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional no. 9, de 9 de novembro de 1995. Lex: legislação federal e marginália, São Paulo, v. 59, p. 1966, out./dez. 1995.

BRASIL. Lei no 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Diário Oficial da União, República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 19 ago. 2008. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2012.

BRASIL. Ministério da Cultura. Portaria N. 156, de 06 de Julho de 2004. Cria o Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania – CULTURA VIVA. Brasília: Ministério da Cultura, julho de 2004.

BRASIL. Ministério da Cultura. Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural – 2013. Programa Cultura Viva – Documento Base, São Paulo Brasília: Ministério da Cultura, julho de 2013.

BRASIL. Programa Nacional de Arte, Educação, Cidadania e Economia Solidária. 3a Ed. Brasília, Ministério da Cultura, 200?.

BRASIL. Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania: Cultura Viva: autonomia, protagonismo e fortalecimento sociocultural para o Brasil. Brasília: Ministério da Cultura, 2008

BREEN, Marcus. A Stairway to Heaven or a Highway to Hell? Heavy Metal Rock Music in the 1990s. Cultural Studies. Volume 05, n.02, pp. 191 – 203, 1990.

BRETON, André. Manifestos do surrealismo. São Paulo. Brasiliense, 1985.

BRETT, Philip; WOOD, Elizabeth. Música Lésbica e Guei. Tradução de Carlos Palombini. Gentilmente cedido pelo tradutor, a ser publicado pela ANPPOM em breve.

Brian Hickam and Jeremy Wallach, “Female Authority and Dominion: Discourse and Distinctions of Heavy Metal Scholarship,” Journal for Cultural Research 15, no. 3 (July 2011): 255–77;

Briegleb, Ann ca. Directory of Ethnomusicological Sound Recording Collections in the U.S. and Canada. Ann Arbor, Mich.: Society for Ethnomusicology . 1970

Bright, William “Language and Music: Areas for Cooperation.” Ethnomusicology 7:26-32. 1963

BRILL, Dunja. Gender, status and subcultural capital in the goth scene. In. HODKINSON, Paul; DEICKE, Wolfgang. Youth subcultures:scenes, subcultures and tribes. Nova York: Taylor & Francis Group, 2007.

BRITO, Noêmia Renart. Os caminhos da música. v. 1, Rio de Janeiro: do Autor, 1986.

BRITO, Noêmia Renart. Os caminhos da música. v. 2, Rio de Janeiro: do Autor, 1987.

Brito, Noêmia Renart. Os caminhos da música. v. 3, Rio de Janeiro: do Autor, 1988.

BRITO, Noêmia Renart. Os caminhos da música. v. 3, Rio de Janeiro: do Autor, 1988.

BRITTO, Paulo Henriques. “A temática noturna no rock pós-tropicalista”. In Da Bossa Nova à Tropicália. Rio de Janeiro, FAPERJ/Relume Dumará, 2003.

Bronson, Bertrand H. “Mechanical Help in the Study of Folk Song.” JAF 62:81-90. 1949

Bronson, Bertrand H. “Melodic Stability in Oral Tradition.” Journal of the IFMC 3:50-55. 1951

Bronson, Bertrand H. “Some Observations About Melodic Variation in British-American Folk Tunes.” JAMS 3: 120-34. 1950

Bronson, Bertrand H. “Toward the Comparative Analysis of British-American Folk Tunes.” JAF 72:165-91. 1959

Bronson, Bertrand H. The Traditional Tunes of the Child Ballads. Princeton, N.J.: Princeton University Press. 1959-72

BROOCK, Angelita M. V. A abordagem Pontes na musicalização para crianças entre 0 e 2 anos de idade. Dissertação (Mestrado em Educação Musical)–Escola de Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2012.

Brook, Barry , and others, ed. Perspectives in Musicology. New York: Norton. 1972

BROTTMAN, Mikita. Eating italian. In: HUNTER, Jack (ed). The bad mirror. Nova Iorque. Creation Books, 2002.

BROWN, Andy R. Everthing louder than everything else: the contemporary metal music magazine and its cultural appeal. Journalism studies, vol.8, n. 4. Cardiff 2007, p.643-655.

BROWN, Andy R. Heavy metal and subcultural theory: a paradigmatic case of neglect?. In. MUGGLETON, David; WEINZIERL, Rupert. The Post-subcultures Reader. Nova York: Berg, 2003. p.209-222.

BROWN, Andy R. Rethinking the subcultural commodity: the case of heavy metal t-shirt culture(s). In. HODKINSON, Paul; DEICKE, Wolfgang. Youth subcultures. Nova York: Taylor & Francis Group, 2007. p.63-78

BROWN, Andy R. The Importance of Being Metal: the metal music tabloid and youth identity construction. In. SCOTT, Niall W. R.; HELDEN, Imke Von. The Metal Void: First Gatherings. Oxford: Inter-Disciplinary Press, 2010. p. 105-134.

BROWN, Andy R. The speeding bullet, the smoking gun: tracing metal trajectories, form Sabbath to Satyricon. In: BORWN, Andy R.; FELLEZS, Kevin( ed). Heavy metal generations. Oxford (ING): Inter-Disciplinary press, 2012. p. 3-14.

Brown, Howard M. Music in the Renaissance. Englewood Cliffs, N .1. : Prentice-Hall. 1976

BROWNER, Tara. 2000. “Making and Singing Pow-wow Songs: Text, Form, and the Significance of Culture-based Analysis” Ethnomusicology, vol. 44 (2):214-33.

Bruce JohnSon e Martin cloonan. Dark Side of the tune: Popular Music and Violence. Ashgate, 2009.

Bruner, Edward M. 1986. “The Anthropology of Experience.” In The Anthropology of Experience, edited by Victor Turner and Edward M. Bruner, 1–30. Urbana and Chicago: University of Illinois Press.

Bruner, Jerome S. 1996. The Culture of Education. Cambridge Harvard University Press.

BUDASZ, Rogério (Org.). Criação musical e tecnologias: teoria e prática interdisciplinar. Damián Keller (prefácio e organização). Vol. 2. Goiânia: ANPPOM, 2010.

BUDASZ, Rogério (Org.). Pesquisa em música no Brasil: métodos, domínios, perspectivas. Vol. 1. Goiânia: ANPPOM, 2009.

Buecher, Carl Arbeit und Rhythmus. 3d ed. Leipzig: Teubner. 1902

Bukofzer, Manfred “Kann die Blasquintentheorie zur Erkliirung exotischer Tonsysteme beitragen?” Anthropos 32:402-18. 1937

Bukofzer, Manfred Music in the Baroque Era. New York: Norton. 1947

BUKSZPAN, Daniel. The encyclopedia of heavy metal. Nova York:Sterling Publishing Co., 2003.

Bull, Storm. 1964. Index to Biographies of Contemporary Composes. New York: The Scarecrow Press.

BURKE, Peter. Capítulo 1: origens da história cultural. In Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

BURKE, Peter. O que é História Cultural? Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005

BURKE, Peter. O que é História Cultural? Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005

BURKHART, Charles. Anthology for Musical Analysis.

Burling, Robbins. “Cognition and Componential Analysis: God’s Truth or Hocus-Pocus?” AA 66:20-28. 1964

Burman-Hall, Linda C. “Southern American Folk Fiddle Styles.” Ethnomusicology 19:47-65. 1975

Burney, Charles. A General History of Music. New York: Harcourt, Brace. 1776-89 (1935)

Burton, Frederick R. American Primitive Music. New York: Moffat, Yard. 1909

Butler, D. (1992). The musician?s guide to perception and cognition. New York: Schirmer Books.

CABEDO, A. ; NARITA, F. M. . Music Education and the Construction of Musical Knowledge in Spain and Brazil. The International Journal of the Arts in Society, v. 6, p. 159-167, 2011.

Cachia, Pierre. “A 19th Century Arab’s Observations on European Music.” Ethnomusicology 17:41-51. 1973

CAIAFA, J. Movimento punk na cidade: a invasão dos bandos sub. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 1985.

CALABRE, Lia (Org.). Oficinas do sistema nacional de cultura. Brasília: Ministério da Cultura, 2006.

CALABRE, Lia (Org.). Políticas culturais: reflexões e ações São Paulo: Itaú Cultural; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2009.

CALABRE, Lia (Org.). Políticas culturais: teoria e práxis. São Paulo: Itaú Cultural; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2011.

CALABRE, Lia. O Minc, a gestão Gilberto Gil e os desafios na construção de políticas culturais. Revista Proa, n. 1, vol. 01.

CALABRE, Lia. Politica cultural no Brasil: um historico. I Enecult.

CALABRE, Lia. Políticas Culturais no Brasil: balanço e perspectivas. Trabalho apresentado no III ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil.

CALADO, Carlos. A divina comédia dos Mutantes. São Paulo: Editora 34, 1995.

CALADO, Carlos. Tropicália: a história de uma revolução musical. São Paulo: Editora 34, 1997.

CALMON, Francisco. Relação das Faustíssimas Festas. Rio de Janeiro, MEC-SEC/Funarte, 1982. Fac-similar da edição de 1762.

CAMBRIA, Vicenzo. Diferença: uma questão (re)corrente na pesquisa etnomusicológica. Música e Cultura: revista on-line de etnomusicologia, n. 3, 2008. Disponível em <>. Acessado em: 23 ago. 2015.

CAMBRIA, Vicenzo. Diferença: uma questão (re)corrente na pesquisa etnomusicológica. Música e Cultura: revista on-line de etnomusicologia, n. 3, 2008. Disponível em http://musicaecultura.abetmusica.org.br/artigos-03/MeC03-Vicenzo-Cambria. . Acessado em: 11 out. 2012.

CAMPBELL, Patricia S. Ethnomusicology and Music Education: Crossroads for knowing music, education, and culture . Research Studies in Music Education, n. 21, 2003. p. 16 -30. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

CAMPBELL, Patricia S. Ethnomusicology and Music Education: Crossroads for knowing music, education, and culture. Research Studies in Music Education, n. 21, 2003. p. 16 -30. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

CAMPBELL, Patricia S. Ethnomusicology and Music Education: Crossroads for knowing music, education, and culture. Research Studies in Music Education, n. 21, 2003. p. 16 -30. Disponível em http://rsm.sagepub.com/content/21/1/16.full.pdf+html. Acessado em: 11 out. 2012.

CAMPINA, Julio. Subsidio ao folk-lore brazileiro: anecdotas sobre caboclos e portuguezes, lendas, contos e canções populares, etc. Capital Federal: Papelaria Mendes, Marques e C., 1897.

CAMPOY, Leonardo C. Trevas na cidade: o underground do metal extremo no brasil. Dissertação (mestrado). Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia – PPGSA, do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008

CAMPOY, Leonardo Carbonieri. Esses camaleões vestidos de noite: uma etnografia do underground Heavy Metal. Sociedade em Estudos, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 37-50, 2006.

CAMPOY, Leonardo Carbonieri. Trevas sobre a luz: O Underground do Heavy Metal Extremo no Brasil. São Paulo: Alameda, 2010. 320p.

CAMPOY, Leonardo. Trevas sobre a luz. Um sentido cultural do heavy metal. Monografia de conclusão do curso de ciências sociais da UFPR. Curitiba: 2005.

CAMUS, Albert. O homem revoltado. Rio de Janeiro. Record, 1999.

CANCLINI, Nestor et al. Políticas culturais para o desenvolvimento: uma base de dados para a cultura. Brasília: UNESCO Brasil, 2003.

CANDÉ, Roland de. (1994) História universal da música. Tradução de Eduardo Brandão. Revisão da Tradução Marina Appenzeller. 2 vols. São Paulo: Martins Fontes.

CANDÉ, Roland de. História Universal Da Música. 2 vols. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

CANDÉ, Roland de. História Universal Da Música. 2 vols. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

CANEVACCI, Massimo. Culturas Extremas – mutações juvenis nos corpos das metrópoles. Tradução de Alba Olmi. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

Cano, Rubén López. Cómo hacer una comunicación, ponencia o paper y no morir en el intento. Un manual de autoayuda académica. SIBE, Sociedade de Etnomusicologia.

Canon, Cornelius Baird. “The Federal Music Project of the Works Progress Administration: Music in a Democracy.” Dissertation, University of Minnesota. 1963

CARDOSO FILHO, Jorge . Caos, peso e celebração: uma abordagem do Heavy Metal a partir da noção de gênero mediático. Anais do XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. UERJ, 5 a 9 de setembro de 2005.

CARDOSO FILHO, Jorge. Afeto na análise dos grupamentos musicais. Revista ECO-PÓS, Rio de Janeiro: UFRJ, volume 07, n. 02, 2004.

CARDOSO FILHO, Jorge. Música popular massiva na perspectiva mediática: estratégias de agenciamento e configuração empregadas no heavy metal. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Comunicação, 2006.

CARDOSO FILHO, Jorge. O sentido do Heavy Metal: por uma analise material da música da banda soteropolitana Malefactor. 2004. 63 f. Monografia (Graduação em Comunicação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia.

CARDOSO FILHO, Jorge. Poética da música underground: vestígios do heavy metal em Salvador. Rio de Janeiro: Ed. E-papers, 2008.

CARDOSO, Ângelo Nonato Natale. A Linguagem dos Tambores. Tese de Doutorado. Programa de Pós Graduação em Música e Etnomusicologia. Escola de Música UFBA, Salvador, 2006.

CARDOSO, Diogo da Silva. Etnogeografia do underground cristão brasileiro: concentração e dispersão das Tribos em nome do Senhor. 2011. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2011.

CARDOSO, Diogo da Silva. Guerreando em nome do Senhor: sobre o underground cristão e evangélico no Brasil, suas territorialidades e o exemplo do grupo Metanoia (RJ). In: Revista Brasileira de História das Religiões. v. 1 n. 3, 2008.

CARDOSO, Letícia; “Reflexões sobre o estudo de grupos juvenis urbanos: o pedaço das categorias e a categoria do pedaço.” In: Revista Intratextos, 2014, vol 5, no 1, p. 46-70. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/intratextos.2014.10434.

CARDOSO, Lindembergue. Método de educação musical. Salvador, 1972.

CARDOSO, Lindembergue. Método de educação musical. Salvador, 1972.

CARDOZO, Missila Loures. Manual de normas acadêmicas: Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Revisado por Denis Donaire e Antonio Carlos Gil. São Caetano do Sul, 2008.

CARIA, Telmo H. A construção etnográfica do conhecimento em Ciências Sociais: reflexividade e fronteiras. In: Experiência etnográfica em Ciências Sociais. Porto, Afrontamento, pp. 9-20

Carlos Vega. Mesomúsica: un ensayo sobre la música de todos. Rev. music. chil. v.51 n.188 Santiago jul. 1997.

CARMO, Paulo Sérgio do. Culturas da Rebeldia. São Paulo: Senac, 2001.

CARMO, Sérgio Rafael do. Conservatórios Estaduais: arte e emoção como aliados da educação em Minas Gerais. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Educação de Minas, 2002.

CARMO, Sérgio Rafael do. Conservatórios Estaduais: arte e emoção como aliados da educação em Minas Gerais. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Educação de Minas, 2002.

CARNEIRO, Edson. Candomblés da Bahia. Bahia, Publ.Museu do Estado, 1948.

CARNEIRO, Edson. Religiões Negras, negros bantos. Rio de Janeiro, 1981.

CARNEIRO, Luiz Felipe. Rock in Rio: A historia do maior festival de música do mundo. São Paulo: Editora Globo, 2011.

Caron, Nelly, and Dariouche Safvate. Iran (Les traditions musicales). Paris: Buchet/Castel. 1966

CAROSO, Luciano. Etnomusicologia no ciberespaço: processos criativos e de disseminação em videoclipes amadores. Tese (doutorado) Universidade Federal da Bahia, Escola de Música, 2010.

CARPENTER Patricia, The Musica Object, Current Musicology 5 (1967), ss. 56-86.

CARROLL, Noel. Why horror? In: JANCOVICH, Mark (Ed.). Horror, the film reader. Londres. Routledge, 2001.

CARVALHO FILHO, Ibanez de et al. Rock: a música do Século XX. Rio de Janeiro: Rio Gráfica Editora, 1983. 2 v.

CARVALHO, Any Raquel. Ensino de Contraponto nas universidades brasileiras. UFRGS: Núcleo de Estudos Avançados.

CARVALHO, Cristina; GAMEIRO, Rodrigo; GOULART, Sueli. As políticas públicas da cultura e a participação de novo tipo no Brasil. VI Congresso Português de Sociologia. Universidade Nova de Lisboa, 2008.

CARVALHO, Luiz Felipe da Silva,. Passado e Presente Headbanger em Belém (PA): Características e simbologia.TCC, UFPA. Belém.2006.

Casagrande, Joseph B., ed. In the Company of Man. New York: Harper and Row. 1960

CASCUDO, Luis da Câmara. Dicionario do folclore brasileiro. 10a. Ed.

CASCUDO, Luís da Câmara. Meleagro. 2ªEd. Rio de Janeiro, Liv.Agira Ed., 1978.

CASCUDO, Luís da Câmara. Religião no Povo. João Pessoa, Imprensa Universitária da Paraíba, 1974.

CASCUDO, Luís da Câmara. Tradição, Ciência do Povo. São Paulo, Ed.Perspectiva, 1971.

Cassirer, Ernst. An Essay on Man. New Haven, Conn.: Yale University Press. 1944

CASTELO BRANCO, Salwa. Vozes do Egipto: da leitura do Alcorão à canção profana. Xarjib: Revista do Centro de Estudos Luso-Árabes, Silves 3, 2003, p. 59-68.

CASTRO, Cid. Metendo o Pé na Lama: Os bastidores do rock in Rio de 1985. 2. Ed: janeiro 2010.

CASTRO, Márcia de Moura. Ex-votos Mineiros – as táboas votivas no Ciclo de Ouro. Rio de Janeiro, Ed.Expressão e Cultura, 1994.

CASTRO, Wagner. IV Festival da Música Popular do Ceará. In: ForCaos: muito além do sexo, drogas e rock and roll. Música(s), Cultura(s) e Contemporaneidade (s) Juveni(I)s. Fortaleza: EdUECE, 2007, pp. 95-107. Francisco José Gomes Damasceno, Amaudson Ximenes Veras Mendonça (orgs.).

Caton, Margaret. “Classical and Political Symbolism in the Tasnifs of ‘Arefe Qazvini.'” Unpublished paper read at the 1979 meeting of the Society for Ethnomusicology. 1979

Caton, Margaret. “The Vocal Ornament Takiyah in Persian Music.” UCLA Selected Reports in Ethnomusicology 2/1:42-53. 1974

CAUDURO, Mauricio Rodrigues. Como uma pedra rolante: contribuição ao estudo de análise de conteúdo da edição brasileira da revista Rolling Stone. Conclusão de curso (Graduação) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Curso de Comunicação Social: Jornalismo, Porto Alegre, BR-RS, 2014.

CAUDURO, Vera Regina Pilla. Iniciação Musical na Idade Pré-Escolar. Porto Alegre: Sagra, 1989.

CAUDURO, Vera Regina Pilla. Iniciação Musical na Idade Pré-Escolar. Porto Alegre: Sagra, 1989.

Cecília C. França. 2003. “O Som e a Forma: do gesto ao valor”. In Ensino de Música: propostas para pensar e agir em sala de aula.

CERVO, Dimitri. O minimalismo e sua influência na composição musical brasileira. Santa Maria: Editora da UFSM, 2005.

CESAR, Getúlio. Crendices no Nordeste. (Com prefácio de Gilberto Freire) Rio de Janeiro, Irmãos Pongetti Editores, 1941.

CHACON, P. O que é Rock. Coleção primeiros passos. São Paulo: Brasiliense. 1989.

CHADA, Sonia. A cantiga de Sotaque no Candomblé de Caboclo. In: II Encontro Nacional da ABET. Etnomusicologia: lugares e caminhos, fornteiras e diálogos. N. 2, 2004, Salvador. Universidade Federal da Bahia, 2004. p. 9-18.

Chandola, Anoop C. “Some Systems of Musical Scales and Linguistic Principles.” Semiotica 2/2:135-50. 0

CHAPPLE, S. e GAROFALO, R. Rock and Roll is Here to Pay: the History and Politics of the Music Industry. Chicago: Nelson-Hall, 1977.

CHAPPLE, Steve; GAROFALO, Reebee. Rock & Indústria: história e política da indústria musical. Lisboa: Editorial Caminho, 1989.

Chase, Gilbert. A Dialectical Approach to Music History.” Ethnomusicology 2:1-9. 1958

CHATTERJEE Margaret, Towards a Phenomenology of Time-Consciousness in Music, Diogenes 74 (1971), ss. 49-56.

CHAVES, Celso. G. L. Temas do ano. Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 24 dez. 2011. Caderno Cultura, p. 7.

CHAVEZ, Andres; CHAVEZ, Denise; MARTINEZ Gerald. What it is… what it was!: the black film explosion of the ’70s in words and pictures. Nova Iorque. Miramax Books, 1998.

Chenoweth, Vida, and Darlene Bee. “Comparative-Generative Models of a New Guinea Melodic Structure.” AA 73:173-82. 1971

Chicago-Style Citation Quick Guide – Based on The Chicago Manual of Style, 15th ed., 2003. Southern University, John B. Cade Library Reference Department. http://www.lib.subr.edu. Prepared by: M. Payne, Reference Librarian 7/08.

Choksy, L. (1981). The Kodaly context: Creating and environment for musical learning. New Jersey: Prentice-Hall.

Choksy, L. (1988). The Kodaly method: Comprehensive music education from infant to adult (2nd ed.). New Jersey: Prentice-Hall.

CHRISTE, Ian. Heavy Metal- a História Completa; tradução Milena Durante e Augusto Zantoz – São Paulo: Arx, Saraiva, 2010.

Christensen, Dieter. “Inner Tempo and Melodic Tempo.” Ethnomusicology 4:9-13. 1960

Chrysander, Friedrich. “Über die altindische Opfermusik.” Vierteijahrschrift fur Musikwissenschaft 1:21-34. 1885

Clark, Henry Leland. “Towards a Musical Periodization of Music.” JAMS 9:25-30. 1956

CLARKE, Eric e COOK, Nicholas (ed.). Empirical Musicology: Aims, Methods, Prospects. Oxford, New York: Oxford University Press, 2004.

Clarke, J. 1976. “The Skinheads and the Magical Recovery of Comunity.” In Resistance Through Rituals: Youth Subcultures in Post-War Britain, edited by S. Hall and Tl Jefferson. London: Hutchinson.

CLAYTON, Martin, Trevor Herbert, Richard Middleton, eds. 2003. The Cultural Study of Music: a critical introduction. New York and London: Routledge.

CLAYTON, Martin; HERBERT, Trevor; MIDDLETON, Richard (Ed). The cultural study of music: a critical introduction. Nova Iorque e Londres: Routledge, 2003.

CLEMENTE, Manuel. A Religiosidade Popular e a Celebração da Fé. Coimbra, Secr.Nacional de Liturgia, 1987.

CLEMENTE, Manuel. A Religiosidade Popular. Lisboa, Ed. Patriarcado de Lisboa,1978.

CLIFTON Thomas, Music as Constituted Object, Music and Man 2 (1976), ss. 73-98.

CLIFTON Thomas, Some Comparisons between Intutive and Scientific Desctriptions of Music, Journal of Music Theory 19 (1975), ss. 66-110.

Clifton, Thomas. 1983. Music as Heard: A Study in Applied Phenomenology. New Haven: Yale University Press.

CLIFTON, Thomas. 1983. Music As Heard: A Study in Applied Phenomenology. Yale University Press.

CLIFTON, Thomas. Music as heard: a study in applied phenomenology. New Haven: Yale University Press, 1983, pp. i-29.

CLOONAN, Martim; JOHNSON, Bruce. Dark side of the tune: popular music and violence. EUA: Ashgate Publish Company, 2009.

COELHO, L M (1999) A Ópera na França. São Paulo: Perspectiva.

COELHO, Patrícia Rodarte Silva Gomes. Batendo cabeças: educação estética e política tecidas a partir do Heavy Metal. Dissertação (mestrado) –Universidade do Estado de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Educação.

COELHO, R. S. ; MARINS, P. R. A. . Presença virtual: um estudo sobre a mediação didático-pedagógico musical online de tutores a distância de um curso de licenciatura em música. In: XXV Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música, 2015, Vitória – ES. XXV Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música, 2015.

COELHO, Teixeira. Dicionário Crítico de Política Cultural: Cultura e Imaginário. São Paulo: Editora Iluminuras, 1997.

COELHO, Teixeira. O Que é Indústria Cultural. São Paulo: Brasiliense, 2000.

Cohen, Dalia, and Ruth Katz. “Remarks Concerning the Use of the Melograph in Ethno-musicological Studies.” Yuval 1:155-68. 1968

Cohen, Dalia. “The Meaning of the Modal Framework in the Singing of Religious Hymns by Christian Arabs in Israel.” Yuval 2:23-57. 1971

COHEN, Judah M. Shadows in the classroom: encountering the Syrian Jewish Research Project twenty years later. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 25-41.

COHEN, Judith R. Ca no soe joglaresa: women and music in medieval Spain’s three culture. In KLINCK, Anne L.; RASMUSSEN, Ann Marie (Ed.). Medieval woman’s song: cross-cultural approaches. Philadelphia: University os Pennsylvania Press.

COHEN, Sara. 1991. Rock Culture in Liverpool: Popular Music in the Making. Oxford: Oxford University Press.

COHEN, Sara. Cavern journeys: music, migration and urban space in Liverpool. In: Toynbee, J., Dueck, B. eds., 2011. London and New York: Routledge.

COHEN, Sara. Ethnography and Popular Music Studies. Popular Music, Vol. 12, No. 2 (May, 1993), pp. 123-138. Cambridge University Press. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/931294. Acessado em 29 Jan 2013.

Cohn, Arthur. 1981. Recorded Classical music: a critical guide to compositions and performances. New York: Schirmer.

COHN, Richard L. 1988. “Review of A Theory for All Music: Problems and Solutions to the Analysis of Non-Western Forms by Jay Rahn”. Ethnomusicology, 32 (1):149-52.

Cole, Hugo. Sounds and Signs: Aspects of Musical Notation. New York: Oxford University Press. 1974

Collaer, Paul “Cartography and Ethnomusicology.” Ethnomusicology 2:66-68. 1958

Collaer, Paul Atlas historique de la musique. Paris: Elsevier. 1960

Colwell, R. (1992). Handbook of Research on Music Teaching and Learning. New York: Schirmer Books.

com introdução de Reginald Byron, com prefácio de Bruno Nettl. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS. Normas para elaboração de trabalhos acadêmicos. Curitiba: UTFPR, 2008.

COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS. Normas para elaboração de trabalhos acadêmicos. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Comissão de Normalização de Trabalhos Acadêmicos. Curitiba: UTFPR, 2008.

COMPÊNDIO da ação cultura digital. 2009.

CONE, Edward. The pianist as critic. In: RINK, John (Org.). The practice of performance: studies in musical interpretation. Cambridge: Cambridge University Press, 1995. p. 241-253.

CONNERTON, Paul. Capítulo 2: Cerimônias comemorativas. In Como as sociedades recordam. Lisboa: Celta Editora, 1999.

CONTIER, Arnaldo Daraya; FISCHER, Catarina Justus Fischer; FABRÍCIO, Fabrício; CARVALHO, Vera A. Assumpção Tavares de. O movimento tropicalista e a revolução estética. Cad. de Pós-Graduação em Educ., Arte e Hist. da Cult. São Paulo, v. 3, n. 1, p. 135-159, 2003.

COOK, Nicholas; EVERIST, Mark (org.). Rethinking Music. Oxford: Oxford University Press, 1999.

COOK, Nicholas; EVERIST, Mark (Org.). Rethinking music. Oxford: Oxford University, 1999.

COOK, Nicholas; EVERIST, Mark. Rethinking Music. New York: Oxford University Press, 1998, p. 239-261. Disponível em Google Books. Acesso em: 26 mar. 2013.

COOK, Nicholas. ????. “Analysing Performance and Performing Analysis”.

COOK, Nicholas. Agora somos todos (etno) musicólogos. Tradução de Pablo Sotuyo Blanco. Ictus: Periódico do PPGMUS/UFBA, vol. 7, 2006. Disponível em http://www.ictus.ufba.br/index.php/ictus/article/view/110/84. Acesso em: 26 mar. 2013.

COOK, Nicholas. Music: A Very Short Introduction. Oxford University Press, 1998.

COOK, Nicholas. Music: a very short introduction. Oxford: Oxford University Press, 1998.

COOK, Nicholas. Theorizing Musical Meaning. Music Theory Spectrum, Vol. 23, No. 2 (Autumn, 2001), pp. 170-195.

COOK, Nicolas. 1987. A Guide to Musical Analysis. London: J. M. Dent.

Cooke, Deryck The Language of Music. London: Oxford University Press. 1959

COOLEY, Timothy J., MEIZEL, Katharine e SYED, Nasir. Virtual fieldwork: three case studies. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 25-41.

Cooper, Robin “Abstract Structure and the Indian Raga System.” Ethnomusicology 21:1-32. 1977

Coplan, David. 1985. In Township Tonight: South Africa’s Black City Music and Theatre. New York: Longman House.

COPLAND, Aaron. Como ouvir (e entender) música. Tradução de Luiz Paulo Horta. Editora Artenova.

CORDEIRO, Domingos Sávio, LIMA, Cícera Andrade F. de, PEREIRA, Cláudio Smalley S. Identidade metaleira na construção de um espaço social na região do Cariri. In: Observatorium: Revista eletrônica de Geografia, v. 2, n. 5, pp. 21-38, nov. 2010.

Corpus Corpus musicae popularis hungaricae. Budapest: Akademiai Kiado 1953

Corrêa, Sérgio Nepomuceno Alvim. 1992. Lorenzo Fernandez: catálogo geral. Rio de Janeiro: Rioarte.

CORRÊA, Sérgio O. de Vasconcelos. Planejamento em Educação Musical. São Paulo: Ricordi, 1971.

CORRÊA, Sérgio O. de Vasconcelos. Planejamento em Educação Musical. São Paulo: Ricordi, 1971.

CORRÊA, Tupã G. Rock, nos Passos da Moda. Mídia: Consumo X Mercado. Campinas, Papirus, 1989.

COSTA, Eliane Sarmento. “Com quantos gigabytes se faz uma jangada, um barco que veleje”: o Ministério da Cultura, na gestão Gilberto Gil, diante do cenário das redes e tecnologias digitais. Dissertação (mestrado) Fundação Getúlio Vargas, Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens culturais, 2011.

COSTA, H. S. B. ; MARINS, P. R. A. . A Docência On-line: Um Caso no Ensino de Teclado na Licenciatura em Música a Distância da UnB. In: XVI Encontro da Associação Ibero-Americana de Educação Superior a Distância, 2014, Rio de Janeiro-RJ. XVI Encontro da Associação Ibero-Americana de Educação Superior a Distância, 2014.

COSTA, H. S. B. ; MARINS, P. R. A. . As Tecnologias Digitais e a Atuação Docente no Ensino Musical a Distância. In: XII Encontro Regional da ABEM Centro-Oeste, 2012, Brasília – DF. Anais do XII Encontro Regional da Associação Brasileira de Educação Musical., 2012.

COSTA, H. S. B. ; MARINS, P. R. A. . Atuação Docente online: o professor de teclado a distância. In: XXI Congresso Nacional da ABEM, 2013, Pirenópolis – GO. Anais do XXI Congresso Nacional da ABEM, 2013.

COSTA, Márcia Regina da. Os “carecas do subúrbio”: caminhos de um nomadismo moderno. Rio de Janeiro: Vozes, 1990.

COSTA, Márcia Regina da. Os Carecas de Cristo e as Tribos Urbanas do Underground Evangélico. In: PAIS, José Machado, BLASS, Leila Maria da Silva. (Org.). Tribos Urbanas: Produção Artística e Identidades. São Paulo: Annablume, 2004. pp. 43-69.

COSTA, Márcia Regina da. Tribos Urbanas, Comunidade Zadoque e os Carecas de Cristo. In: BERNARDO, Terezinha, TÓRTORA, Silvana. (Org.). Ciências Sociais na atualidade: percursos e desafios. São Paulo: Cortez Ed., 2004. pp. 241-258.

COSTA, Niobe Marques; DEL VALLE, Edna de Almeida. Música na escola primária. 3. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1969.

COSTA, Niobe Marques; DEL VALLE, Edna de Almeida. Música na escola primária. 3. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1969.

COSTA, P. G.; MAGALHÃES-CASTRO, B. Elementos extra-musicais na obra de K-ximbinho: questões sobre iconografia musical em suas capas de disco entre 1950 e 1960. Per Musi, Belo Horizonte, v. 23, p. 127-134, 2011.

COUTO, Manoel José Gonçalves. Pe. Missão Abreviada. Porto, 1878.

Cox, John Harrington Folk-Songs Mainly from West Virginia. New York: National Service Bureau, Works Progress Administration (American Folk-Song Publications, no.5). 1939

CRAIN, Zac. Black tooth Grin: the high life, good times, and tragic end of “Dimebag” Darrel Abbott. Da Capo Press, 2009.

Criado, Enrique M. 2004. “Habitus.” In Diccionario Crítico de Ciencias Sociales, edited by Román Reyes. Madrid: Universidad Complutense. Disponível em http://www.ucm.es/info/eurotheo/diccionario/index.html, ultimo acesso em fevereiro de 2006.

Cristina Tourinho. 2003. “Aprendizado Musical do aluno de Violão:articulações entre práticas e possibilidades”. In Ensino de Música: propostas para pensar e agir em sala de aula.

CROCKER, Chris. Metallica: The frayed ends of metal. Madrid: Cátedra, 1997.

CROCKER, Richard L. (1986) A History of musical style. New York: Dover Publications, Inc.

CROOK, Larry. Turned-Around Beat: Maracatu de Baque Virado and Chico Science. In: PERRONE, Charles A.; DUNN, Christopher (Ed.). Brazilian Popular Music and Globalization. Gainesville: University Press of Florida, 2001, p. 233-244.

CROSS, Charles R. Mais pesado que o céu: uma biografia de Kurt Cobain. Tradução: Cid Knipel. São Paulo: Globo, 2002.

CUNHA, Euclydes da. Os Sertões. Rio de Janeiro, Laemmert & C.Ed., 1907. p.144.

CUNHA, Helenice Rêgo dos Santos. Padrão PUC Minas de normalização: normas da ABNT para apresentação de teses, dissertações, monografias e trabalhos acadêmicos. 9. ed. rev. Ampl. atual. Belo Horizonte: PUC Minas, 2011.

CUNHA, Helenice Rego. Padrão PUC-Minas de normalização: normas da ABNT para apresentação de teses, dissertações, monografias e trabalhos acadêmicos. 9a. edição revisada, ampliada e atualizada conforme norma NBR 14.724 de abril de 2011.

CUNHA, Sônia Regina Soares da. A mídia dos outros somos nós: a experiência audiovisual do Ponto de Cultura Cinema para todos. Dissertação (mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa de Pós-Graduação em Estudos da Mídia, 2012.

CURRY, Christopher Wayne. A taste of blood: the films of Herschell Gordon Lewis. Nova Iorque. Creation Pub Group, 2000.

Curtis-Burlin, Natalie The Indians Book. New York: Harper. 1907

Cutter, Paul F. “Oral Transmission of the Old-Roman Responsories?” MQ 62:182-94. 1976

D’AGOSTINI, Orfeu Gilberto. Xadrez Básico. 5a. Ed. Revista. Rio de Janeiro: Ediouro.

D’AMORE, Abigail. Musical Futures: an approach to teaching and learning. 2nd edition. Teacher resource pack 1.

DA SILVA, Bernard Arthur. “Metal City”: Apontamentos sobre a história do Heavy Metal produzido em Belém do Pará (1982 – 1993). Monografia (Graduação em História) – Universidade Federal do Pará, 2010.

da SILVA, Sara Jane. O Canto de Oyá no Candomblé Keto: Um estudo dos Aspectos CUlturais e Etnomusicológicos. Dissertação de Mestrado. Programa Multidiscilpinar de Pós Graduação em Cultura e Sociedade. Faculdade de Comunicação UFBA, Salvador, 2009.

DABLE, Felipe Figueiras. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Música.

DAGNINO, Evelina. Sociedade civil, participação e cidadania: de que estamos falando? In MATO, Daniel (coord.), Políticas de ciudadanía y sociedad civil en tiempos de globalización. Caracas: FACES, Universidad Central de Venezuela, pp. 95-110.

Dahlback, Karl New Methods in Vocal Folk Music Research. Oslo: Oslo University Press. 1958

DAHLHAUS Carl, Toward the Phenomenology of Music, Esthetics of Music, trans. William D. Austin, Cambridge, Eng.: Cambridge University Press, 1982, ss. 74-83.

Dahlhaus, Carl Grundlagen der Musikgeschichte. Cologne: Hans Gerig. 1977

Dahlhaus, Carl, ed. Einfiihrung in die systematische Musikwissenschaft. Cologne: Hans Gerig. 1971

Dalcroze, E. J. (1980). Rhythm, Music and Education, (4ª ed.). London: Hazell Watson e Viney.

DAMANTE, Hélio. Folclore Brasileiro: São Paulo. Rio de Janeiro, MEC/Funarte, 1980.

DAMÁSIO, A. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DAMATTA, Roberto, e Luis Felipe Baeta Neves, Simoni Lahud Guedes, Arno Vogel. Universo do Futebol: Esporte e Sociedade Brasileira. Rio de Janeiro, Ed.Pinakotheke, 1982.

DaMatta, Roberto. “Some Biased Remarks on Interpretivism: a view from Brazil.” In Assessing Cultural Anthropology, editado por Robert Borofsky, 119–32. New York: McGraw-Hill, 1994.

DaMatta, Roberto. 1994. “Some Biased Remarks on Interpretivism: a view from Brazil.” In Assessing Cultural Anthropology, edited by Robert Borofsky, 119–32. New York: McGraw-Hill.

DAMATTA, Roberto. 2000. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco.

DAMATTA, Roberto. Antropologia e história. In: DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 1987. p. 86-142.

DAMATTA, Roberto. O que faz o Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

DAMATTA, Roberto. Segunda parte: antropologia e história. In: DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 1987. p. 86-142.

DAMATTA, Roberto. Terceira parte: trabalho de campo. In: DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 1987. p. 143-173.

Danckert, Werner “Tonmalerei und Tonsymbolik in der Musik der Lappen.” Musikforschung 9:286-96. 1956

Danckert, Werner Das europäische Volkslied. Berlin: J. Bard. 1939

Danielou, Alain “The use of the Indian Traditional Method in the Classification of Melodies.” Journal of the IFMC 18:51-56. 1966

Danielou, Alain Die MusiK Asiens zwischen Misachtung und Wertschiitzung. Wilhelmshaven: Heinrichshofen. 1973

DANTAS, Beatriz Gois. Taieiras de Sergipe. Petrópolis, Vozes, 1972.

DANTAS, Danilo Fraga. A Prateleira do Rock Brasileiro: uma análise das estratégias midiáticas utilizadas nos discos de rock brasileiro nas últimas cinco décadas. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Salvador: FACOM/UFBA, 2007.

DANTAS, Danilo Fraga. O beat e o bit do rock brasileiro: internet, indústria fonográfica e a formação de um circuito médio para o rock no Brasil. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação – Compos. Universidade Federal da Bahia (UFBA). 2007.

DANTE ALIGHIERI. A divina comédia. Tradução, prefácio e notas: Hernâni Donato. São Paulo: Círculo do Livro, [1983].

DANTE, P. Coluna Vovó cuspiu na cruz: Rock e metal são a mesma coisa? Rio Metal works, 2005. Disponível em: < http://www.riometalworks.com > Acesso em: 28 jun.05.

DAPIEVE, Arthur e VALLADARES, Maurício. Os Paralamas do Sucesso. Rio de Janeiro, Senac editora, 2006.

DAPIEVE, Arthur. BRock: o rock brasileiro dos anos 80. São Paulo: Editora 34, 1995.

DAPIEVE, Arthur. Renato Russo: o tovador solitário. Rio de Janeiro: 2004.

DART, Thurston. Interpretación de la música. [Interpretação da Música. São Paulo: Martins Fontes, 2000, Capítulo 9]

DARYELL, Juarez. Música entra em cena: Rap e o funk na socialização.

Davies, S. (1994). Musical meaning and expression. New York: Cornell University Press.

De Musica Vol. II 2001

de VASCONCELOS, Jorge Luiz Ribeiro. Axé, Orixá, Xirê e Música: Estudo de Música e performance no Candomblé Queto na Baixada Santista. Tese de Doutorado. Programa de Pós Graduação em Música. Instituto de Artes UNICAMP, Campinas, 2010.

DEHOUX, Vincent. 1992. “25 Ans D`Une Méthod D`Enquet Originale em Ethnomusicologie: lê parcours de Simha Arom”. Art (Revista da Escola de Música e Artes Cênicas da UFBA). N° 21 (dezembro). Salvador: Universidade Federal da Bahia. Pp.05-16.

DEL-BEN, Luciana. A Pesquisa em Educação Musical no Brasil. Per Musi, Belo Horizonte, v. 7, 2003, p. 76-82.

DELIÈGE, Célestin. s/d. “A Musicologia Face ao Estruturalismo”. In Lévi-Strauss. São Paulo: Documentos.

DELLA CORTE, A ; PANNAIN, G (1965) Historia de la Música. 3 volúmenes. 2a Ed. Barcelona: Labor.

Dempsey, Nick. Digging a river downstream: producing emergence in music.

DENORA, Tia. 2004. Musical Practice and Social Structure: A Toolkit. In Eric F. Clarke, Nicholas Cook, eds., Empirical Musicology: Aims, Methods, Prospects, pp. 35-56. Oxford: Oxford University Press.

DENORA, Tia. How is Extra-Musical Meaning Possible? Music as a Place and Space for “Work”. Sociological Theory, Vol. 4, No. 1 (Spring, 1986), pp. 84-94.

DENORA, Tia. Music in Everyday Life. Cambridge, 2004.

DENORA, Tia. Musical practice and social structure: a toolkit. In CLARKE, Eric F. e COOK, Nicholas, eds. Empirical musicology: aims, methods, prospects. Oxford: Oxford University Press, 2004, p. 35-56.

Densrnore, Frances “The Songs of Indian Soldiers during the World War.” MQ 20:4:19-25. 1934

Densrnore, Frances “The Study of Indian Music in the Nineteenth Century.” AA 29:77-86. 1927a

Densrnore, Frances “The Use of Music in the Treatrnent of the Sick by the American Indians.” MQ 13:555-65. 1927b

Densrnore, Frances Chippewa Music II. Washington: Smithsonian Institution (Bull. 53 of the Bureau of Arnerican Ethnology). 1913

Densrnore, Frances Chippewa Music. Washington: Srnithsonian Institution (Bull. 45 of the Bureau of American Ethnology). 1910

Densrnore, Frances Nootka and Quileute Music. Washington: Srnithsonian Institution (Bull 124 of the Bureau of Arnerican Ethnology). 1939

Densrnore, Frances Papago Music. Washington: Smithsonian Institution (Bull 90 of the Bureau of Arnerican Ethnology). 1929a

Densrnore, Frances Pawnee Music. Washington: Smithsonian Institution (Bull 93 of the Bureau of Arnerican Ethnology). 1929b

Densrnore, Frances Teton Sioux Music. Washington: Smithsonian Institution (Bull. 61 of the Bureau of Arnerican Ethnology). 1918

Deutsch, D. (1982). The Psychology of Music. San Diego: Academic Press.

Deutsches Volksliedarchiv Deutsche Volkslieder mit ihren Melodien. Berlin: De Gruyter 1935-74

Deva, B.C. Indian Music. Delhi: Indian Council for Cultural Relations. 1974

DHEIN, Gustavo. A besta que se recusa a morrer: identidade, mídia, consumo e resistência na subcultura heavy metal. Dissertação (mestrado) – Faculdade Cásper Líbero, Programa de Mestrado em Comunicação

DIAS, B. ; JOHANSSON, F. ; NARITA, F. M. ; CASTRO, R. ; LIMA, A.C. ; MOREIRA, A.U. ; SILVA,C.B.O ; MACHADO, J. T. ; MATRICARDI, M. E. ; PARREIRAS, T.M.B.P. . Arte/Fatos: cultura visual e formação de professores. In: Maria Lídia Bueno Fernandes. (Org.). Trajetórias das licenciaturas da UnB: a experiência do Prodocência em foco. 1ed.Brasíllia: Universidade de Brasília, 2011, v. , p. 155-192.

DIAS, Leila (org.). Educação Musical: Seminários apresentados pela turma de Iniciação Musical II. 1995.

DIAS, Leila (org.). Educação Musical: Seminários apresentados pela turma de Iniciação Musical II. 1995.

DIBA, Denise. De ponto de drogas à Ponto de Cultura: juventude, teatro e promoção da saúde: o grupo Pombas Urbanas em Cidade Tiradentes. Dissertação (mestrado) Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, 2012.

DIETZSCH , Rafael. Manual de identidade visual da UnB. Brasília: Universidade de Brasília, 2008.

DILL, Charles. Rameau avec Lacan. Acta Musicologica, vol. 80, fasc. 1, p. 33-58, 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2012.

DINIZ, Jaime C. Músicos Pernambucanos do Passado. 2 Vol. Recife, Univ.Fed.de PE., 1969-1971.

DINIZ, Luisa Maria Rodrigues. Análise das dimensões da sustentabilidade dos Pontos de Cultura em Pernambuco. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Administração, 2009.

DISTEFANO, Joseph K.; Searl, James A. Music and materials for Analysis: an anthology. New York: Ardsley House, 1995.NETTELS, Barry. Livros de Harmonia 1 a 4. Berklee College of Music. 1987.

DOLABELA, Marcelo. ABZ do rock brasiliense. São Paulo: Estrela do Sul Editora, 1987.

DOMINGUES, João Luis Pereira. Programa Cultura Viva: Políticas Culturais para a emancipação das classes sociais. Dissertação (mestrado) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana, 2008.

DOMINGUES, João Luiz Pereira; SOUZA, Victor Neves de. Programa Cultura Viva: a política cultural como política social? Elementos de análise dos fundos públicos e do direito à produção de cultura. Cadernos de Estudos Sociais, Recife, V. 26, N. 2, pp. 239-252, jul/dez, 2011.

DOMINGUES, João Luiz Pereira; SOUZA, Victor Neves de. Programa Cultura Viva: a política cultural como política social? Elementos de análise dos fundos públicos e do direito à produção de cultura. V ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, 27 a 29 de maio de 2009. Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil.

DORNELES, Patrícia. Identidades inventivas: territorialidades na rede cultura viva na região sul. Tese (doutorado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2011.

DORNO, Theodor e PADDISON, Max. On the Problem of Musical Analysis. On the Problem of Musical Analysis. Music Analysis, Vol. 1, No. 2 (Jul., 1982), pp. 169-187.

Douglas, Mary Natural Symbols. New York: Pantheon. 1970

Douglas, Mary Purity and Danger. New York: Praeger. 1966

Dourado, O. (1996). A formação do instrumentista. Fundamentos da Educação Musical, 3. Associação Brasileira de Educação Musical.

DOWNEY, Greg. Listening to Capoeira: Phenomenology, Embodiment, and the Materiality of Music. Ethnomusicology, Vol. 46, No. 3 (Autumn, 2002), pp. 487-509. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/852720.

DOWNS, Philip (1998) La música clásica. La Era de Haydn, Mozart y Beethoven. Traducción de Celsa Alonso. Madrid: Akal.

Draeger, Hans-Heinz Prinzip einer Systematik der Musikinstrumente. Kassel: Baerenreiter. 1948

Driver, E. (1951). A pathway to Dalcroze eurhythmics. London: Thomas Nelson and Sons.

Driver, Harold E. Indians of North America. Chicago: University of Chicago Press. 1961

DUARTE, A. M. ; MARINS, P. R. A. . Um estudo sobre a utilização de aplicativos para tablets e smartphones no ensino da música. In: XXII Congresso Nacional da Associação Brasileira de Educação Musical, 2012, Natal – RN. Anais do XXII Congresso Nacional da ABEM, 2015.

Duarte, J. ; MARINS, P. R. A. . O estágio supervisionado em música a distância: estrutura curricular e o olhar dos alunos dos polos de Sena Madureira/AC e Cruzeiro do Sul/AC. In: 3o Simpósio Internacional de Música da Amazônia, 2014, Manaus – AM. Anais do 3o Simpósio Internacional de Música da Amazônia, 2014.

DUARTE, R. J. Underground In NETO, M. J. de S. (org). A [des]construção da Música Paranaense. Curitiba: aos quatro ventos. 2004.

DUCROT, Oswald. Analises Pragmatiques. In: Communications, 32, 1980. Les actes de discours. pp. 11-60.

DUNN, Christopher. Brutalidade jardim: a tropicália e o surgimento da contracultura brasileira. Unesp.

DUNN, Christopher. Brutality garden: tropicália and the emergence of a Brazilian counterculture. Chapell Hill: University of North Carolina Press, 2001.

Duprat, Régis. 1991. Acervo de Manuscritos Musicais: coleção Francisco Curt Lange. Compositores mineiros dos séculos XVIII e XIX. Vol. I. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Duprat, Régis. 1994. Acervo de Manuscritos Musicais: coleção Francisco Curt Lange. Compositores não mineiros dos séculos XVIII e XIX. Vol. II. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Duprat, Regis. A música no Brasil Colonial. São Paulo: EDUSP, 1985.

Durbin, Mridula A. “Transforrnational Models Applied to Musical Analysis: Theoretical Possibilities.” Ethnomusicology 15:353-62. 1971

DURBIN, Mridula Adenwala. 1971. “Transformational Models Applied to Musical Analysis: Theoretical Possibilities”. Ethnomusicology, 15 (3):353-62.

DURING, Simon (Ed.). The cultural studies reade. 2 ed. New York:Routledge, 1999.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. In: Os pensadores. São Paulo. Abril cultural, 1972.

Durnont, Jean Paul The Headman and I. Austin: University of Texas Press. 1978

Dworkin, Ronald. Um Estado liberal pode patrocinar a arte? In Uma Questão de Princípios. Trad. Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2000, p. 329-47.

EAGLETON, Terry. Depois da teoria. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira. 2005.

EARL, Benjamin. Metal Goes ‘Pop’: The Explosion of Heavy Metal into the Mainstream. In: BAYER, Gerd (ed.) Heavy Metal Music in Britain. Farnham (ING): Ashgate, 2009. 201 p.

Edgar, Andrew, and Peter Sedwick. 2002. Teoria Cultural de A a Z: Conceitos-Chave para Entender o Mundo Contemporâneo. São Paulo: Editora Contexto.

Edição comemorativa da Editora Fórum para o Dia dos Bibliotecários. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2010.

EDUCAÇÃO Musical: textos de apoio. Vários Autores. v.11. Fundação Nacional de Arte, 1989.

EINSTEIN (1994) La música en el siglo XIX. Madrid: Alianza editorial

Einstein, Alfred A Short History of Music. New York: Knopf. 1947b

Einstein, Alfred Music in the Romantic Era. New York: Norton. 1947a

Elbourne, Roger P. “The Question of Definition.” Yearbook of the IFMC 7:9-29. 1976

ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos. Rio de Janeiro. Jorge Zahar, 2001.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro. Jorge Zahar, 1990.

ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro. Jorge Zahar, 2000.

ELLINGSON, Ter. 1992a. “Notation”. In Ethnomusicology : an introduction. Helen Meyers, ed. New York: W. W. Norton. Pp.153-64.

ELLINGSON, Ter. 1992B. “Transcription”. In Ethnomusicology : an introduction. Helen Meyers, ed. New York: W. W. Norton. Pp.110-52.

Elliot, D. J. (1995). Music matters: A new philosophy of music education. New York: Oxford University Press.

ELLIOT, David (Ed.). Praxial music education: reflections and dialogues. Oxford: Oxford University Press, 2005.

Elliot, J. E. (1990). El papel de la música y de la experiencia musical en la sociedad moderna: hacia uma filosofia global de la educación musical. In Gainza, V. H. (ed.) Nuevas Perspectivas de la Educacion Musical. Buenos Aires: Guadalupe.

Ellis, Alexander J. “On the Musical Scales of Various Nations.” Journal of the Royal Society of Arts 33:4:85-527. 1885

Ellis, Catherine J. “The Role of the Ethnomusicologist in the Study of Andagarinja Women’s Ceremonies.” Miscellanea Musicologica (Adelaide) 5:76-208. 1970

Elschek, Oskar “Zum gegenwiirtigen Stand der Volksliedanalyse und Volksliedklassifikazion.” Yearbook of the IFMC 8:21-34. 1977

Elschek, Oskar, and Doris Stockmann,ed. Methoden der Klassijikazion von Volksliedweisen. Bratislava: Verlag der slowakischen Akademie der Wissenschaften. 1969

Elschekova, Alica “Methods of Classifying Folk Tunes.” Journal of the IFMC 18:56-76. 1966

Elsner, Jürgen “Zum Problem des Maqam.” Acta Musicologica 47:208-39. 1975

Em Pauta. Revista do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. v. 12. n. 18/19. Porto Alegre, abr./ nov. 2001.

Em Pauta. Revista do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. v. 13. n. 20. Porto Alegre, jun. 2002.

Em Pauta. Revista do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. v. 14. n. 22. Porto Alegre, jun. 2003.

Em Pauta. Revista do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. v. 14. n. 23. Porto Alegre, dez. 2003.

EMMERICH, N. Chapter 2: Sociological Perspectives on Medical Education. N. Emmerich, Medical Ethics Education: An Interdisciplinary and Social Theoretical Perspective, SpringerBriefs in Ethics, DOI: 10.1007/978-3-319-00485-3_2, 2013

ENGLAND, Nicholas M (org). Symposium on Transcription and Analysis: a Hukwe song with musical bow. Organized by Nicholas M. England, with contributions by Robert Garfias, Mieczyslaw Kolinsky, George List, and Willard Rhodes, and moderated by Charles Seeger. Ethnomusicology, vol. 8, n. 3, p. 223-77, 1964.

ENGLAND, Nicholas M. 1965. “The Text of Du: A Postscript to the Symposium”. Ethnomusicology, 9 (2):149-52.

ENGLAND, Nicholas M. Symposiumn on Transcription and Analysis: A Hukwe Song with Musical Bow. Ethnomusicology, vol. 8, n. 3, p. 223-77, 1964.

ENGLAND, Nicholas M., org. 1964. “Symposium on Transcription and Analysis: A Hukwe Song with Musical Bow,” with contributions by Robert Garfias, Mieczyslaw Kolinski, George List, and Willard Rhodes, moderated by Charles Seeger, and with an introduction by N. M. England (accompanied by a disc recording), Ethnomusicology 8(3):223-77.

EPSTEIN, J. S., PRATTO, D. J., SKIPPER, J. K. Teenagers, Behavioural Problems, and Preferences for Heavy Metal and Rap Music: A Case Study of a Southern Middle School. Deviant Behaviour. Volume 11, pp. 381–394, 1990.

Erdely, Stephen “Ethnic Music in America: An Overview .” Yearbook of the IFMC 11:114-37. 1979

Erdely, Stephen “Folksinging of the American Hungarians in Cleveland.”Ethnomusicology 8:14-27. 1964

Erdely, Stephen Methods and Principles of Hungarian Ethnomusicology. Bloomington: Indiana University Publications. 1965

Erickson, Edwin Erich “The Song Trace: Song Styles and the Ethnohistory of Aboriginal America.” Dissertation, Columbia University. 1969

Erk, Ludwig Deutscher Liederhort …neubearbeitet und fortgesetzt von Franz M. Biihme. Leipzig: Breitkopf und Hiirtel. 1893-94

ERLMANN, Veit (Ed.). Hearing Cultures: essays on sound, listening and modernity. Oxford: Berg, 2004.

Errante, F. Gerald. 1973. A Selective Clarinet Bibliography. Oneonta, N.J.: Swift-Dorr.

ESSINGER, Silvio. Punk: anarquia planetária e a cena brasileira. São Paulo: Editora 34, 1999.

Esther Beyer. 2003. “Reflexões sobre as práticas musicais na educação infantil”. In Ensino de Música: propostas para pensar e agir em sala de aula.

ETZEL, Eduardo. Imagem Sacra Brasileira. São Paulo, Ed.Melhoramentos/Ed.USP, 1979.

Euba, Akin “New Idioms of Music-Drama among the Voruba: An Introductory Study.” Yearbook of the IFMC 2:92-107. 1971

Ewers, John C. The Blackfeet: Raiders on the Northwestern Plains. Norman: University of Oklahoma Press. 1958

Fabbri, Franco. 1981. “A Theory of Musical Genres: Two Applications.” Popular Music Perspectives, pp. 52–81. Disponível em www.tagg.org, ultimo acesso em janeiro de 2007.

Fabbri, Franco. 1999. “Browsing Music Spaces: Categories and the Musical Mind.” IASPM, United Kingdom. Disponível em www.tagg.org, ultimo acesso em fevereiro de 2007.

FALCON, Francisco José Calazans. História cultural e história da educação. Revista Brasileira de Educação v. 11 n. 32 maio/ago. 2006

FALES, Cornelia. 2002. “The Paradox of Timbre” Ethnomusicology, vol. 46 (1):56-95.

FARLEY, Helen. Demons, Devils and Witches: The Occult in Heavy Metal Music. In: BAYER, Gerd (ed.) Heavy Metal Music in Britain. Farnham (ING): Ashgate, 2009. 201 p.

FAVARETTO, Celso. Tropicália alegoria alegria. 3a. Ed. Cotia, São Paulo: Ateliê Editorial, 2000.

FEICHAS, H. F. B. ; NARITA, F. M. . Contribuições de Paulo Freire para a Educação Musical: análise de dois projetos pedagógico-musicais brasileiros. Cuadernos de Musica, Artes Visuales y Artes Escenicas, v. 11, p. xxx, 2016.

FEICHAS, Heloisa. Bridging the gap: Informal learning practices as a pedagogy of integration. Britsh Journal of Music Education. 2010 27:1, 47-58.

FEITOSA, Ricardo Augusto de Sabóia. Jovens em transe: grupos urbanos juvenis da contemporaneidade, conceitos e o underground. Anais do Intercom 2003.

FEIXA, Carles. De las bandas a las culturas juveniles. Estudios sobre lãs culturas contemporâneas. v.5, n.15, p 139-170.

Feld, Steven “Linguistic Models in Ethnomusicology .” Ethnomusicology 18: 197-217. 1974

FELD, Steven. 1990 (1982). Sound and Sentiment: birds, weepings, poetics, and song in kaluli expression. 2° ed. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

Feld, Steven. 1990. Sound and Sentiment: Birds, Weepings, Poetics, and Song in Kaluli Expression. 2a edição. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

FELD, Steven. 1996. Waterfalls of Song: An Acoustemology of Place Resounding in Bosavi. In S Feld and K Basso, eds., Sense of Place, pp. 91-136. Santa Fé: School of Advanced Research Press.

FÉR, Ester Marçal. O audiovisual na rede dos pontos de cultura da grande São Paulo. Dissertação (mestrado) Faculdade Cásper Líbero, Programa de Pós-Graduação em Comunicação, 2009.

Ferand, Ernst Die Improvisation in der Musik. Zurich: Rhein-Verlag. 1938

FERNANDES, Bruno Luiz Gutierrez Prieto; FERREIRA, Diana Gonçalves; FERREIRA, Paulo Ricardo DiGregorio; LIMA, Vinicius Eugênio Milani e LUTUVINO, Gabriel Ferraz Tedesco. Rock Brazuca – Uma viagem no tempo aos anos 80. Universidade Santa Cecília, Santos, SP. 2009.

FERNANDES, Gonçalves. O folclore mágico do Nordeste. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 1938.

FERNANDES, José Nunes. Oficinas de Música no Brasil: história e metodologia. Rio de Janeiro: Papéis e Cópias de Botafogo, 1997.

FERNANDES, José Nunes. Oficinas de Música no Brasil: história e metodologia. Rio de Janeiro: Papéis e Cópias de Botafogo, 1997.

FERRACINI, R. Café com queijo: corpos em criação. São Paulo: Hucitec, 2006.

FERRARA Lawrence, Phenomenology as a Tool for Musical Analysis, Musical Quarterly 70 (1984), ss. 355-73.

FERRARA Lawrence, Philosophy and the Analysis of Music: Bridges to Musical Sound, Form and reference, Concord MA: Excelsior (1992).

Ferrara, Lawrence. 1984. “Phenomenology as a Tool for Musical Analysis.” Musical Quarterly 70:355–73.

FERRARA, Lawrence. Phenomenology as a Tool for Musical Analysis. The Musical Quarterly, Vol. 70, No. 3 (Summer, 1984), pp. 355-373. Oxford University Press. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/742043. Accessed: 22/02/2013 09:05

FERRARI, Elisa. Na luz de Olinda: authenticity and hybridity in Brazilian popular music. 2008. Dissertação (Mestrado em Etnomusicologia) – University of Texas at Austin, 2008.

FERREIRA, Conceição de Maria Moura. Metodologia do trabalho científico. São Luis: UNICEUMA, 2008.

FERREIRA, Fábio Gonçalves de Carvalho; LUCENA, Giselle Xavier d Ávila. Morte ao falso Metal: Roko-Loko e a identidade headbanger na revista Rock Brigade. Revista Observatório da Diversidade Cultural, Volume 3, No1 (2016).

FERREIRA, Luis. 1995. “La Música de las Llamadas de Tambores Afrouruguayas: una aproximación a sus características estructurales formales”. In. Actas de las VIII Jornadas Argentinas de Musicologia, VII Conferencia Anual de la AMM, I. Ruiz e M. A. Garcia, ed. Buenos Aires: INM Carlos Vega.

FERREIRA, Luis. 2002. “La Música Afrouruguaya de Tambores en la Perspectiva Cultural Afro-Atlántica”. In Anuario Antropología Social y Cultural en Uruguay/2001. Montevideo: FHCE/Nordan.

FERRETI, Sérgio Figueiredo. Querebentan de Zomadonu.(Etnografia da Casa das Minas) São Luís, UFMA, 1985.

FERRI, René. ALICE, Maria. 40 Anos de Rock: Período Pré-Jurássico (1955-1961). Ed.34.

Figueiredo, S. L. F. (1996). O desafio da formação do professor de música. Florianópolis: Núcleo de Publicações CED – UFSC, Série Documentos, n. 01.

Figueiredo, S. L. F. (1998). Currículos de música: Uma proposta da Universidade do Estado de Santa Catarina. Fundamentos da Educação Musical, 4. Associação Brasileira de Educação Musical.

Figueiredo, S. L. F. (1998). Currículos de música: Uma proposta da Universidade do Estado de Santa Catarina. Fundamentos da Educação Musical, 4. Associação Brasileira de Educação Musical.

Figueiredo, S. L. F. (1999). Currículos de Música. Revista Arte Online, 1. Florianópolis: UDESC.

Finegan, Ruth. 1989. The Hidden Musician: Music-Making in an English Town. Cambridge: Cambridge University Press.

FINNEY, John e PHILPOTT, Chris. Informal learning and meta-pedagogy in initial teacher education in England. Britsh Journal of Music Education. 2010 27:1, 7-19.

Firth, Raymond “The Future of Social Anthropology .” Man 44/8: 19-22. 1944

Firth, Raymond Symbols, Public and Private. Ithaca, N.Y.: Cornell University Press. 1973

FISCHER-DIESKAU, Dietrich (1989) Los Lieder de Schubert. Creación – Esencia – Efecto. Versión española: Adriana Hochleitner de Vigil. Madrid: Alianza Música.

Fiske, H. E. (1996). Selected theories of music perception. Lewiston: The Edwin Mellen Press.

FISKE, Roger (1983) Beethoven. Concertos e Aberturas. Tradução Vivian Wyler. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

FIUZA, Alexandre; ATAIDE, Antonio Marcio; LACOWICZ, Stanis David. Caderno de resumos do II Congresso Internacional de Estudos do Rock. Cascavel, PR: UNIOESTE, 2015.

FLEIG, A. Körper-Inszenierungen: Begriff, Geschichte, kulturelle Praxis. In: FISCHER-LICHTE, E.; FLEIG, A. (Hrsg.) Körper-Inszenierungen: Präsenz und kultureller Wandel. Tübingen: Attempto, 2000. p. 7-17.

FLEMING, William. (1995) Arte, Música e Ideas. Traducción de José Rafael Blengio Pinto. México: Interamericana.

Fletcher, Alice C. The Hako: A Pawnee Ceremony. Washington: Smithsonian Institution (22nd Annual Report of the Bureau of American Ethnology , pt. 2). 1904

Fletcher, P. (1989). Education and music. Oxford: Oxford University Press.

FLOECKHER, Richard J. Fuck euphemismus: how heavy metal lyrics speak the truth about war. SCOTT, Niall, HELDEM, Imke von. (ed). The Metal Void: First Gatherings. Inter-disciplinary press: Oxford, 2010. p. 233-244.

Fodermayr, Franz Zur gesanglichen Stimmgebung in der aussereuroptlischen Musik. Vienna: Stiglmayr 1971

FONETENELE, Inambe Sales. Pedagogia do griô: customizando experiências de vidas e culturas educacionais. Dissertação (mestrado) Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, 2011

FONSECA, Edilberto José de Macedo. Edison Carneiro na Tenda de Maria Conga em 1962. In: Música e Cultura, revista da ABET, vol.8, n.1. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO, 2013. p. 86-108.

FONSECA, Edilberto José de Macedo. Etnomusicologia e Folclore: o caso do levantamento folclórico de Januária-MG e as gravações etnográficas das músicas de tradição oral no Brasil hoje. Música e Cultura: revista on-line de etnomusicologia, n. 4, 2009. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

FONSECA, Edilberto José de Macedo. Etnomusicologia e Folclore: o caso do levantamento folclórico de Januária-MG e as gravações etnográficas das músicas de tradição oral no Brasil hoje. Música e Cultura: revista on-line de etnomusicologia, n. 4, 2009. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

FONSECA, Edilberto José de Macedo. Etnomusicologia e Folclore: o caso do levantamento folclórico de Januária-MG e as gravações etnográficas das músicas de tradição oral no Brasil hoje. Música e Cultura: revista on-line de etnomusicologia, n. 4, 2009. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

FONSECA, Edilberto José de Macedo. Etnomusicologia e Folclore: o caso do levantamento folclórico de Januária-MG e as gravações etnográficas das músicas de tradição oral no Brasil hoje. Música e Cultura: revista on-line de etnomusicologia, n. 4, 2009. Disponível em http://musicaecultura.abetmusica.org.br/artigos-04/MeC04-Fonseca-Folclore. . Acessado em: 11 out. 2012.

FONSECA, Gracielle. Mulheres no metal. 2012. 1 disco digital versátil (23:59 min.): DVD, son., color.

FONSECA, Maria Betânia Parizzi; FURST, Patrícia Santiago. Pianobrincando: Atividades de Apoio ao Professor. Belo Horizonte, 1993.

FONSECA, Maria Betânia Parizzi; FURST, Patrícia Santiago. Pianobrincando: Atividades de Apoio ao Professor. Belo Horizonte, 1993.

FONSECA, Maria Nazareth Soares (Org.). Brasil Afro-brasileiro. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FONSECA, Maria Nazareth Soares (Org.). Brasil Afro-brasileiro. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

Fontanari, Ivan P. 2003. “Rave à Margem do Guaaíba: Música e Identidade Jovem na Cena Eletrônica de Porto Alegre.” Master’s thesis, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Porto Alegre.

Fontes.

FORMATAÇÃO DE TEXTO. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2014.

FORTE, Sérgio Henrique Arruda Cavalcante. Manual de elaboração de tese, dissertação e monografia. Fortaleza: Universidade de Fortaleza, 2004.

FORTE, Sérgio Henrique Arruda Cavalcante. Manual de elaboração de tese, dissertação e monografia. Recife: Universidade de Fortaleza, 2004.

Foster, George M., and Robert V. Kemper, ed. Anthropologists in Cities. Boston: Little, Brown. 1974

Foucault, Michel. 2000. Arqueologia do Saber. 6a edição. Rio de Janeiro: Forense.

Fox-Strangways, A. H. The Music of Hindostan.. Oxford: Clarendon Press. 1914 (1965)

FRAGOSO, Hugo. Frei.OFM. Condicionamentos Históricos da Evangelização no Brasil. Palestra proferida na Comunidade Carmo-Sion. Out/1979. Mímeo.

FRANÇA, Jamari. Os Paralamas do Sucesso: vamo bate lata. São Paulo: Editora 34, 2003.

FRANÇA, Júnia Lessa et al. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 3. ed. rev. e aum. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1996.

FRANÇA, Júnia Lessa et al. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 3. ed. rev. e aum. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1996.

FRANÇA, Júnia Lessa. Manual para Normalização de Publicações Técnico-Científicas. 6. ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

FRANS, Elton. Raul Seixas: a história que não foi contada. Irmãos. São Paulo: Vitale Editores, 2000.

FRANZIN, R. A cena black metal carioca – o inferno na Terra – Heavy Metal Brasil. Disponível em: . Acesso em: 29 mai. 2005.

Freeman, Linton C., and Alan P. Merriam “Statistical Classification in Anthropology: An Application to Ethnomusicology.” AA 58:464-72. 1956

Freilich, Morris Marginal Natives at Work: Anthropologists in the Field. New York: Schenkman. 1977

Freilich, Morris,ed. Marginal Natives: Anthropologists at Work. New York: Harper and Row. 1970

FREIRE FILHO, João. Das subculturas às pós-subculturas juvenis: música, estilo e ativismo político. Contemporânea: Revista de Comunicação e Cultura. Salvador, v.3, no. 1. 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 8ªEd. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1980.

FREIRE, Ricardo. J. D. News from South America. The Clarinet, Denton, Texas (EUA), vol. 38, n. 1, p. 86-88, 01 dez. 2010.

FREIRE, Ricardo. J. D. Uma análise do desenvolvimento da identidade do clarinetista brasileiro a partir de pressupostos teóricos de Mário de Andrade. Musica Hodie, Goiânia, v. 3, n. 1-2, p. 75-81, 2003.

FREIRE, Rosangela Vieira.Tipografia São Francisco/Lira Nordestina: práticas culturais, discurso e memória. Tese (doutorado) Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Linguística, 2012.

FREIRE, Vanda Bellard (Org.). Horizontes da pesquisa em música. Rio de Janeiro: 7Letras, 2010.

FREITAS, Marcel de Almeida. Pornochanchada: capítulo estilizado e estigmatizado da história do cinema nacional. In: Comunicação e Política, Campinas, v. XI, n. 1, p. 57-105, 2004.

FREITAS, Sérgio Paulo Ribeiro de et ali. Som de classe: a apropriação autoral nas etapas da produção em áudio digital pelo professor de música. 2004.

FREITAS, Sérgio Paulo Ribeiro de. Que acorde ponho aqui? Harmonia, práticas teóricas e o estudo de planos tonais em música popular. Tese (doutorado), Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, 2010.

Frias, Irvany Bedaque Ferreira. Estudo Dirigido de Educação Musical. Nº1. São Paulo: Editora Orfeu, 1972.

FRIAS, Irvany Bedaque Ferreira. Estudo Dirigido de Educação Musical. Nº1. São Paulo: Editora Orfeu, 1972.

FRIAS, Irvany Bedaque Ferreira. Estudo Dirigido de Educação Musical. Nº2. São Paulo: Editora Orfeu, 1972.

FRÍAS, Jorge Reyes. Cultura Popular. Porto(Portugal), Ed.do Instituto de Formação e do Trabalho, l977.

FRIEDLANDER, PAUL. Rock and Roll: Uma História Social. Tradução de A. Costa. 4o ed, RJ: Record, 2006.

FRIESEN, B., EPSTEIN, J.. Rock ́n ́Roll Ain ́t Noise Pollution: artistic conventions and tensions in the major subgenres of Heavy Metal music. Popular Music and Society. Volume 18, n. 03, pp. 01 – 17, 1994.

Friesen, Bruce K. 1990. “Powerlessness in Adolescence: Exploiting Heavy Metal Listeners.” In Marginal Conventions: Popular Culture, Mass Media and Social Deviance, edited by Clinton R. Sanders. Bowling Green, Ohio: Bowling Green State University Press.

Friesen, Bruce K., and Jonathon S. Epestein. 1994. “Rock’N’Roll Ain’t Noise Pollution: Artistic Conventions and Tensions in the Major Subgenres of Heavy Metal Music.” Popular Music and Society 18 (3): 1–18.

FRINGS Manfred, Harmony and Logos: The Origin of the Musical Work of Art, Journal of Musicological Research 4 (1983), ss. 315-30.

Frisbie, Charlotte Johnson Kinaaldá, a Study of the Navaho Girls’ Puberry Ceremony. Middletown, Conn.: Wesleyan University Press. 1967

Frisbie, Charlotte Johnson,ed. Southwestern Indian Ritual Drama. Albuquerque: University of New Mexico Press. 1980

FRITH, S. Towards an aesthetic of popular music. In: LEPPERT, R; McCLARY, S. (Org) Music and Society: The politics of composition, performance and reception. Cambridge University Press, 1987.

Frith, Simon. 1978. 1988. Performing Rites. Oxford: Oxford University Press.

Frith, Simon. 1978. The Sociology of Rock. London: Constable.

FRITH, Simon. Performing rites: on the value of popular music . Cambridge: Harvard University Press, 1996.

FRITH, Simon. Sound effects: youth, leisure and the politics of rock’n’roll. New York: Pantheon Books, 1981.

FRITH, Simon. The popular music industry. The Cambridge Companion to Pop and Rock.

FRITSCH, Eloi Fernando et al. Software musical e sugestões de aplicação em aulas de música. In: HENTSCHKE, Liane; DEL-BEN, Luciana (Org.). Ensino da música: propostas para pensar e agir em sala de aula. São Paulo: Moderna, 2003. p. 141-157.

FROES, Marcelo. Jovem guarda: em ritmo de aventura. São Paulo: Editora 34, 2000.

FROTA, Joana Strunz da. Análise da cobertura jornalística impressa dos eventos de heavy metal de Frederico Westphalen. Artigo científico apresentado ao Curso de Comunicação Social – Jornalismo como requisito para aprovação na Disciplina de TCC I. Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação Superior Norte – RS, Departamento de Ciências da Comunicação, Curso de Comunicação Social – Jornalismo, 2012.

FUBINI, Enrico. (1990) La Estética musical desde la Antigüedad hasta el siglo XX. Versión castellana, revisión, prólogo y notas de Carlos Guillermo Pérez de Aranda. 2a ed. Madrid: Alianza Editorial.

FUBINI, Enrico. Música e Crítica Musical: Duas Linguagens Incompatíveis? Tradução de Trabalho: Lorenzo Mammi.

Fuentes, P. & Cervera, J. (1989). Pedagogia y Didática para músicos. Valencia: Piles.

Fuks, R. (1991). O discurso do silêncio. Rio de Janeiro: Enelivros.

FUX, Johann Joseph. O Estudo do Contraponto (do Gradus ad Parnassum). Traduzido por Jamary Oliveira a partir da versão em inglês: MAN, Alfred (ed.). 1971. The Study of Counterpoint from Johann Joseph Fux’s Gradus ad Parnassum. 3a ed. New York, London: W. W. Norton. Tradução para o português das notas de rodapé, do prólogo, revisão e edição realizada por Hugo L. Ribeiro. Ultima edição de 2007.

Gabby Riches, “Re-conceptualizing Women’s Marginalization in Heavy Metal: A Feminist Post-Structuralist Perspective,” Metal Music Studies 1, no. 2 (2015): 263–70;

GABRIELSSON, Alf. Music performance research at the millennium. Psychology of Music. Society for Education, Music and Psychology Research vol 31(3): 221-272.

GAFAROV, Igor. Metal Community and Aesthetics of Identity. In: HILL, Rosemary; SPRACKLEN, Karl (ed.). Heavy Fundamentalisms: Music, metal & politics. Oxford: Inter-Disciplinary Press, 2010.

Gainza, V. H. (1964). La Iniciacion Musical del Niño. Buenos Aires: Ricordi.

Gainza, V. H. (1977). Fundamentos, Materiales y Técnicas de la Educacion Musical. Buenos Aires: Ricordi.

Gainza, V. H. (1988). Estudos de psico-pedagogia musical. São Paulo: Summus Editorial.

Gainza, V. H. (ed.). (1990). Nuevas pespectivas de la educacion musical. Buenos Aires: Guadalupe.

GALINSKY, Philip. 2002. ‘Maracatu atômico’ [Atomic Maracatu]. In Tradition, Modernity, and Postmodernity in the Mangue Movement of Recife, Brazil. New York: Routledge.

GALINSKY, Phillip. Maracatu Atomico: Tradition, Modernity, and Postmodernity in the Mangue Movement and the “New music scene” of Recife, Pernambuco

GALLET, Luciano (Org.). Canções populares brasileiras. Rio de Janeiro: Carlos Wehns, 1851. 1 partitura (23 p.). Piano.

GALVÃO, Luiz. Anos 70: novos e baianos. Rio de Janeiro: Editora 34, 2000.

GARCIA, Manuela Cortes. La mujer y la muisca en la sociedad arabo-musulmana y su proyeccion en la cristiana medieval. Musica oral del sur, Revista Internacional, N. 2, ano 1996.

GARCIA, Rose Marie Reis; MARQUES, Lílian Argentina. Brincadeiras Cantadas. Porto Alegre: Kuarup, 1992.

GARCIA, Rose Marie Reis; MARQUES, Lílian Argentina. Brincadeiras Cantadas. Porto Alegre: Kuarup, 1992.

Gardner, H. (1983). Frames of mind: The theory of multiple intelligences. New York: Basic Books.

Gardner, H. (1990). Art education and human development. Los Angeles: The Getty Education Institute for the Arts.

Garfinkel, Harold Studies in Ethnomethodology. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall. 1967

GATTO, Vinicius Delangelo Martins. Rock Progressivo e Punk Rock: Uma análise sociológica da mudança na vanguarda estética do campo do rock. Universidade de Brasília, DF, 2011. Disponível em: – Acessado em 01/02/2012

Geertz, Clifford The Interpretation of Cultures. New York: Basic Books. 1973

Geertz, Clifford,ed. Myth, Symbol, and Culture. New York: Norton. 1971

GEERTZ, Clifford. “Do ponto de vista dos nativos”: a natureza do entendimento antropológico. In: GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. 4a. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 85-107.

GEERTZ, Clifford. “Do ponto de vista dos nativos”: a natureza do entendimento antropológico. In: GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. 4a. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 85-107.

GEERTZ, Clifford. “Do ponto de vista dos nativos”: a natureza do entendimento antropológico. In: GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. 4a. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 85-107.

Geertz, Clifford. 1989. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Tradução de Fanny Wrobel. Revisão Técnica de Gilberto Velho. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GEERTZ, Clifford. A Mitologia de um Antropólogo. Entrevista realizada por Victor Aiello Tsu, originalmente publicado na Folha de São Paulo de 18 de fevereiro de 2001.

GEERTZ, Clifford. Capítulo 3: Anti anti-relativismo. In: Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

GEERTZ, Clifford. Capitulo 3: Do ponto de vista dos nativos. Saber Local. 4a. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

GEERTZ, Clifford. O Saber Local: Novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

GEERTZ, Clifford. Saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

GEERTZ, Clifford. Um jogo absorvente: notas sobre a briga de galos balinesa. GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2012. p. 186-213.

GEERTZ, Clifford. Um jogo absorvente: notas sobre a briga de galos balinesa. GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2012. p. 186-213.

GEERTZ, Clifford. Um jogo absorvente: notas sobre a briga de galos balinesa. GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2012. p. 186-213.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2012. p. 03-21.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2012. p. 03-21.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2012. p. 03-21.

GEERTZ, Cliford. 2001 (2000). Nova Luz sobre a Antropologia.Traduzido por Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

GELDER, Ken; THORNTON, Sarah. The subcultures reader. London: Routledge, 1997.

Georges, Robert A., and Michael O. Jones People Studying People: The Human Element in Fieldwork. Berkeley: University of California Press. 1980

GEORGII-HEMMING, Eva e WESTVALL, Maria. Music education: a personal matter? Examining the current discourses of music education in Sweden. Britsh Journal of Music Education, 2010, 27:1, p. 21-33.

Gerling, F. (1989). Suzuki: o “método” e o “mito”. Em Pauta, 1. Porto Alegre: UFRGS.

GILBERTI, Eva. Hijos de del rock. Buenos Aires, Editora Losada, 1996.

Gillis, Frank, and Alan P. Merriam Ethnomusicology and Folk Music: An International Bibliography of Dissertations and Theses. Middletown, Conn.: Wesleyan University Press. 1966

GINGERICH, John M. Ignaz Schuppanzigh and Beethoven’s Late Quartets. The Musical Quarterly, vol. 93, n. 3-4, p. 450-513, Fall-Winter, 2010.

Ginkel, Rob Van. “The Repatriation of anthropology: some observations on endo-ethnography.” Anthropology & Medicine, Vol. 5, n. 3 (1998): 251–67.

Ginkel, Rob Van. 1998. “The Repatriation of anthropology: some observations on endo-ethnography.” Anthropology & Medicine 5 (3): 251–67.

Glassie, Henry, Edward D. Ives, and John F. Szwed Folksongs and Their Makers. Bowling Green, Ohio: Bowling Green University Popular Press. 1970

GLASSNER, Barry. Cultura do medo. São Paulo. Francis, 2003.

GLIGORIJEVIC, Jelena. The global and the local in Max Cavalera’s music projects. Etnomusikologian vuosikirja, Turku (Finlândia), v. 23, p 140 – 164. 2011.

GLOBAL METAL. Produção e direção de Sam Dunn. Empresa: Cidade, 2008. 1 disco digital versátil ( 95 min.), DVD, son., color.

Goertzen, Christopher “‘Billy in the Low Ground’, a Tune Family Study.” Unpublished paper, University of Illillois. 1979

GOFFI, Guto; NEVES, Ezequiel; RODRIGO, Pinto. Barão Vermelho: porque a gente é assim. São Paulo: Editora Globo, 2007.

GOFFMAN, Erving. Estigma. Rio de Janeiro. LTC, 1988.

GOHN, Daniel. Tendências na educação a distância: os softwares on-line de música. Opus, Goiânia, v. 16, n. 1, p. 113-126, jun., 2010.

Golde, Peggy,comp. Women in the Field. Chicago: Aldine. 1970

Goldstein, Kenneth S. A Guide for Field Workers in Folklore. Hatboro, N .J .: Folklore Associates. 1964

GOMES, Núbia Pereira de Magalhães, e PEREIRA, Edimilson, de Almeida. Do Presépio à Balança. Belo Horizonte, Mazza Ed., 1995.

GONÇALVES, F. B. A história de Mirador. [S.l.: s.n.], 1993.

GONÇALVES, Hortência de Abreu. Manual de Monografia da Universidade Tiradentes. Aracaju: UNIT, 2003.

GONÇALVES, Hortência de Abreu. Manual de Monografia da Universidade Tiradentes. Aracaju: UNIT, 2003a.

GONÇALVES, Hortência de Abreu. Normas para Referências, Citações e Notas de Rodapé da Universidade Tiradentes. Aracaju: UNIT, 2003.

GONÇALVES, Hortência de Abreu. Normas para Referências, Citações e Notas de Rodapé da Universidade Tiradentes. Aracaju: UNIT, 2003b.

GOULD, Glenn. The Glenn Gould edition: Berg, Krenek, Webern, Debussy, Ravel. Canadá: Sony Classical, 1995.

Gourlay, K. A. “Towards a Reassessment of the Ethnomusicologist’s Role.” Ethnomusicology 22:1-36. 1978

GRACYK, Theodore A. Adorno, Jazz, and the Aesthetics of Popular Music. The Musical Quaterly, Vol. 76, N. 4 (Winter, 1992), 526-542.

Gracyk, Theodore, Listening to popular music: or how I learned to stop worrying and love Led Zeppelin. The University of Michigan Press, 2007.

Graetzer, G. & Yepes, A. (1983). Guia para a Práctica de Música para Niños de Carl Orff. Buenos Aires: Ricordi.

Graetzer, G. & Yepes, A. (1983). Guia para a Práctica de Música para Niños de Carl Orff. Buenos Aires: Ricordi.

Graf, walter “Das biologische Moment im Konzept der Vergleichenden Musikwissenschaft.” Studia Musicologica 10:91-113. 1968

Graf, walter “Musikalische Klangforschung.” Acta Musicologica 4:4::31-78. 1972

Graf, walter “Zur Verwendung von Geriiuschen in der aussereuropiiischen Musik.” Jahrbuch fur musikalische Volks – und Vülkerkunde 2:59-90. 1966

Grame, Theodore “Bamboo and Music: A New Approach to Organology.” Ethnomusicology 6:8-14: 1962

GRAUER, Victor. Sounding the depths: tradition and the voices of history. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2012.

GRAUER, Victor. The power of music: 1 the case of the mikea. Publicado em 19 jul. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2011.

Green, L. (1994). Pesquisa em sociologia da educação musical.(trad. Oscar Dourado). Revista da ABEM, 4.

Green, L. (1994). Pesquisa em sociologia da educação musical.(trad. Oscar Dourado). Revista da ABEM, 4.

GREEN, Lucy. Response. Britsh Journal of Music Education. 2010, 27:1, 89-93.

GREENE David B., Mahler, Consciousness and Temporality, New York: Gordon and Breach, 1984.

GREENE David, Temporal Processes in Beethoven`s Music, New York: Gordon and Breach, 1982.

Greene, Frank. 1985. Composers on Record: na index to biographical information on 14.000 composers whose music has been recorded. London: The Scarecrow Press.

GREENE, Paul D. Professional weeping: music, affect, and hierarchy in a south indian folk performance art. EOL, n. 5, publicado em 10 jan. 2000. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2012.

Greenway, John American Folksongs of Protest. Philadelphia: University of Pennsylvania Press. 1953

GREINER, C. O corpo: pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: Annablume, 2005.

GREINER, C.; KATZ, H. A natureza cultural do corpo. In: SOTER, S.; PEREIRA, R. (Org.). Lições de dança 3. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2001. p. 77-102.

GRIER, James. The critical editing of music: history, method, and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

GRIFFITS, Paul. A Música moderna: uma história concisa e ilustrada de Debussy a Boulez. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1987.

Grinnell, George Bird Blackfoot Lodge Tales. New York: Scribner. 1920

Gronow, Pekka “Phonograph Records as a Source for Musicological Research.” Ethnomusicology 7:225-28. 1963

Gronow, Pekka “The Significance of Ethnic Recordings.” In Howard W. Marshall, ed., Ethnic Recordings: A Neglected Heritage. Washington: Library of Congress. 1978

GROPPO, Luís Antonio. Gênese do rock dos anos 80 no Brasil: ensaios, fontes e o mercado juvenil. Música Popular em Revista, Campinas, ano 1, v. 2, p. 172-96, jan.-jun. 2013.

GROPPO, Luís Antonio. O rock e a formação do mercado de consumo cultural juvenil. A participação da música pop-rock na transformação da juventude em mercado consumidor de produtos culturais, destacando o caso do Brasil e os anos 80. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Campinas: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 1996.

GROSSBERG, Lawrence. Dancing in Spite of Myself: essays on popular culture. Durham/London: Duke University Press, 1997.

GROSSI, C. ; NARITA, F. M. ; BLEGGI, L. ; FERLIM, U. . Música Popular na Educação Musical. In: Seminário de Pesquisa em Música – SEMPEM 7, 2007, Goiânia. Anais do Seminário de Pesquisa em Música, 2007.

GROSSI, Cristina S. Teoria musical sem complicação. Revista Weril, São Paulo, ano 26, n. 167, p. 10, 08 dez. 2006.

GROSSI, Cristina S.; LACORTE, Simone. Aprendizagem informal na educação musical: avaliação do projeto na perspectiva dos estudantes de uma escola de ensino médio de Brasília. In: Congresso Anual da ABEM, 19., 2010, Goiânia. Anais. . . Goiânia: UFGO, 2010. p. 437-444.

GROUT, Donald J. e Palisca, Claude V. História Da Música Ocidental. Tradução de Ana Luísa Faria. Lisboa: Gradiva, 1994.

GROUT, Donald J. e Palisca, Claude V. História Da Música Ocidental. Tradução de Ana Luísa Faria. Lisboa: Gradiva, 1994.

GROUT, Donald J.; PALISCA, Claude V. (1997) Historia de la música occidental. Tradução Ana Luisa Faria. Lisboa: Gradiva.

GROUT, Donald J.; PALISCA, Claude V. História da Música Ocidental. Revisão técnica de Adriana Latino. Lisboa: Gradiva, 1988.

GROUT, Donald J.; PALISCA, Claude V. Historia de la música occidental. 1. Versión española de León Mamés. Revisión e ampliación de Blanca Garcia Morales de acuerdo com la quinta edición. Madrid, Allianza Música, 2001.

GROWN, Kory. Heavy Metal: from hard rock to extreme metal. Vercelli (Itália): White Star Publishers, 2012

GRUDE, Torstein. Satan rides the media. Noruega, 1999. Filme documentário.

GUERRA, Paula e Tânia Moreira, (Ed.). Keep it Simple, Make it Fast! An approach to underground music scenes. Volume 1. Porto: Universidade do Porto, 2015.

GUERRA, Paula; MOREIRA, Tânia. Keep it Simple, Make it Fast! An approach to underground music scenes. Volume 1. Porto: Universidade do Porto. Faculdade de Letras, 2015.

GUERREIRO, Goli. Retratos de uma tribo urbana: rock brasileiro, Salvador, UFBA.1994

GUERREIRO, Goli. Retratos de uma tribo urbana: rock brasileiro. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA, 1994.

GUIMARAENS, Francisco Vaz de. Pe. Auto da muito dolorosa PAYXÃO DE NOSSO SENHOR JESUS CHRISTO, conforme escrevem os quatro evangelistas. Obra novamente feita pelo muito Reverendo Padre Francisco Vaz de Guimaraens. Lisboa: Na Officina de Francisco Borges de Souza. Anno 1783.

Guimarães, Bertino Daciano R. S. 1947. Primeiro Esboço duma Bibliografia Musical Portuguesa. Porto: Imprensa Portuguesa.

Guimarães, Leozírio Fontes. Panorama da Música em Sergipe? in: Revista Artes de Jovens, nº 20. Aracaju: Joureu, 1970.

Guitar Solo Publications. 1995. Mail Order Catalog (April). São Francisco: GSP.

Gunther, Robert, ed. Musikkulturen Asiens, Afrikas und Ozeaniens im 19. Jahrhundert. Regensburg: G. Bosse. 1973

Gurvin, Olav, ed. Norskfolkemusikk – Norwegian Folk Music. Oslo: Universitetsforlaget. 1958-67

Haas, Robert Auffuhrungspraxis der Musik. Potsdam: Athenaion. 1931

Haas, Wilhelm Systematische Ordnung Beethovenscher Melodien. Leipzig: Quelle & Meyer. 1932

Halbersberg, Elianne. 1985. Heavy Metal. Cresskill, N. J.: Sharon Publications.

HALNON, Karen. Heavy metal carnival and dis-alienation: The Politics of Grotesque Realism. Symbolic interaction ̧Illionois (EUA), v.29, n.1, p. 33-48. Inverno de 2006

Halpert, Herbert “The Devil and the Fiddle.” Hoosier Folklore Bulletin 2:39-4:3. 1943

Hargreaves, D. J. (1986). The developmental psychology of music. Cambridge: Cambridge University Press.

Harich-Schneider, Eta A History of Japanese Music. London: Oxford University Press. 1973

HARNONCOURT, Nikolaus. O Discurso Dos Sons: Caminhos Para Uma Nova Compreensão Musical. Tradução de Marcelo Fagerlande. Rio de de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

Harris, Marvin Culture, Man, and Nature. New York: Crowell. 1971

Harris, Marvin The Rise of Anthropological Theory. New York: Crowell. 1968

Harrison, Frank “Universals in Music: Towards a Methodology of Comparative Research.” World of Music 19/1-2:30-36. 1977

Harrison, Frank Time, Place, and Music. Amsterdam: Knuf. 1973

Harrison, Frank, Mantle Hood, and Claude Palisca Musicology. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall. 1963

HARRISON, Leigh M. Factory music: how the industrial geography And working- class environment of post-war Birmingham fostered the birth of heavy metal. In: Journal of Social History, George Mason University, Virginia (EUA), fall 2010, p.145-158

Harwood, Dane L. “Universals in Music: A Perspective from Cognitive Psychology.” Ethnomusicology 20:521-33. 1976

HAUSER, Michael. 1977. “Formal Structure in Polar Skimos Drumsongs”. Ethnomusicology 211):33-53.

HAWKINS, Joan. Cutting edge. Minnesota. University of Minnesota Press, 2000.

HEADBANGER. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2012.

HEADLAND, Thomas N., Kenneth L. Pike e Marvin Harris. Emics and Etics, The Insider/Outsider Debate. Frontiers of Anthropology, 7. Newberry Park, CA: Sage Publications, 1990.

Hebdige, D. 1979. Subculture: The Meaning of Style. London: Routledge.

HEBDIGE, Dick. Subcultura: el significado del estilo. 1 ed. em espanhol. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 2004.

HEBDIGE, Dick. Subculture: the meaning of the style. London: Routledge, 1979.

HEIN, Fabien. Hard rock, heavy metal, metal: histoire, cultures, praticants. Paris, Mélanie Séteur, 2004.

HELAL, Diogo Henrique; PIEDADE, Adriana Ferreira. Modernos ou pós-modernos? Um estudo exploratório sobre o comportamento de consumo dos emos em Belo Horizonte. comunicação, Mídia e Consumo. São Paulo, Vol. 7, No. 18, p. 171-192, mar., 2010.

Helm, E. Eugene Response to F. Lieberman, “Should Ethnomusicology Be Abolished?” College Music Symposium 17/2:201-2. 1977

Henry, Edward O. “The Variety of Music in a North Indian Village: Reassessing Cantometrics.” Ethnomusicology 20:49-66. 1976

Henry, Jules Culture against Man. New York: Random House. 1963

Hentschke, L. (1996). A teoria espiral de Swanwick como fundamentação para uma proposta curricular. Anais do 5º Encontro Anual da ABEM e 5º Simpósio Paranaense de Educação Musical. Londrina: UEL.

Hentschke, L. (1996). Um estudo longitudinal aplicando a Teoria Espiral de Desenvolvimento Musical de Swanwick com crianças brasileiras da faixa etária de 6 a 10 anos de idade: polo Porto Alegre, 1994. Música: pesquisa e conhecimento. Porto Alegre, Núcleo de Estudos Avançados, Curso de Pós Graduação em Música da UFRGS.

Hernandez, Deborah P. 1995. Bachata: a Social History of a Dominican Popular Music. Philadelphia: Temple University Press.

Herndon, Marcia “Analysis: The Herding of Sacred Cows?” Ethnomusicology 18:219-62. 1974

Herndon, Marcia, and Norma McLeod Music as Culture. Darby, Pa.: Norwood. 1980

HERNDON, Marcia. Insiders, Outsiders: knowing our limits, limiting our knowing. The World of Music, 35, 1, 1993.

HERNDON. Marcia. 1974. “Analysis: The Herding of Sacred Cows?”. Ethnomusicology, 18(2):219-62.

HERNDON. Marcia. 1976. “Reply to Kolinski: Tarus Omicida”. Ethnomusicology, 20(2):217-31.

Herskovits, Melville J. “Problem, Method, and Theory in Afroamerican Studies.” Afroamerica 1: 5-24. 1945

Herzog, George “A Comparison of Pueblo and Pima Musical Styles.” JAF 49:283-417. 1936a

Herzog, George “Die Musik der Karolinen-Inseln aus dem Phonogrammarchiv Berlin.” In Anneliese Eilers, Westkarolinen. Hamburg: De Gruyter, pp. 263-351. 1936c

Herzog, George “Drum Signalling in a West African Tribe.” Word 1:217-38. 1945

Herzog, George “Music in the Thinking of the American Indian.” Peabody Bulletin (May), pp. 1-5. 1938

Herzog, George “Music’s Dialects – A non-Universal Language.” Independent joumal of Columbia University 6:1-2. 1939

Herzog, George “Musical Styles in North America.” Proceedings of the 23rd International Congress of Americanists (New York), pp.455-58. 1930

Herzog, George “Plains Ghost Dance and Great Basin Music.” AA 37:403-19. 1935a

Herzog, George “Salish Music.” In Marian W. Smith, ed., Indians of the Urban Northwest. New York: Columbia University Press, pp. 93-109. 1949

Herzog, George “Song.” In M. Leach, ed., Funk and Wagnall’s Standard Dictionary of Folklore, Mythology and Legend. New York, 2: 1032-50. 1950

Herzog, George “Special Song Types in North American Indian Music.” Zeitschrift fur vergleichende Musikwissenschaft 3/1-2: 1-11. 1935b

Herzog, George “Speech-Melody and Primitive Music.” MQ 20:452-66. 1934

Herzog, George “The Yuman Musical Style.” AF 41:183-231. 1928

Herzog, George “Music, at the Fifth International Congress of Anthropological and Ethnological Sciences.” Journal of the IFMC 9:71-73. 1967

Herzog, George Research in Primitive and Folk Music in the United States. Washington: ACLS (Bulletin 24). 1936b

Hickmann, Hans “Die Musik des arabisch-islamischen Bereichs.” In Handbuch der Orientalistik, 1. Abt. , Erganzungsband IV. Leiden: Brill, pp. 1-134. 1970

Hinson, Maurice. 1973. Guide to Pianist’s Repertoire. Edited by Irwin Freudlich. Bloomington: Indiana University press.

Hinson, Maurice. 1979. Guide to Pianist’s Repertoire: Suplement. Edited by Irwin Freudlich. Bloomington: Indiana University press.

Hinton, Leanne Personal communication and unpublished papers on Havasupai music, University of Illinois. 1967-68

Hobsbawm, Eric J. 1994. Era dos Extremos: O Breve Século XX – 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras. Marcos Santarrita, trad.

HOBSBAWN, Eric. A era dos extremos. São Paulo. Companhia das letras, 1995.

HODKINSON, Paul; DEICKE, Wolfgang. Youth subcultures: scenes, subcultures and tribes. Nova York: Taylor & Francis Group, 2007.

Hodkinson, Paul. 2002. Goth: Identity, Style and Subculture. Oxfordshire: Berg Publishers.

Hodkinson, Paul. 2004. “The Goth Scene and (Sub)Cultural Substance.” In After Subculture: Critical Studies in Contemporary Youth Culture, edited by Andy Bennet and Keith Kahn-Harris, 135–47. Hampshire: Palgrave Macmillan.

HODKINSON, Paul. Goth: identity, style and subculture. Nova York: Berg, 2002.

Hoebel, E. Adamson Man in the Primitive World: An Introduction to Anthropology. New York: McGraw-Hill. 1949

Hohmann, Rupert Karl “The Church Music of the Old Order Amish in the United States.” Dissertation, Northwestern University. 1959

Honigmann, John J. The Development of Anthropological Ideas. Homewood, Ill.: Dorsey Press. 1976

HONING, Henkjan. The Comeback of systematic Musicology: new Empiricism and the Cognitive Revolution.

HOOD, M. The Challenge of “Bi-Musicality”. Ethnomusicology, v. 4, n. 2, p. 55-59, 1960.

HOOD, M. The Challenge of “Bi-Musicality”. Ethnomusicology, v. 4, n. 2, p. 55-59, 1960.

Hood, Mantle “Music, the Unknown.” In Harrison, Hood, and Palisca (1963). 1963

Hood, Mantle “The Challenge of Bi-Musicality.” Ethnomusicology 4:55-59. 1960

Hood, Mantle “The Reliability of Oral Tradition.” JAMS 12:201-9. 1959

Hood, Mantle “Training and Research Methods in Ethnomusicology.” Ethnomusicology Newsletter 11:2-8. 1957

Hood, Mantle “Universal Attributes of Music.” World of Music 19/1-2:63-69. 1977

Hood, Mantle Review of Africa and Indonesia, by A. M. Jones, Ethnomusicology 10:214-16. 1966

Hood, Mantle The Ethnomusicologist. New York: McGraw-Hill. 1971

Hood, Mantle. “The Challenge of ‘Bi-Musicality’.” Ethnomusicology, Vol. 4, n. 2 (1960): 55–59.

Hood, Mantle. 1960. “The Challenge of ‘Bi-Musicality’.” Ethnomusicology 4 (2): 55–59.

Hood, Mantle. 1963. “Musical Significance.” Ethnomusicology 7 (3): 187–92.

HOOD, Mantle. 1971. The Ethnomusicologist. New York: McGraw Hill.

Hood, Mantle. 1971. The Ethnomusicologist. New York: McGraw-Hill.

HOORNAERT, Eduardo(Coord.). História da Igreja no Brasil. Primeira Época. Petrópolis, Ed.Vozes, 1977.

Hopkins, Pandora “The Homology of Music and Myth: Views of Levi-Strauss on Musical Structure.” Ethnomusicology 21:247-61. 1977

Hopkins, Pandora “The Purposes of Transcription.” Ethnomusicology 10:310-17. 1966

Hornbostel, Erich M. Von “African Negro Music.” Africa I :30-62. 1928

Hornbostel, Erich M. Von “Die Probleme der vergleichenden Musikwissenschaft.” Zeitschrift der internationalen Musikgesellschaft 7:85-97. 1905

Hornbostel, Erich M. Von “Fuegian Songs.” AA 38:357-67. 1936

Hornbostel, Erich M. Von “Melodie und Skala.” Jahrbuch der Musikbibliothek Peters 20:11-23. 1912

Hornbostel, Erich M. Von “Musikalische Tonsysteme.” In Friedrich Trendelenburg, ed. , Handbuch der Physik. Berlin: J. Springer, 8:425-49. 1917

Hornbostel, Erich M. Von “Notiz uber die Musik der Bewohner von Sud-Neu-Mecklenburg.” In E. Stephan and F. Graebner, Neu-Mecklenburg. Berlin: D. Reimer, pp. 131-37. 1907

Hornbostel, Erich M. Von “Ober ein akustisches Kriterium fur Kulturzusammenhange.” Zeitschriftfiir Ethnologie 3:601-15. 1911

Hornbostel, Erich M. Von “Ober einige Panpfeifen aus Nordwest-Brasilien.” In Theodor Koch-Gruenberg, Zwei Jahre unter den Indianern. Berlin: E. Wasmuth, 2:378-91. 1910

Hornbostel, Erich M. Von “Phonographierte tunesische Melodien.” Sammelbiinde der internationalen Musikgesellschaft 8: 1-43. 1906

Hornbostel, Erich M. Von “The Ethnology of African Sound Instruments.” Africa 6:129-57,277-311. 1933

Hornbostel, Erich M. Von Hombostel Opera Omnia. Ed. Klaus Wachsmann and others. The Hague: Nijhoff. -1975

Hornbostel, Erich M. von, and Curt Sachs “Systematik der Musikinstrumente.” Zeitschriftfiir Ethnologie 46:553-90. English translation by Anthony Baines and K. P. Wachsmann, “Classification of Musical Instruments,” Galpin Society journal 14:3-29, 1961. 1914

Hornbostel, Erich M. von, and Otto Abraham “Ober die Bedeutung des Phonographen fur die vergleichende Musikwissenschaft.” Zeitschrift fiir Ethnologie 36: 222-33. 1904

Hornbostel, Erich M. von, and Otto Abraham “Vorschliige zur Transkription exotischer Melodien.” Sammelbiinde der intemationalen Musikgesellschaft 11: 1-25. 1909

HORTA, Luiz Paulo, ed. Dicionário de Música Zahar. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1985. P. 267.

HORTA, Luiz Paulo, ed. Dicionário de Música Zahar. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1985. P. 267.

HORTON, John (1984) Brahms Música Orquestral. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Hsu, Francis L. K. “Prejudice and Its Intellectual Effect in American Anthropology.” AA 75:1-19. 1973

HUDSON, Ray. 2006. Regions and Place: Music, Identity and Place. Progress in Human Geography, 30 (5): 626-34.

HUGHES, David W. 1988. “Deep Structure and Surface in Javanese Music: A Grammar of Gendhing Lampah”. Ethnomusicology 32 (1):23-74.

HUNTER, Jack. Eros in hell: sex, blood & madness in japanese cinema. Nova Iorque. Creation Books, 1999.

HUNTER, Jack. The bad mirror. Nova Iorque. Creation Books, 2002.

HURON, David. Notes on Meyer, Leonard B. Emotion and Meaning in Music. Chicago: Chicago University Press, 1956.

Husserl, Edmund. 2002. “Consciousness as Intentional Experience.” In The Phenomenology Reader, edited by Dermot Moran and Timothy Mooney, 78–108. London: Routledge.

Hustvedt, Sigurd Bernhard “A Melodic Index of Child’s Ballad Tunes.” Publicativns of UCLA in Languages and Literature 1/2:51-78. 1936

HUTCHERSON, Ben; HAENFLER, Ross. Musical genre as gendered process: authenticity in extreme metal. Studies in Symbolic Interaction, Vol. 35, p. 101-121. Emerald Group Publishing Ltd.

Hutcherson, Ben; Haenfler, Ross. Musical genre as gendered process: authenticity in extreme metal.

IAZZETA, Fernando. O fonógrafo, o computador e a música na universidade brasileira. In: Congresso Nacional da ANPPOM, 10., 1997, Goiânia. Anais. . . Goiânia: UFG, 1997. p. 161-165.

IAZZETA, Fernando. O fonógrafo, o computador e a música na universidade brasileira. In: Congresso Nacional da ANPPOM, 10., 1997, Goiânia. Anais. . . Goiânia: UFG, 1997. p. 161-165.

IBGE. Centro de Documentação e Disseminação de Informações. Normas de apresentação tabular. 3a. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1993.

IBGE. Normas de apresentação tabular. 3. ed. Rio de Janeiro, 1993.

IHDE Don, Listenning and Voice: A Phenomenology of Sound. Athens, Ohio: Ohio University Press, 1976.

IKEDA, Alberto T. Culturas populares no presente : fomento, salvaguarda e devoração. Estudos Avançados 27 (79), 2013.

IKEDA, Alberto T. Música Política: alguns casos Latino-Americanos. Actas del II Congresso Latinoamericano da IASPM, 1999.

IKEDA, Alberto. Pesquisa em música popular urbana no Brasil: entre o intrinseco e o extrinseco.

Ilza Z. L. Joly. 2003. “Educação e Educação Musical: conhecimentos para compreender a criança e suas relações com a musica”. In Ensino de Música: propostas para pensar e agir em sala de aula.

IMPEY, Angela. 2010. Sounding Place in Western Maputoland Borderlands. Journal of Musical Arts in Africa, 3(1):55-79.

In Studies in Symbolic Interaction, Volume 35. http://site.ebrary.com/id/10428774?ppg=150

Ingrid Monson. Riffs, Repetition, and Theories of Globalization. Ethnomusicology, Vol. 43, No. 1 (Winter, 1999), pp. 31-65. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/852693.

International Folk Music Council Notation of Folk Music: Recommendations of the Committee of Experts. Geneva. 1952

INTERNATIONAL Society of Music Education; ASSOCIAÇÃO Brasileira de Educação Musical. Anais do I Encontro Latino-Americano de Educação Musical – VI Encontro Anual da ABEM. Salvador, 1997.

IPEA. Economia e Política Cultural: acesso, emprego e financiamento. Brasília: Ministério da Cultura, 2007.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 10. Fevereiro de 2005.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 11. Agosto de 2005.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 12. Fevereiro de 2006.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 13. Edição especial. 2007.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 14. 2007.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 15. Março de 2008.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 18. 2010?

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 19. Brasília, 2011.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e análise. N. 20. Brasília, 2012.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e análise. N. 21. Brasília, 2013.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 6. Fevereiro de 2003.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 7. Agosto de 2003.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 8. Fevereiro de 2004.

IPEA. Políticas sociais: acompanhamento e analise. N. 9. Agosto de 2004.

ISHMAEL, Amelia et aly (Ed.). Helvete: a journal of Black Metal Theory. Winter 2013. Disponível em http://helvetejournal.org

ISHMAEL, Amelia et aly (Ed.). Helvete: a journal of Black Metal Theory. Winter 2013. Disponível em http://helvetejournal.org

ITER. A Fé Popular no Nordeste. 2/1 (Coletânea de depoimentos populares recolhidos no agreste de Pernambuco e da Paraíba). Salvador, Ed.Beneditina, 1974.

Ives, Edward D. Larry Gorman: The Man Who Made the Songs. Bloomington: Indiana University Press. 1964

Izikowitz, Karl Gustav Musical and Other Sound Instruments of the South American Indians. Goteborg: Kungl. Vetenskaps-och Vitterhets-Samhiiles Handlingar 1935

Jackson, George Pullen White and Negro Spirituals. Locust Valley, N .Y.: J. J. Augustin. 1943

Jacobs, Norman The Sociology of Development: Iran as an Asian Case Study. New York: Praeger. 1966

JACQUES, Tatiana de Alencar. 2007. Comunidade Rock e Bandas Independentes de Florianópolis. Monografia de Graduação. Florianópolis: UESC.

JACQUES, Tatyana de Alencar. Comunidade rock e bandas independentes de Florianópolis: uma etnografia sobre socialidade e concepções musicais. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2007.

JACQUES, Tatyana de Alencar. Comunidade Rock: Visões de mundo e categorias musicais. Revista Música e Cultura, no. 5.

Jairazbhoy, Nazir A. “Music in Western Rajasthan: Continuity and Change.” Yearbook of the IFMC 9:50-66. 1978

Jairazbhoy, Nazir A. “The ‘Objective’ and ‘Subjective’ View in Music Transcription.” Ethnomusicology 21:263-74. 1977

Jairazbhoy, Nazir A. The Rags of North Indian Music. London: Faber and Faber. 1971

Jairazbhoy, Nazir A., and Hal Balyoz “Electronic Aids to Aural Transcription.” Ethnomusicology 21:275-82. 1977

Jakobson, Roman Kindersprache, Aphasie, und allgemeine Lautgesetze. Uppsala: Almquist & Wiksell. 1941

JANCHAR, Timothy; MILZMAN, David; SAMADDAR, Chris. The mosh pit experience: emergency medical care for concert injuries. The American Journal of Emergency Medicine, vol. 18, issue 1, p. 62-63, 2000.

JANCOVICH, Mark. Cult fictions: cult movies, subcultural capital and the production of cultural distinctions. In: Cultural studies, Routledge. Vol. 16. n. 2. pp. 306–322. 2002.

Janotti Jr, Jeder Silveira; Lima, Tatiana Rodrigues; Pires, Victor de Almeida Nobre (orgs.). Dez anos a mil: Mídia e Música Popular Massiva em Tempos de Internet. Porto Alegre: Simplíssimo, 2011.

JANOTTI JR, Jeder. 666 The Number of the Beast: alguns apontamentos sobre a experiência simbólica a partir das letras, crânios, demônios e sonhos do heavy metal. Textos de Cultura e Comunicação. Salvador: Facom/UFBA, n. 39, p. 97-112. Dez. 1998.

JANOTTI Jr, Jeder. Aumenta que isso aí é Rock and Roll: mídia, gênero musical e identidade. Rio de Janeiro: E-papers, 2003.

JANOTTI Jr, Jeder. Dos gêneros musicais aos cenários musicais: uma viagem da Cidade de Deus à Lapa a partir das canções de MV Bill e Marcelo D2. In: Anais do XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro, 2005c.

JANOTTI Jr, Jeder. Dos gêneros textuais, dos discursos e das canções: uma proposta de análise da música popular massiva a partir da noção de gênero midiático. In: XIV COMPÓS. Rio de Janeiro: UFF. Anais da COMPÓS. 2005a.

JANOTTI Jr, Jeder. Heavy Metal com Dendê: Rock pesado e mídia em tempos de globalização, Rio de Janeiro, Editora Papers, 2004.

JANOTTI Jr, Jeder. Heavy Metal e Mídias: das comunidades de sentido aos grupamentos urbanos. 2002. 367 f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, Rio Grande do Sul.

JANOTTI Jr, Jeder. Por uma abordagem mediática da canção popular massiva. E-compós. Agosto, 2005b. Acesso em 22 de agosto de 2005

JANOTTI Jr, Jeder. Por uma análise midiática da música popular massiva: uma proposição metodológica para a compreensão do entorno comunicacional, das condições de produção e reconhecimento dos gêneros musicais. In: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, 2006.

JANOTTI JR., Jedder; LIMA, Tatiana Rodrigues; PIRES, Victor de Almeida Nobre (Org.). Dez anos a mil: Mídia e Música Popular Massiva em Tempos de Internet. Porto Alegre: Simplíssimo, 2011.

JANOTTI JR., Jéder S. Heavy metal: o universo tribal e o espaço dos sonhos. Dissertação (Mestrado) Depto. de Comunicação Social, Programa de Mestrado em Multimeios, Unicamp. Campinas, 1994.

JANOTTI JR., Jéder S. Música Popular Massiva e Comunicação: um universo particular. Trabalho apresentado no VII Encontro dos Núcleos de Pesquisa em Comunicação – NP Comunicação e Culturas Urbanas.

Janotti Jr., Jeder. 2003. Aumenta Que Isso aí é Rock And Roll: Mídia, Gênero Musical e Identidade. Rio de Janeiro: e-papers.

Janotti Jr., Jeder. 2004. Heavy Metal com Dendê: Rock Pesado e Míıdia em Tempos de Globalização. Rio de Janeiro: e-papers.

JANOTTI JR., Jeder. À procura da batida perfeita: a importância do gênero musical para a análise da música popular massiva. ECO-PÓS- v.6, n.2, agosto-dezembro 2003, pp.31-46.

JANOTTI JR., Jeder. Midia, musica popular massiva e generos musicais: a produção de sentido no formato canção a partir de suas condições de produção e reconhecimento. XV Encontro da Compós (Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação.), na Unesp, Bauru, SP, em junho de 2006.

Jardanyi, pal “Die Ordnung der ungarischen Volkslieder.” Studia Musicologica 2:3-32. 1962

JARDIM JUNIOR, Nilton Silva. “Infinita Highway: rockzines e democratização da internet”. Congresso da ANPPOM, 2007. http://www.anppom.com.br/anais/anaiscongresso_anppom_2007/etnomusicologia/etno/m_NSJJunior.. Accesso em 20/09/2009.

JARDIM JUNIOR, Nilton Silva. “Underio.net: Redes de solidariedade nos eventos underground a partir do Rato no Rio”, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestrado – Música, 2007.

JARDIM, V. S. ; MARINS, P. R. A. ; SANTOS JUNIOR, J. B. . O Encontro Presencial na EaD: Uma Abordagem Reflexiva a Partir da Disciplina Laboratório de Música e Tecnologia do Curso de Licenciatura em Música a Distância da UnB. In: XII Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância, 2015, Salvador-BA. Anais do XII ESUD, 2015.

Jean-Jacques Nattiez. Some Aspects of Inuit Vocal Games. Ethnomusicology, Vol. 27, No. 3 (Sep., 1983), pp. 457-475. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/850655.

Jochen Eisentraut. Samba in Wales: Making Sense of Adopted Music. British Journal of Ethnomusicology, Vol. 10, No. 1, Music and Meaning (2001), pp. 85-105. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/3060773.

JONATHAN KRAMER i in.

Jones, A. M. “African Rhythm.” Africa 24:26-47. 1954

Jones, A. M. Africa and Indonesia: The Evidence of the Xylophone. Leiden: Brill. 1964

Jones, A. M. Studies in African Music. London: Oxford University Press. 1959

JONES, Gerard. Brincando de matar monstros. São Paulo. Conrad Brasil, 2004.

JONES, Steve. Rock Formation. Music, Technology, and Mass Communication. Newbury Park: Sage Publications, 1992.

JOPPERT, Maria Augusta. Educação Musical no Curso Secundário: cantam as Américas. v.2. 1969.

JOPPERT, Maria Augusta. Educação Musical no Curso Secundário: cantam as Américas. v.2. 1969.

Jorgensen, E. R. (1997). In search of music education. Urbana: University of Illinois Press.

José Luiz Martinez. A semiotic theory of music: according to a peircean rationale. The Sixth International Conference on Musical Signification University of Helsinki ­ Université de Provence (Aix-Marselle I) Aix-en-Provence, December 1-5, 1998.

Julian Gerstin. Reputation in a Musical Scene: The Everyday Context of Connections between Music, Identity and Politics. Ethnomusicology, Vol. 42, No. 3 (Autumn, 1998), pp. 385-414. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/852848.

JUNQUEIRA, Luciano Antonio Prates; CORÁ, Maria Amelia Jundurian. Descentralização, Território e redes sociais: uma análise do Programa Cultura Viva. Revista Pensamento e Realidade, Ano XV – v. 27 n° 1/2012.

Kabalevsky, D. (1988). Music and education: A composer writes about musical education. London: Jessica Kingley Publishers in association with UNESCO.

Kaemmer, John E. “Between the Event and the Tradition: A New Look at Music in Socio-Cultural Systems.” Ethnomusicology 24:61-74. 1980

KAHN HARRIS. Metal beyond metal: what happens next? Keynote paper for Heavy Metal and Popular Culture Conference, abril, 2013, Bowling Green University.

KAHN-HARRIS, K. Roots?: The Relationship Between the Global and the Local Within the Global Extreme Metal Scene. Popular Music. Volume 19, n. 01, pp. 13 – 30, 2000.

KAHN-HARRIS, K. Transgression and mudanity: the global extreme metal music scene. 2001. 260 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – GoldsmithsCollege, University of London, London.

KAHN-HARRIS, K.. The Failure of Youth Culture: Music, Politics and Reflexivity in the Black Metal Scene. European Journal of Cultural Studies. Volume 07, n. 01, pp. 95 – 111, 2004.

Kahn-Harris, Keith. “Roots?: The Relationship Between the Global and the Local Within the Extreme Metal Scene.” Popular Music, Vol. 19, n. 1 (2000): 13–30.

Kahn-Harris, Keith. 2000. “Roots?: The Relationship Between the Global and the Local Within the Extreme Metal Scene.” Popular Music 19 (1): 13–30.

Kahn-Harris, Keith. 2001. “Transgression and Mundanity: The Global Extreme Metal Music Scene.” Ph.D. diss., Department of Sociology, Goldsmiths College, London.

Kahn-Harris, Keith. 2002. “‘I Hate This Fucking Country’: Dealing with he Global and the Local in the Israeli Extreme Metal Scene.” In Music, Popular Culture, Identities, edited by R. Young, 133–51. Amsterdam: Editions Rodopi.

Kahn-Harris, Keith. 2004. “Unspectacular Subculture? Transgression and Mundanity in the Global Extreme Metal Scene.” In After Subculture: Critical Studies in Contemporary Youth Culture, edited by Andy Bennet and Keith Kahn-Harris, 107–18. Hampshire: Palgrave Macmillan.

KAHN-HARRIS, Keith. Extreme Metal: Music and Culture on the Edge. Oxford: Berg Publishers, 2007.

KAHN-HARRIS, Keith. The Aesthetic of ‘Hate Music’. 2004.

KAPLAN, David e MANNERS, Robert A. Parte II: teoria antropológica. In: KAPLAN, David e MANNERS, Robert A. Teoria da cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 1975. p. 09-135.

KAPLAN, David e MANNERS, Robert A. Parte II: teoria antropológica. In: KAPLAN, David e MANNERS, Robert A. Teoria da cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 1975. p. 09-135.

Kaplan, David, and Robert A. Manners Culture Theory. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall. 1972

KARLSEN, Sidsel. BoomTown Music Education and the need for authenticity: informal learning put into practice in Swedish post-compulsory music education. Britsh Journal of Music Education, 2010, 27:1, p. 25-46.

Karpeles, Maud “Concerning Authenticity.” Journal of the IFMC 3:10-14. 1951

Karpeles, Maud “The Distinction between Folk Music and Popular Music.” Journal of the IFMC 20:9-12. 1968

Karpeles, Maud An Introduction to English Folk Song. London: Oxford University Press. 1973

Karpeles, Maud Cecil Sharp, His Life and Work. Chicago: University of Chicago Press. 1967

Karpeles, Maud, ed. The Collecting of Folk Music and Other Ethnomusicological Material: A Manual for Field Workers. London: IFMC. 1958

Kartomi, Margaret J. “Childlikeness in Play Songs-A Case Study among the Pitjantjara at Yalata, South Australia.” Miscellanea Musicologica (Adelaide) 2:172-214. 1980

Kartomi, Margaret J. “The Processes and Results of Musical Culture Contact: A Discussion of Terminology and Concepts.” Ethnomusicology 25:227-50. 1981

Kartomi, Margaret J. Matjapat Songs in Central and West Java. Canberra: Australian National University Press. 1973

Katz, Ruth “Mannerism and Cultural Change: An Ethnomusicological Example.” Current Anthropology 2/4-5:465-75. 1970

Katz, Ruth “The Reliability of Oral Transmission: The Case of Samaritan Music.” Yuval 3:109-35. 1974

Katz, Ruth “The Singing of Baqqashot by Aleppo Jews.” Acta Musicologica 40:65-85. 1968

Kauffman, Robert “African Rhythm: A Reassessment.” Ethnomusicology 24:393-416 1980

Kauffman, Robert “Shona Urban Music and the Problem of Acculturation.” Yearbook ofthe IFMC 4:47-56. 1973

Kaufmann, Walter Musical Notations of the Orient. Bloomington: Indiana University Press. 1967

Keesing, Roger M. Cultural Anthropology, A Contemporary Perspective. New York: Holt, Rinehart & Winston. 1976

KEHR, David. Foreword. In: NOURMAND, Tony; MARSH, Graham. Film posters: exploitation. Colônia. Evergreen, 2005.

Keil, Charles and Angeliki “Musical Meaning: A Preliminary Report.” Ethnomusicology 10:153-73. 1966

KEIL, Charles and Steven Feld. 1994. Music Grooves. Chicago: The University of Chicago Press

Keil, Charles Tiv Song. Chicago: University of Chicago Press. 1979

Keil, Charles, and Steven Feld. 1994. Music Grooves: Essays and Dialogues. Chicago: University of Chicago Press.

KEMP, Kênia. “Grupos de Estilo Jovens: O ‘Rock Underground’ e as práticas (contra) culturais dos grupos ‘punk’ e thrash’ em São Paulo.” Campinas: UNICAMP, 1993

Kemppinen, Ivar The Ballad of Lady Isabel and the False Knight. Helsinki: Kirja-Mono Oy. 1954

KENNEALLY, T. Conga Din Sepultura – Sepultura pays loud homage to the music of its native Brazil. Guitar world, abril 1996. Disponível em: . Acesso em 03 ago.2004.

KEREKES, David; SLATER David. Killing for culture: an illustrated history of death film. Nova Iorque. Creation Books, 1996.

KERMAN, J. (1985). Quadro de Análise Musical criado a partir do Capítulo 3 do livro Musicologia, por Sérgio Paulo Ribeiro de Freitas. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

KERMAN, Joseph. 1985. Contemplating Music: Challenges to Musicology. Cambridge, Mass. Harvard University Press.

KERMAN, Joseph. How We Got into Analysis, and How to Get out. Critical Inquiry, Vol. 7, No. 2 (Winter, 1980), pp. 311-331.

KERMAN, Joseph. Musicologia. Álvaro Cabral, trad. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

KERMAN, Joseph. Musicologia. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

KERMAN, Joseph. Musicologia. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

KERMANN, Joseph (1987) Musicologia. Tradução Álvaro Cabral. São Paulo: Martins

Key, Mary “Music of the Siriono (Guaranian).” Ethnomusicology 7:17-21. 1963

KIEFER, Bruno (1985) O Romantismo na música in GINSBURG (org) O Romantismo. 2a ed. São Paulo: Perspectiva. (209-237)

KIEFER, Bruno. História da Música Brasileira: Dos primórdios ao início do Século XX. 1977.

Kiesewetter, Raphael Die Musik der Araber. Leipzig: Breitkopf und Hartel. 1842

KING A H (1984) Mozart. Música de Câmara. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Kingsbury, Henry. Should Ethnomusicology Be Abolished? (Reprise). Ethnomusicology, Vol. 41, No. 2, Special Issue: Issues in Ethnomusicology (Spring -Summer, 1997), pp. 243-249

KIRCHMEYER, Helmut. Wagner – Strawinsky: ein unmöglicher vergleich? Archiv für Musikwissenschaft, vol. n. 3, n. 3, p. 229-261, 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2012.

KIRK, Shawn. Prodigal prodigy: virtual virtuosity parallels in the incorporation of classical music into rock and heavy metal.

KISLIUK, Michelle. (Un)doing Fieldwork: Sharing Songs, Sharing Lives. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 183-205.

KLUCKHOHN, Clyde. Costumes estranhos, cacos e crânios. In: KLUCKHOHN, Clyde. Antropologia: um espelho para o homem. Belo Horizonte, São Paulo: Itatiaia, 1972. p. 11-53.

KLUCKHOHN, Clyde. Costumes estranhos, cacos e crânios. In: KLUCKHOHN, Clyde. Antropologia: um espelho para o homem. Belo Horizonte, São Paulo: Itatiaia, 1972. p. 11-53.

KLYPCHAK, Bradley C. Performed identities: heavy metal musicians between 1984 and 1991. Tese (doutorado) Green State University, Department of Philosophy, 2007.

Kneif, Tibor “Was ist Semiotik der Musik?” Neue Zeitschrijtfur Musik 135/6:348-53. 1974

Knepler, Georg Musikgeschichte des 19, Jahrhunderts. Berlin: Henschelverlag. 1961

Kodaly, Zoltan Die ungarische Volksmusik. Budapest: Corvina. 1956

Kodály, Zoltan. Children’s Choirs, 1929. In: Bonis, F., ed. The Selected Writings of Zoltan Kodály. London, UK: Boosey and Hawkes, 1974.

Koellreutter, H. J. (1994). O humano: o objetivo de estudos musicais na escola moderna. Anais do 3º Simpósio Paranaense de Educação Musical. Londrina: UEL.

KOELLREUTTER, Hans-Joachin. Música tem de ter conteúdo. Entrevista de 1977: Uma antiga, longa e muito reveladora entrevista com Koellreutter ao Estado de S. Paulo.

Koetting, James “Analysis and Notation of West African Drum Ensemble Music.” UCLA Selected Reports (Institute of Ethnomusicology) 1/3:116-46. 1970

Kohs, Ellis B. Musical Form: Studies in Analysis and Synthesis. Boston: Houghton Mimin. 1976

Koizumi, Fumio, and others, ed. Asian Music in an Asian Perspective. Tokyo: Japan Foundation. 1977

Kolehmainen, Jukk. 2001. What is Doom According to Shrike. http://www.doom-metal.com.

Kolinski, Mieczyslaw “Suriname Music. ” In M. Herskovits, ed. , Suriname Folklore. New York: American Folklore Society. 1936

Kolinski, Mieczyslaw “The Structure of Melodic Movement, a New Method of Analysis.” In Miscelanea de Estudios Dedicados al Dr. Fernando Ortiz. Havana: Sociedad Economica de Amigos del Pais) 2:879-918 1956

KOLINSKI, Mieczyslaw. 1976. “Herndon’s Verdict on Analysis: Tabula Rasa”. Ethnomusicology, 20(1):1-22.

KOLINSKI, Mieczyslaw. 1977. “Final Reply to Herndon”. Ethnomusicology, 21(1):75-83.

Kondracki, Miroslaw, Marta Stankiewicz e Fritz C. Weiland. 1979. Internationale Diskographie eletronischer musik. Mainz: Schott.

KONOW, David. Bang your head : The rise and fall of heavy metal, New York, Three Rivers Press, 2002.

KOSTKA, Stefan e PAYNE, Dorothy. Tonal Harmony. Audio dos exemplos

KRAMER, Johathan (1993) Invitación a la música. Traducción Ana Arduino. Buenos Aires: Vergara Editor.

KRAMER, Lawrence. Music as Cultural Practice, 1800-1900. California: University of California Press, 1990.

KRAMER, Lawrence. Musicology and Meaning. The Musical Times, Vol. 144, No. 1883 (Summer, 2003), pp. 6-12.

KRAMER, Lawrence. The Musicology of the Future. repercussions. Spring, 1992.

Kristen Sollee, “Mining the Motherload: Mastodon’s #twerkgate and Sexual Objectification in Metal,” Metal Music Studies 1, no. 2 (2015): 271–77;

KRÜGER, S. E. ; NARITA, F. M. . A Formação e o Trabalho Educativo-Musical dos Participantes dos Cursos da CPE/Fundação Osesp: Algumas Práticas e Oportunidades no Estado de São Paulo nos Anos de 2001 a 2006. In: Alda Oliveira; Regina Cajazeira. (Org.). Educação Musical no Brasil. Salvador: P&A, 2007, v. , p. 107-119.

KRUGER, Susana E. Perspectivas pedagógicas para avaliação de software educativo-musical. In: HENTSCHKE, Liane; SOUZA, Jussamara (Org.). Avaliação em música: reflexões e práticas. São Paulo: Moderna, 2003. p. 106-123.

KRUTHE, Patricia; STOBART, Henry (Ed.). Sound. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

KUBIK, Gerhard. Pesquisa musical africana dos dois lados do Atlântico: algumas experiências e reflexões pessoais. Revista USP, São Paulo, n. 77, maio, 2008. Disponível em <>. Acessado em: 08 out. 2012.

KUBIK, Gerhard. Pesquisa musical africana dos dois lados do Atlântico: algumas experiências e reflexões pessoais. Revista USP, São Paulo, n. 77, maio, 2008. Disponível em http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-99892008000200008&lng=pt&nrm=iso. Acessado em: 08 out. 2012.

Kurath, Gertrude P. “Panorama of Dance Ethnology.” Current Anthropology 1:233-54. 1960

KUSCHICK, Mateus Berger. O Semba nos Musseques de Angola: estudos preliminares. In: Congresso Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música. N. 23, 2013, Natal. Instituto de Artes UNICAMP, Campinas, 2013.

Laade, Wolfgang Die Situation von Musikleben und Musikforschung in den Ländern Afrikas und Asiens und die neuen Aufgaben der Musikethnologie. Tutzing: Hans Schneider . 1969

Laade, Wolfgang Gegenwartsfragen der Musik in Afrika und Asien: Eine grundlegende Bibliographie. Heidelberg: W. Laade. 1971a

Laade, Wolfgang Musik der Gotter, Geister und Menschen. Baden-Baden: Valentin Koerner. 1975

Laade, Wolfgang Musikwissenschaft zwischen gestern und morgen. Berlin: Merseburger . 1976

Laade, Wolfgang Neue Musik in Afrika, Asien und Ozeanien. Heidelberg: W. Laade. 1971b

LABOISSIÈRE, Marilia. Música e Filosofia: reflexões sobreconceitos e interfaces.

Labov, William Sociolinguistic Patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press. 1972

LABREA, Valéria Cruz. Cultura Viva: redes temáticas e rede de governança como estratégia de participação social ampliada. Monografia (especialização) Universidade de Girona, Curso de Especialização em Gestão Cultural, 2012.

LABREA, Valéria da Cruz Viana. Redes híbridas de cultura: o imaginário no poder. Cartografia e análise do discurso do Programa Cultura Viva – 2004 a 2013. Tese (Doutorado) Universidade de Brasília, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2014.

LABREA, Valéria Viana; CHALUB, Leila Martins. Pequenos mundos de sentido: as redes e a gestão compartilhada no Cultura Viva. Políticas Culturais em Revista, 2(7), p. 153-177, 2014.

Labuta, J. A. & Smith, D. A. (1997). Music education: Historical contexts and perspectives. New Jersey: Prentice-Hall.

LACERDA, Alice Pires de; GOMES, Eduardo José dos S. de Ferreira. Sentidos da Democracia e dos direitos culturais no campo das políticas públicas. Políticas Culturais em Revista, 1(6), p. 38-53, 2013.

LACERDA, Alice Pires. Democratização da Cultura X Democracia Cultural: os Pontos de Cultura enquanto política cultural de formação de público. In: Políticas culturais: teorias e práticas.

LACERDA, Marcos Branda. 1995. “Ensaios Preliminares de Representação do Ritmo na Música Africana”. Art (Revista da Escola de Música e Artes Cênicas da UFBA). N° 22 (Dezembro). Salvador: Universidade Federal da Bahia. Pp.113-20.

LACERDA, Regina. Vila Boa – História e Folclore. Goiânia, Oriente, 1977.

Lach, Robert Die vergleichende Musikwissenschaft, ihre Methoden und Probleme. Vienna: Akademie der Wissenschaften. 1924

Lachmann, Robert Musik des Orients. Breslau: Jedermanns Biicherei. 1929

LAGO, Jorgete Maria Portal. Notas e Reflexões a partir de escritas sobre a pesquisa de Campo e suas implicações na Etnomusicologia. In: Congresso Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música. N. 24, 2014, São Paulo. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014. p. 8-16.

LAKOFF,G.; JOHNSON, M. Philosophy in the flesh: the embodied mind and its challenge to western thought. New York: Basic Books, 1999.

LANG, Paul Henry La música en la Civilización Occidental. Traducción de José Clementi. Buenos Aires: Editorial Universitaria de Buenos Aires (EUDEBA)

Langer, Susanne K. Feeling and Form. New York: Scribner. 1953

Langer, Susanne K. Philosophy in a New Key. New York: Mentor. 1942

LAPLANTINE, François. A etnografia como atividade perceptiva: o olhar. In LAPLANTINE, François. A Descrição Etnográfica. São Paulo: Terceira Margem, 2004.

LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 2003.

LAPOUJADE, David. Em tudo o que faço, eu procuro ser muito Rock and Roll. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2013.

LARAIA, Roque. Cultura um conceito antropologico. 14 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

LARAYA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

LARAYA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

LARAYA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

LARSSON, Staffan. Paradoxes in teaching. Instructional Science 12 (1983) 355-365. Elsevier Science Publishers B.V., Amsterdam.

LaRue, Jan Guidelines for Style Analysis. New York: Norton. 1970

LAU, Tori Johanne. Jump!’ – Aggression, dance and gender roles: a reading of mosh pit culture. Dissertação (Mestrado em Musicologia) – University of Oslo, Oslo, 2005.

LE GOFF, Jacques. A História Nova. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

LE GOFF, Jacques. A História Nova. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Leach, Edmund Claude Levi-Strauss. New York: Viking Press. 1970

LEÃO, Carolina Carneiro. A maravilha mutante : batuque, sampler e pop no Recife dos anos 90. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-gradução em Comunicação, 2002.

LEÃO, Carolina. A negociação Manguebeat: cultura pop, mídia e periferia no recife contemporâneo”. In: Eco- pós, v.6 n.2, agosto – dezembro, p. 95 -111, 2003.

LEÃO, Fabiana de Souza (2007), “O fenômeno pós-mangue na cena musical pernambucana”, Universidade Federal de Pernambuco, Mestrado – Administração. http://www.bdtd.ufpe.br/tedeSimplificado//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=4091. Accesso em 20/09/2009.

LEÃO, Tom. Heavy Metal: Guitarras em Fúria, São Paulo: Editora 34, 1997.

LEERS, Bernardino. Frei.OFM. Catolicismo Popular e Mundo rural. Petrópolis, Vozes, 1977.

LEI DE MURPHY. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2012.

LEITE LOPES, P.A. Esse povo de preto: o heavy metal e a estética de uma outra “negritude”. Porto Alegre, 2007.

LEITE, Fernanda Capibaribe. Teias trançantes: o mercado cultural e as dinâmicas da cultura na contemporaneidade. Dissertação (mestrado) Universidade do Federal da Bahia, Programa Multidisciplinar Cultura e Sociedade, 2007.

Leme, Mônica N. 2003. Que Tchan É Esse?: Indústria e Produção Musical no Brasil dos Anos 90. São Paulo: Annablume.

LEME, Mônica Neves. 2003. Que Tchan é Esse?: indústria e produção musical no Brasil dos anos 90. São Paulo: Annablume.

Levant, Oscar A Smattering of Ignorance. New York: Doubleday, Doran. 1940

Levi-Strauss, Claude Mythologiques IV: l’homme nu. Paris: Pion. 1971

Levi-Strauss, Claude Structural Anthropology. New York: Basic Books. 1963

Levi-Strauss, Claude The Raw and the Cooked: Introduction to the Science of Mythology. Trans. from the French. New York: Harper and Row. 1969

LEVI-STRAUSS, Claude. Mito e Significado. Lisboa, Edições 70, 1981.

LEVINE, Mark. Headbanging against repressive regimes: Heavy metal in the Middle East, North Africa, Southeast Asia and China. Copenhagen: Freemuse, 2009.

LEVINE, Mark. III parte: Reharmonização. In Jazz Theory Book. 1995.

LEVINE, S. Joseph. Como Escrever e Apresentar sua Tese ou Dissertação. Michigan State University, East Lansing, Michigan USA. Versão em Português de José Chotguis da Universidade Federal do Paraná.

LEVY, Mattias. From Comparative Musicology to Ethnomusicology (the rise of theories). Arquivo de powerpoint.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução: Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999.

LEWIN David B., Music Theory, Phenomenology, and Modes of Perception, Music Perception 3 (1986), ss. 327-92.

Lewis, Oscar “Comparison in Cultural Anthropology.” In W. L. Thomas, ed. , Current Anthropology, a Supplement to Anthropology Today. Chicago: University of Chicago Press, pp. 259-92. 1956

Lewis, Oscar Life in a Mexican Village: Tepotzldn Restudied. Urbana: University of Illinois Press. 1951

Liane Hentschke e Luciana Del Ben. 2003. “Aula de Música: do planejamento e avaliação à prática educativa”. In Ensino de Música: propostas para pensar e agir em sala de aula.

Library of Congress Catalog. 1975. Music: books on music and sound recordings 1974. Washington: Library of Congress.

Library of Congress Check-List of Recorded Songs in the English Language in the Archive of American Folk Song to July, 1940. Washington. 1942

Lidov, David On Musical Phrase. Montreal: Les Presses de l’Universite de Montreal. 1975

Lieberman, Fredric The Music of China, vol. 1 (Notes to the record, Anthology AST-4000). New York: Anthology Record and Tape Corp. 1969

Lieberman, Philip The Origins of Language. New York: Macmillan. 1975

LIMA NETO, Luiz Costa. The Experimental Music of Hermeto Paschoal e Grupo (1981-93): A Musical System in the Making. British Journal of Ethnomusicology, Vol. 9, No. 1, Brazilian Musics, Brazilian Identities (2000), pp. 119-142. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/3060792.

LIMA, Adriano Fagundes Oliveira. Policordes: sistematização e uso na música popular. Dissertação (Mestrado) em Música. Campinas, SP: 2006.

LIMA, Deborah Rabello. Resenha do livro “Pontos de Cultura: olhares sobre o Programa Cultura Viva”. Políticas Culturais em Revista, 2 (4), p.162-166, 2011 – www.politicasculturaisemrevista.ufba.br

LIMA, Deborah Rebello. As teias de uma rede: uma análise do programa cultura viva. Dissertação (mestrado) Fundação Getúlio Vargas, Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais, 2013.

LIMA, Deborah Rebello.Desafios contemporâneos na gestão pública, entre o tangível e o intangível: o caso do Programa Cultura Viva. II Seminário Internacional Políticas Culturais, Fundação Casa Rui Barbosa, 2011.

LIMA, Délcio Monteiro de. Os Demônios descem do Norte. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1987.

LIMA, Luciana Piazzon Barbosa. Desafios jurídicos e administrativos da política cultural comunitária: um estudo dos Pontos de Cultura no estado de São Paulo. Dissertação (mestrado) Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, 2013.

LIMA, Roberto Kant de. A antropologia da academia: quando os índios somos nós. 2a. ed. rev. e amp. Niterói, RJ: Editora da Universidade Federal Fluminense, 1997.

Lima, Sonia Albano. 1998. “A necessidade de um ensino musical tecnicista mais comprometido com a realidade social do País e com a formação da personalidade humana”. Anais do VII Encontro da ABEM. Pernambuco.

LIMA, Tatiana. Mangueabeat – da Cena ao álbum: performances midiáticas de Mundo Livre S/A e Chico Science & Nação Zumbi. Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Salvador: FACOM/UFBA, 2007.

LIMA, Tatiana. Música e mídia: Notas sobre o Manguebeat no circuito massivo. Faculdade Social da Bahia, BA, 2007. Disponível em: – Acessado em 01/02/2012.

Lindley, Mark “Composition.” In S. Sadie, ed., The New Grove. London: Macmillan, 4:599-602. 1980

List, George “An Approach to the Indexing of Ballad Tunes.” Folklore and Folk Music Archivist 6/1:7-15. 1963a

List, George “Ethnomusicology: A Discipline Defined.” Ethnomusicology 23:1-6. 1979b

List, George “The Boundaries of Speech and Song.” Ethnomusicology 7:1-16. 1963b

List, George “The Distribution of a Melodic Formula: Diffusion or Polygenesis?” Yearbook of the IFMC 10:33-52. 1979a

List, George “The Hopi as Composer and Poet.” Proceedings of the centennial Workshop in Ethnomusicology, pp. 42-53. 1968

List, George “The Musical Significance of Transcription.” Ethnomusicology 7:193-97. 1963c

List, George “The Reliability of Transcription.” Ethnomusicology 18:353-77. 1974

LIST, George. 1974. “The Reability of Transcription”. Ethnomusicology 18(4):353-76.

LIST, George. The Reliability of Transcription. Ethnomusicology , vol. 18, n. 3, Sep., 1974, pp. 353-377. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

LIST, George. The Reliability of Transcription. Ethnomusicology, vol. 18, n. 3, Sep., 1974, pp. 353-377. Disponível em http://www.jstor.org/stable/850519. Acessado em: 11 out. 2012.

Literatura Popular em Verso. Antologia.Seleção, Introdução e Comentários de Manoel Cavalcanti Proença.Tomo I.Rio de Janeiro, Casa de Rui Barbosa, MEC, l964.

LOBATO, Jarbas; MAIA, Silvério. Elementos Teóricos de Música para Instrumentistas. Belém: Editora Universitária UFPA, 1996.

LOBATO, Jarbas; MAIA, Silvério. Elementos Teóricos de Música para Instrumentistas. Belém: Editora Universitária UFPA, 1996.

LOCHHEAD Judy, Some Musical Applocations of Phenomenology, Indiana Theory Review 3/3 (1979), ss. 18-27.

LOCHHEAD Judy, Temporal Structure in recent Music, Journal of Musicological Research 6/1-2 (1986), ss. 49-93.

LOCHHEAD Judy, The Temporal Structure of Recent Music: a Phenomenological Investigation, Stony Brook: Satte University of New York diss., 1982.

Lochhead, Judy. 1995. “Hearing New Music: Pedagogy from a Phenomenological Perspective.” Philosophy of Music Education Review 3 (1): 34–43.

LODY, Raul. Devoção e Culto a Nossa Senhora da Boa Morte. Rio de Janeiro, Altiva, 1981.

Loeb, Laurence D. “The Jewish Musician and the Music of Fars.” AM 4/1:3-14. 1972

Lomax, Alan “Folksong Style.” AA 61:927-54. 1959

Lomax, Alan “Song Structure and Social Structure.” Ethnology 1 :425-51. 1962

Lomax, Alan Cantometrics. Berkeley: University of California. 1976

Lomax, Alan Folk Song Style and Culture. Washington: American Association for the Advancement of Science. 1968

Lomax, Alan The Folk Songs of North America. New York: Doubleday. 1960

Lomax, Alan. 1968. Folk Song Style and Culture. New Brunswick and London: Transaction.

LOPES, C. Guerrilha! A história da Dorsal Atlântica. Rio de Janeiro: Beat Press Editora, 1999.

Lopes, C. T. M. (1991). A pedagogia musical de Carl Orff. Em Pauta, 3. Porto Alegre: UFRGS.

LOPES, Paulo Eduardo. A desinvenção do som: leituras dialógicas do tropicalismo. Campinas, SP: Pontes, 1999.

LOPES, Pedro Alvim L. Esse povo de preto: o heavy metal e a estética de uma outra negritude. In: Anais do VII REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO MERCOSUL. Porto Alegre: UFRGS, 2007.

LOPES, Pedro Alvim L. Heavy metal na cidade do Rio de Janeiro. In: XXIII ENCONTRO DA ABA – Associação Brasileira de Antropologia, Olinda, 2004.

LOPES, Pedro Alvim L. Heavy Metal no Rio de Janeiro e Dessacralização de símbolos religiosos: a música do demônio na cidade de São Sebastião das Terras de Vera Cruz. Tese (Doutorado em Antropologia Social), Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

LOPES, Pedro Alvim L. Hell de Janeiro: heavy metal e choques culturais na cidade do Rio de Janeiro. In: Experiências musicais. Fortaleza: Prefeitura Municipal de Fortaleza/EDUECE, 2008. pp. 202-216. Francisco José Gomes Damasceno, Amaudson Ximenes Veras Mendonça (orgs.).

LOPES, Pedro Alvim L. Mundo heavy metal no Rio de Janeiro. In: VELHO, Gilberto. Rio de Janeiro: metrópole, cultura e conflito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007. p. 156-190.

Lord, Albert B. The Singer of Tales. New York: Atheneum. 1965

Lorenz, Alfred Ottokar Abendländische Musikgeschichte im Rhythmus der Generationen. Berlin: M. Hesse. 1928

LOVELOCK, William (1987) História concisa da Música. Tradução Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes.

Lowie, Robert H. “Plains Indian Age-Grade Societies: Historical and Comparative Summary.” Anthropological Papers of the American Museum of Natural History, 11, pt. 1.3:877-1031. 1916

Lowie, Robert H. The History of Ethnological Theory. New York: Rinehart. 1937

Lowinsky, Edward Secret Chromatic Art in the Netherlands Motet. New York: Columbia University Press. 1946

LUBISCO, Nídia M. L.; VIEIRA, Sônia C., SANTANA, Isnaia V. Manual de estilo acadêmico: monografias, dissertações e teses. 4. ed. rev. e ampl. Salvador: EDUFBA, 2008.

LUBISCO, Nídia Maria Lienert; VIEIRA, Sônia Chagas e SANTANA, Isnaia Veiga. Manual de estilo acadÍmico: monografias, dissertações e teses. 4. ed. rev. e ampl. Salvador: EDUFBA, 2008.

LUCAS, Glaura. 2002. Os Sons do Rosário : O Congado Mineiro dos Arturos e Jatobá. Belo Horizonte: Editora UFMG.

LUCENA, Luiz Carlos. Rock, Sonho & Revolução: A música contando a história dos anos 60. Editora Sampa, 2001. Disponível em: – Acessado em 11/05/11.

LUCY, Deise e PIEDADE, Acácio. Entrevista com Rafael José de Menezes Bastos. Música e Cultura, n. 3, 2008. Disponível em http://musicaecultura.abetmusica.org.br/artigos-03/MeC03-Entrevista-Rafael-Bastos. . Acessado em: 11 out. 2012.

LUDKE, Menga; ANDRE, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas.

LUEDY, Eduardo. Discursos acadêmicos em música : cultura e pedagogia em práticas de formação superior. Tese (doutorado) Universidade Federal da Bahia, Escola de Música, 2009.

LUHNING, Angela Elizabeth. A educação musical e a música da cultura popular . Ictus, vol. 1, 1999. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

LUHNING, Angela Elizabeth. A educação musical e a música da cultura popular . Ictus, vol. 1, 1999. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

LUHNING, Angela Elizabeth. A educação musical e a música da cultura popular. Ictus, vol. 1, 1999. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

LUHNING, Angela Elizabeth. Sustentabilidade de Patrimônios Musicais e Políticas Públicas a Partir de Experiências e Vivências Musicais em Bairros Populares. In: Música e Cultura, revista da ABET, vol.8, n.1. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO, 2013. p. 44-58.

LÜHNING, Ângela. 1991. “Métodos de Trabalho na Etnomusicologia: reflexões em volta de experiências pessoais”” Rev. de C. Sociais, V. XXII, N°s (1/2). Fortaleza, Pp.105-26.

LÜHNING, Ângela. 1991. “Teorização na Etnomusicologia?” Art (Revista da Escola de Música e Artes Cênicas da UFBA). N° 18 (agosto). Salvador: Universidade Federal da Bahia. Pp.133-36.

LÜHNING, Ângela. 1999. “A Educação Musical e a Música da Cultura Popular”. ICTUS (Periódico do Programa de Pós-Graduação em Música da UFBA). N° 1 (dezembro). Salvador: Universidade Federal da Bahia. Pp.53-62

Lühning, Ângela. 2003. “Etnomusicologia Participativa: Derrubando Portas Abertas? Das Novas Vozes Nativas e dos Ainda Velhos Discursos dos Pesquisadores.” Anais… Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música, Porto Alegre: ANPPOM, 126–32.

LUVIZOTTO, André Luiz; FURLANETE, Fábio Parra; MANZOLLI, Jônatas. Microfonia e distorção na guitarra sob a ótica de Waveshaping”. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA (ANPPOM), 2006, Brasília. Anais… Brasília, 2006. p. 262-267.

Lyons, John Noam Chomsky. Rev. ed. New York: Penguin Books. 1977

MACEDO JUNIOR, Aldemar; BORDINI, Ricardo M. Dicionário inglês-português de termos técnicos musicais. In: Seminário Estudantil de Pesquisa, 25., 2006, Salvador. Caderno de resumos. Salvador: EDUFBA, 2006. p. 320-320.

MACGAFFEY, W. Religion and Society in Central África. The Bakongo of Lower Zaire. Chicago, University of Chicago Press, 1986.

MACHADO, Benedito. Senhor Bom Jesus de Iguape. São Paulo, Luz e Silva Ed., 1990.

MAFFESOLI, M. A parte do diabo. Rio de Janeiro: Record. 2004.

MAFFESOLI, M. O Tempo das Tribos. Rio de Janeiro: Forense universitária. 2002.

MAFFIALETTI, Leda de Albuquerque. Educação Musical: Cadernos de Formação. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 1993.

MAFFIALETTI, Leda de Albuquerque. Educação Musical: Cadernos de Formação. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 1993.

MAGALHÃES-CASTRO, B. …mas pra eu poder usar essa flautinha…: deslocamentos nos rituais das flautas sagradas em grupos Ye-pâ masa no Alto Rio Negro. In: Encontro da ABET, 3., 2006, São Paulo. Anais. . . São Paulo: ABET, 2006.

MAGALHÃES-CASTRO, Beatriz. Editorial: políticas para a difusão cultural – os Festivais Internacionais da ABRAF. PATTAPIO, Rio de Janeiro, p. 1, 01 out. 1999.

MAGALHÃES, Luís César. 1992. “Análise Musical: uma perspectiva etnomusicológica”. Art (Revista da Escola de Música e Artes Cênicas da UFBA). N° 21 (Dezembro). Salvador: Universidade Federal da Bahia. Pp.71-4.

MAGGIO, S.; MAGALHÃES-CASTRO, Beatriz. Sinfonia para poucos. Acervo extraordinário do Maestro Claudio Santoro está retido em apartamento da família e em saleta da Universidade de Brasília. Correio Braziliense, Brasília, p. 1-5, 11 set. 2005.

MAGNANI, J. G. C. Festa no pedaço. São Paulo: brasiliense. 1984.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Etnomusicologia como experiência e prática. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 15, n. 32, p. 129-156, jul.-dez. 2009.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Etnomusicologia como experiência e prática. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 15, n. 32, p. 129-156, jul.-dez. 2009.

MAINARDES, Jefferson; Marconde, Maria Inês. Reflexões sobre a Etnografia Crítica e suas Implicações para a Pesquisa em Educação. Educ. Real., Porto Alegre, v. 36, n. 2, p. 425-446, maio/ago. 2011. Disponível em:

MAKIUCHI, Fátima; RIBEIRO, Hugo; BRASIL, Mário (Org.). Públicas Culturais: atas e relatório dos fóruns. Brasília: UnB, 2016.

MALHE, Maria Aparecida. Iniciação Musical. Piracicaba-SP: Irmãos Vitale.

MALHE, Maria Aparecida. Iniciação Musical. Piracicaba-SP: Irmãos Vitale.

MALIGHETTI , Roberto. Etnografia e trabalho de campo: autor, autoridade e autorização de discursos. Caderno Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 1, n. 1, jan.-jul. 2004.

MALIGHETTI , Roberto. Etnografia e trabalho de campo: autor, autoridade e autorização de discursos. Caderno Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 1, n. 1, jan.-jul. 2004.

MALIGHETTI , Roberto. Etnografia e trabalho de campo: autor, autoridade e autorização de discursos. Caderno Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 1, n. 1, jan.-jul. 2004.

Malinowski, Bronislaw A Diary in the Strict Sense of the Term. New York: Harcourt, Brace and World. 1967

Malinowski, Bronislaw Coral Gardens and Their Magic. New York: American Book Co. 1935

Malinowski, Bronislaw Magic, Science, and Religion, and Other Essays. New York: Doubleday. 1954

Malm, William P. “On the Meaning and Invention of the Term Disphony.” Ethnomusicology 16:247-49. 1972

Malm, William P. “On the Nature and Function of Symbolism in Western and Oriental Music.” Philosophy East and West (Honolulu) 19/3:235-46. 1969

Malm, William P. Japanese Music and Musical Instruments. Tokyo: C. E. Tuttle. 1959

Malm, William P. Music Cultures of the Pacific, the Near East, and Asia. 2d ed. Englewoorl Cliffs, N .J.: Prentice-Hall. 1977

MANIATES Maria Rika, Sound, Silence and Time: Towards a Fundamental Ontology of Music, Current Musicology 3 (1966), ss. 59-64.

Manners, Robert Alan, and David Kaplan, ed. Theory in Anthropology, a Sourcebook. Chicago: Airline. 1968

Mapoma, Isaiah M wesa “The Use of Folk Music among Some Bemba Church Congregations in Zambia.” Yearbook of the IFMC 1 :72-88. 1969

Maraire, Abraham Dumisani “Mbiras and Performance in Rhodesia.” Notes to the record Mbira Music from Rhodesia, UWP-1001. Seattle: University of Washington Press. 1971

Marcel-Dubois, Claudie Pour une analyse de contenu musical. Paris: Musee national des arts et traditions populaires. 1972

MARCHETTI, Paulo. O Diário da Turma 1976-1986 História do Rock de Brasília. Ed. Conrad, 2001.

MARCONI, Marina de Andrade e PRESOTTO, Zelia Maria. Antropologia. In: MARCONI, Marina de Andrade e PRESOTTO, Zelia Maria. Antropologia: uma introdução. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1998. p. 23-67.

Marcos Napolitano e Maria Clara Wasserman. Desde que o samba é samba: a questão das origens no debate historiográfico sobre a música popular brasileira. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 20, nº 39, p.167-189. 2000.

MARINHO, Alba Lúcia Silva. Pontos de cultura em Olinda-PE: territórios de saberes e tessituras para o turismo de base comunitária. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2013.

MARINHO, Vanildo Mousinho. Manual comparativo Turabian/ABNT: normas de formatação de textos, citações e referências em trabalhos acadêmicos. Escola de Música da UFBA.

MARINS, P. R. A. ; NARITA, F. M. . Licenciatura em Música a Distância na UnB: planejamento e implementação. In: Maria Lidia Bueno Fernandes. (Org.). Trajetórias das Licenciaturas da UnB: EaD em Foco. 1ed.Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2012, v. , p. 151-167.

MARINS, P. R. A.; Fonseca, O. S. P. . O Curso de Licenciatura em Música a Distância da UnB e as Perspectivas dos Alunos sobre sua Formação Musical. In: XII Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância, 2015, Salvador-BA. Anais do XII ESUD, 2015.

MARINS, P. R. A.; NARITA, F. M. . Licenciatura em Müsica a Distância da UnB: Planejamento e Implementação. In: Maria Lídia Bueno Fernandes. (Org.). Trajetórias das Licenciaturas da UnB: EaD em Foco. 1ed.Brasilia: Editora UnB, 2012, v. T768, p. 151-167.

MARINS, P. R. A.; Rumsey, F. ; ZIELINSKI, S. . The relationship between basic audio quality and selected artefacs in perceptual audio codecs – Part II: The validation experiment. In: 122nd Audio Engineering Society Convention, 2007, Viena, Áustria. 122nd Audio Engineering Society Convention, 2007.

MARINS, P. R. A.; Rumsey, F. ; ZIELINSKI, S. . The relationship between Selected Artifacts and Basic Audio Quality in Perceptual Audio Codecs. In: 120th Audio Engineering Convention, 2006, Paris, França. 120th Audio Engineering Convention, 2006.

MARINS, P. R. A.; Rumsey, F. ; ZIELINSKI, S. . Uncovering the Multidimensional Perceptual Space of Low Bit-Rate Multichannel Audio Codecs. In: Institute of Acoustics – Reproduce Sound 24 – Immersive Audio, 2008, Brighton – Reino Unido. Institute of Acoustics – Reproduce Sound 24 – Immersive Audio, 2008.

MARINS, P. R. A.; Rumsey, F. ; ZIELINSKI, S. . Unraveling the Relationship between Basic Audio Quality and Fidelity Attributes in Low Bit-Rate Multichannel Audio Codecs. In: 124th Audio Engineering Society Convention, 2008, Amsterdam – Holanda. 124th Audio Engineering Society Convention, 2008.

MARINS, P. R. A.. A Utilização da Tecnologia Musical no Ensino da Música Popular Brasileira. In: XII Encontro Anual da ABEM, 2003, Florianópolis. Anais – XII Encontro Anual da ABEM – I Colóquio do NEM, 2003. p. 693-696.

MARINS, P. R. A.. An Study about the Use of ICT in Music Distance Education. In: 5th International Conference of Education, Research and Innovation, 2012, Madrid – Espanha. ICERI2012 Proceedings CD. Madrid: IATED Publications, 2012.

MARINS, P. R. A.. Carcterizando os efeitos perceptuais dos codecs de áudio multicanal. In: 8° Congresso de Engenharia de Áudio da AES – Brasil, 2010, São Paulo. Anais do 8° Congresso de Engenharia de Áudio da AES – Brasil, 2010.

MARINS, P. R. A.. Characterizing the Perceptual Effects Introduced by Low Bit Rate Spatial Audio Codecs. In: 131st AES Convention, 2011, Nova Iorque. 131st Convention. Nova Iorque: AES, 2011.

MARINS, P. R. A.. Educação Musical a Distância: Um Estudo sobre a Utilização das TIC no Ensino de Instrumento. In: X Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância – ESUD 2013, 2013, Belém – PA. X Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância – ESUD 2013, 2013.

MARINS, P. R. A.. Educação Musical no Centro Oeste ? Perspectivas para o Século XXI. In: XI Encontro Regional da Associação Brasileira de Educação Musical., 2011, Goiânia. Anais do XI Encontro Regional da Associação Brasileira de Educação Musical., 2011.

MARINS, P. R. A.. Identification of Perceptual Attributes for the Assessment of Low Bit Rate Multichannel Audio Codecs. In: 128th Audio Engineering Society Convention, 2010, Londres. 128th Audio Engineering Society Convention, 2010.

MARINS, P. R. A.. O uso da tecnologia digital no ensino musical a distância: um estudo no âmbito do Curso de Licenciatura em Música a Distância da Universidade de Brasília. In: XX Congresso Nacional da Associação Brasileira de Educação Musical, 2011, Vitória-ES. Anais do XX Congresso Nacional da Associação Brasileira de Educação Musical, 2011.

MARINS, P. R. A.. Os sons do jogos computacionais voltados para o ensino da música.. In: XIII Encontro Anual da ABEM, 2004, Rio de Janeiro – RJ. Anais – XIII Encontro Anual da ABEM – I Colóquio do NEM, 2004.

MARINS, P. R. A.. Um Estudo sobre a Utilização das TIC no Ensino de Instrumento Musical a Distância. In: 9ª Conferencia Regional Latinoamericana y 2ª Panamericana de Educación Musical ISME, 2013, Santiago – Chile. Actas 9a Conferencia Latinoamericana y 2a Panamericana de la Sociedad Internacional de Educación Musical, ISME, 2013.

MARINS, P. R. A.. Um Estudo Sobre o Uso da Tecnologia Digital no Ensino de Música a DIstância. In: 18o Congresso Internacional de Educação a Distância, 2012, São Luis – MA. Anais do 18o Congresso Internacional de Educação a Distância, 2012.

Mariz, Vasco. História da música no Brasil. 5ª ed. revista e ampliada, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

MARIZ, Vasco. História da Música no Brasil. Nova Fronteira, 2005.

MÁRSICO, Leda Osório. Introdução à leitura e a grafia musical. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 1987.

MÁRSICO, Leda Osório. Introdução à leitura e a grafia musical. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 1987.

MARTÍN MORENO, Antonio (1993) Historia de la música española 4 – Siglo XVIII. Madrid: Alianza Música.

MARTINEZ, José Luiz. 1992. “Uma Possível Teoria Semiótica da Música (pautada logicamente em Charles Sanders Peirce)”. Cadernos de Estudo : Análise Musical. N°5 (fev/ago). São Paulo: Atravez. Pp.73-83.

MARTÍNEZ, Silvia. Heavies: ¿una cultura de transgresión?. Revista de Estudios de Juventud. La Rioja (ESP), n.64, 2004. p. 75-86

MARTINS, Mário.SJ. Peregrinações e Livros de Milagres na Nossa Idade Média. 2ªEd. Lisboa, 1957.

Martins, R. (1985). Educação Musical: Conceitos e preconceitos. Rio de Janeiro: FUNARTE.

Martins, R. (1990). O valor educacional da arte. Porto Arte, 1. Porto Alegre: UFRGS.

Martins, R. (1994). Tradição e Inovação Musical: um Conflito Epistemológico. Anais do III Encontro Anual da ABEM. Salvador: EMUS.

MARTINS, Raimundo. Educação Musical: Conceitos e Preconceitos. Rio de Janeiro: Funarte, 1985.

MASCIANDARO, Nicola. Hideou Gnosis: Black Metal Theory Symposium 1.

MASSIN, Jean & Brigitte. História da Música Ocidental. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,

MASSIN, Jean & Brigitte. História da Música Ocidental. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,

MASSIN, Jean; MASSIN, Brigitte. (1997) História da música ocidental. Tradução de Angela Ramalho Viana. Carlos Sussekind. Maria Teresa Resende Costa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

Massoudieh, Mohammarl T. Awas-e-Sur. Regensburg: G. Bosse. 1968

Massoudieh, Mohammarl T. Radif vocal de la musique traditionelle de l’lran. Teheran: Ministry of Culture and Fine Arts. 1978

MATHIJS, Ernest; MENDIK, Xavier. Alternative europe: eurotrash and exploitation cinema since 1945. Londres. Wallflower, 2004.

Matos, Cleofe Person. 1970. Catálogo Temático das Obras do Padre José Maurício Nunes Garcia. Ministério da Educação.

MATOS, Ivo de. 2a.Ed. Mumbuca. Belo Horizonte, Ed.São Vicente, 1980.

MATTOS NETO, Alberto Costa. Rock: a retro-alimentação de uma configuração artística contemporânea. Monografia de bacharelado em História, IFCS, UFRJ. Rio de Janeiro, setembro de 2000, ms.

MATTOS, A. C. Gomes. A outra face da Hollywood: filme B. São Paulo. Rocco, 2003.

MATTOS, Fabrício Santos de. Os traços da rede: Pontos de cultura e usos da cultura na Amazônia contemporânea. Dissertação (mestrado) Universidade Estadual do Ceará, Centro de Estudos Sociais Aplicados, 2010.

MATTOSO, José. Religião e Cultura na Idade Média Portuguesa. Lisboa, Impr.Nacional/Casa da Moeda, 1981.

May, Elizabeth The Influence of the Meiji Period on Japanese Children’s Music. Berkeley: University of California Press. 1963

MAYNARD, Alceu. Brasil: Histórias, Costumes e Lendas. Texto proveniente de Seção Braille da Biblioteca Pública do Paraná. São Paulo: Editora Três.

MBITI, S.John. Concepts of God in África. London, SPCK, 1970.

McAllester, David P. “Some Thoughts on ‘Universals’ in World Music.” Ethnomusicology 15: 379-80. 1971

McAllester, David P. Enemy Way Music. Cambridge: Peabody Museum Papers, vol. 41, no.3. 1954

McAllester, David P. Peyote Music. New York: Viking Fund Publications in Anthropology, no.13. 1949

McCAIN, Gillian. McNEIL, Legs. Mate-me por favor – A história sem censura do Punk. São Paulo: L&PM, 2000.

MCCANN, Bryan. Hello, hello Brazil: popular music in the making of modern Brazil. Durham, NC: Duke University Press, 2004. ISBN 0-8223-3273-6.

MCCLARY, Susan e WALSER, Robert. Theorizing the Body in African-American Music. Black Music Research Journal, Vol. 14, No. 1, Selected Papers from the 1993 National Conference on Black Music Research (Spring, 1994), pp. 75-84. Chicago: Center for Black Music Research, Columbia College Chicago and University of Illinois Press. Disponível em http://www.jstor.org/stable/779459. Acesso em: 26 mar. 2013.

MCCLARY, Susan. Constructions of Gender in Monteverdi’s Dramatic Music. Cambridge Opera Journal, Vol. 1, No. 3 (Nov., 1989), pp. 203-223. Cambridge: Cambridge University Press. Disponível em http://www.jstor.org/stable/823782. Acesso em: 26 mar. 2013.

MCCLARY, Susan. Reshaping a Discipline: Musicology and Feminism in the 1990s. Feminist Studies, Vol. 19, No. 2, Women’s Bodies and the State (Summer, 1993), pp. 399-423.

MCCLARY, Susan. Terminal Prestige: The Case of Avant-Garde Music Composition. Cultural Critique, No. 12, Discursive Strategies and the Economy of Prestige (Spring, 1989), pp. 57-81.

McClintock, Walter The Old North Trail. Lincoln: University of Nebraska Press. 1910 (1968)

McCollester, Roxane “A Transcription Technique Used by Zygmunt Estreicher.” Ethnomusicology 4::129-32. 1960

MCCRELESS, Patrick. Contemporary Music Theory and the New Musicology: An Introduction. Music Theory Online. Vol 2.2.

MCCRELESS, Patrick. Teoria Contemporânea da Música e a Nova Musicologia: Uma Introdução. Traduzido por ??? Music Theory Online, The Online Journal of the Society for Music Theory, Volume 2.2.

McDonald, Chris. 2000. “Exploring Modal Subversions in Alternative Music.” Popular Music 19:355–63.

McFee, Malcolm Modern Blackfeet: Montanans on a Reservation. New York: Holt, Rinehart and Winston. 1972

MCLEAN, Mervin. 1969. “An Analysis of 651 Maori Scales”. Yearbook of the Tradicional Folk Music Council, Pp. 123-64.

McLean, Mervyn “An Analysis of 651 Maori Scales.” Yearbook of the IFMC 1: 123-64. 1971

McLean, Mervyn “Song Loss and Social Context among the New Zealand Maori.” Ethnomusicology 9:296-304:. 1965

McLean, Mervyn “Towards the Differentiation of Music Areas in Oceania.” Anthropos 74:717-36. 1979

McLeod, Norma “Some Techniques of Analysis for Non-Western Music.” Dissertation, Northwestern University. 1966

McLeod, Norma “The Status of Musical Specialists in Madagascar.” Ethnomusicology 8:278-89. 1964

MClVER, Joel. Sabbath bloody Sabbath. São Paulo: Madras, 2012. Tradução Teodoro Lorent.

Mead, Margaret “Changing Styles of Anthropological Work.” Annual Revieu of Anthropology 2:1-26. 1973

MEDEIROS, Abda de Souza. Cosmologias do Rock em Fortaleza”. Dissertação de Mestrado defendida junto ao Programa de Pós- Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceara, 27 de junho, Fortaleza, Ceara, 2008.

MEDEIROS, Abda de Souza. Entre a “terra do sol” e a “cidade maravilhosa”: rotas, desvios e torneios de valor nos circuitos do rock metal. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós Graduação em Sociologia, 2014.

MEDEIROS, Abda de Souza. O espetáculo dos “metaleiros” em Fortaleza: cenários e encenações corporais. Monografia (Graduação em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Ceará, 2004.

MEDEIROS, Anny Karine de. Política de financiamento cultural: análise do Programa Cultura Viva em três estados brasileiros. II Seminário Internacional Políticas Culturais, Fundação Casa Rui Barbosa, 2011.

MEDEIROS, Anny Karine de. Políticas públicas e organizações culturais: o caso do programa Cultura Viva. Dissertação (mestrado) Fundação Getúlio Vargas, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, 2013.

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. São Paulo: Atlas, 2004.

MEDEIROS, Nilcéia Lage de. Fórum de Normalização, Padronização, Estilo e Revisão do Texto Científico: perguntas, respostas, discussões e questionamentos sobre ABNT, teses, dissertações, monografias, livros, artigos científicos… Belo Horizonte: Fórum, 2007. Edição comemorativa da Editora Fórum para o Dia dos Bibliotecários. Disponível em: <>

MEDEIROS, Nilcéia Lage de. Fórum de normalização, padronização, estilo e revisão do texto científico: perguntas, respostas, discussões e questionamentos sobre ABNT, teses, dissertações, monografias, livros, artigos científicos… Belo Horizonte: Fórum, 2007. ISBN: 85-7700-001.

MEDINA, C.A.de. e OLIVEIRA, Pedro A.Ribeiro de. Autoridade e Participação: estudo sociográfico da Igreja Católica. Petrópolis/Vozes, Rio de Janeiro/CERIS. 1973.

MEIO, D. B. ; MARINS, P. R. A. . Ferramentas on-line para criação musical colaborativa. In: 12o Congresso de Engenharia de Áudio, 2014, São Paulo – SP. Anais do 12o Congresso de Engenharia de Áudio da AES-Brasil. Belo Horizonte – MG: Totum, 2014. v. 1. p. 82-88.

MELATTI, Julio Cesas. Índios do Brasil. SP: Hucitec, 1970.

MELLO, Luiz Gonzaga de. Antropologia Cultural: iniciação, teoria e temas. RJ: Vozes, 1982.

MELLO, Luiz Gonzaga de. Antropologia: métodos e problemas na formação da Terra. In: MELLO, Luiz Gonzaga de. Antropologia cultural: iniciação, teoria e temas. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 169-298.

MELLO, Luiz Gonzaga de. Antropologia: métodos e problemas na formação da Terra. In: MELLO, Luiz Gonzaga de. Antropologia cultural: iniciação, teoria e temas. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 169-298.

MELLO, Marcelo (2003). O caso música x linguagem. Reflexões sobre Lingüística e cognição musical. Tese (Mestrado); Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP. Fonte: http://i.1asphost.com/marcelomello/mmreflexoes_1.html

MENDES, Pedro B. O Trabalho da Cultura e a lógica dos Pontos. II Seminário Internacional Políticas Culturais.

MENDONÇA, Amaudson Ximenes Veras. A Música Underground em Fortaleza: resistência ou crise de identidade. Fortaleza: Do it your self editora,1999.

MENDONÇA, Amaudson Ximenes Veras. História e realidade das bandas de rock do Parque Araxá. In: ForCaos: muito além do sexo, drogas e rock and roll. Música(s), Cultura(s) e Contemporaneidade (s) Juveni(I)s. Francisco José Gomes Damasceno, Amaudson Ximenes Veras Mendonça (orgs.). Fortaleza: EdUECE, 20007, pp. 61-73.

MENEZES, Paulo. Á meia-luz. Cinema e sexualidade nos anos 70. São Paulo. Editora 34, 2001.

MERLEAU-PONTY, Maurice. 1962 (1945). Phenomenology of Perception. Traduzido por Colin Smith. London: Routledge.

MERLEAU-PONTY, Maurice. 1962 (1945). The Visible and the Invisible: studies in phenomenology & existential philosophy. Editado por Claude Lefort, traduzido por Alphonso Lingis. Evanston: Northwestern University Press.

Merleau-Ponty, Maurice. 1962. Phenomenology of Perception. London: Routledge. Colin Smith, trad.

MERRIAM, A. P. Definitions of “Comparative Musicology” and “Ethnomusicology”: An Historical-Theoretical Perspective. Ethnomusicology, v. 21, n. 2, p. 189-204, 1977.

Merriam, Alan P. “African Music.” In William R. Bascom and Melville J. Herskovits, eds., Continuity and Change in African Cultures. Chicago: University of Chicago Press, pp. 4:9-86. 1959

Merriam, Alan P. “African Musical Rhythm and Concepts of Time-Reckoning.” In Thomas Noblitt, ed., Music East and West: Essays in Honor of Walter Kaufmann. New York: Pendragon Press, pp. 123-42. 1981

Merriam, Alan P. “Basongye Musicians and Institutionalized Social Deviance.” Yearbook of the IFMC 11:1-26. 1979

Merriam, Alan P. “Definitions of ‘Comparative Musicology’ and ‘Ethnomusicology’: An Historical- Theoretical Perspective.” Ethnomusicology 21:189-204. 1977a

Merriam, Alan P. “Ethnomusicology Revisited.” Ethnomusicology 13:213-29. 1969b

Merriam, Alan P. “Ethnomusicology Today .” Current Musicology 20:50-66. 1975

Merriam, Alan P. “Ethnomusicology: Discussion and Definition of the Field.” Ethnomusicology 4::107-14. 1960

Merriam, Alan P. “Music and the Origin of the Flathead Indians.” In Music in the Americas. The Hague: Mouton, pp. 129-38. 1967b

Merriam, Alan P. “Music Change in a Basongye Village (Zaire).” Anthropos 72:806-46. 1977b

Merriam, Alan P. “Music in American Culture.” AA 57: 1173-81. 1955a

Merriam, Alan P. “Song Texts of the Bashi.” Zaire 8:27-4:3. 1954

Merriam, Alan P. “The Bala Musician.” In Warren L. d’Azevedo, .ed., The Traditional Artist in African Societies. Bloomington: Indiana University Press, pp. 250-81. 1973

Merriam, Alan P. “The Ethnographic Experience: Drum-Making among the Bala (Basongye).” Ethnomusicology 13:74:-100. 1969a

Merriam, Alan P. “The Use of Music in the Study of a Problem of Acculturation.” AA 57:28-34: 1955b

Merriam, Alan P. 1964. The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press.

MERRIAM, Alan P. 1964. The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press.

MERRIAM, Alan P. Capítulo 1: Definição. In: MERRIAM, Alan P. The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press, 1964. p. 209-227.

MERRIAM, Alan P. Capítulos 1 e 2. The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press, 1964.

Merriam, Alan P. Ethnomusicology of the Flathead Indians. Chicago: Aldine Press. 1967a

Merriam, Alan P. The Anthropology of Music. Evanston, Ill.: Northwestern University Press. 1964

MERRIAM, Alan P. The anthropology of music. Evanston: Northwester University Press, 1964.

MERRIAM, Alan P. The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press, 1964.

MERRIAM, Alan P. Uses and functions. In: MERRIAM, Alan P. The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press, 1964. p. 209-227.

MERRIAM, Alan P. Uses and functions. In: MERRIAM, Alan P. The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press, 1964. p. 209-227.

MERRIAM, Alan P. Uses and functions. In: MERRIAM, Alan P. The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press, 1964. p. 209-227.

MERRIAM, Alan. P. Capítulos 1 e 2. The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press, 1964.

MERRIAN, Allan P. Ethnomusicology: discussion and definition of the field. Ethomusicology, vol. 4, n. 3, 1960, pp. 107-114.

Merriman, Lyle C. 1978. Woodwind Research Guide: a selective bibliography of materials pertaining to the literature, development, and acoustics of woodwind instruments. Evanston, Ill.: The Instrumentalist.

Metal and Marginalization, Special Issue, Metal Music Studies 1, no. 3 (forthcoming);

METAL: a headbanger’s journey. Produção e direção de Sam Dunn. A Banger Productions 2006. 1 disco digital versátil (94 min.), DVD, son., color.

Metfessel, Milton E. Phonophotography in Folk Music. Chapel Hill: University of North Carolina Press. 1928

MEYER, Augusto. Guia do Folclore Gaúcho. Rio de Janeiro, Edições de Ouro, 1958.

Meyer, L. B. (1994). Emotion and Meaning in Music. In: Aiello, R. & Sloboda, J.A. Musical Perceptions. New York: Oxford University Press.

Meyer, Leonard B. “Universalism and Relativism in the Study of Ethnic Music.” Ethnomusicology 4:49-54. 1960

MEYER, Leonard B. Chapter 1: Theory. In Emotion and Meaning. Chicago: University of Chicago Press, 1956.

MEYER, Leonard B. Chapter 2: Expectation and learning. In Emotion and Meaning. Chicago: University of Chicago Press, 1956.

Meyer, Leonard B. Emotion and Meaning in Music. Chicago: University of Chicago Press. 1956

Meyer, Leonard B. Music, the Arts, and Ideas: Patterns and Predictions in Twentieth-Century Culture. Chicago: University of Chicago Press. 1967

Meyer, Leonard. 1956. Emotion and Meaning in Music. Chicago: University of Chicago Press.

Meyer, Leonard. 1967. Music, the Arts and Ideas. Chicago: University of Chicago Press.

MEYERS, Helen. 1992. Ethnomusicology: An Introduction. New York: W. W. Norton.

Meyers, Helen. Chapter I – Ethnomusicology. In Ethnomusicology: an introduction. New York, London: W. W. Norton. pp. 3-18.

MEYERS, Helen. Fieldwork. in Helen Myers (Hg.): Ethnomusicology. An Introduction. London: Macmillan 1992, S. 21-49

MICHELS, Ulrich (1992) Atlas de Música 2. Versión española de Rafael Banús. Madrid: Alianza Editorial.

MIDDLETON, Richard. Reading Pop: approches to textual analisys in popular music. Oxford: USA Professional, 2000.

MIDDLETON, Richard. Studying Popular Music. Philadelphia: Open University Press, 1990.

MIDDLETON, Richard. Studying Popular Music. Philadelphia: Open University Press, 1990.

MIDDLETON, Richard. Voicing the popular: on the subjects of popular music. New york, London: Routledge, 2006.

MINDLIN, Betty e Narradores Suruí Paiter. Vozes da Origem. RJ: Record, 2007.

MIRABEAU. Obras eróticas. São Paulo. Brasiliense, 1987.

MIRAGLIA, Daniel Antonio. Analisis de la relación entre musica y lenguaje.

Mitchell, Frank Navajo Blessingway Singer…. ed. Charlotte Frisbie and David P. McAllester. Tucson: University of Arizona Press. 1978

MOISES NETO. Análise da dissertação de Daniel Sharp sobre a Nova Cena Recifense.

MOLINO, Jean. Analyser: epistemologia, método, reflexão. Tradução da Associação de Cultura Franco Brasileira Alliance Française de Londrina. Disponível em http://adriano_gado.sites.uol.com.br/index.htm. Acesso em 28/07/2004.

MOLINO, Jean. Facto musical e semiologia da música. In NATTIEZ, J. J. et al. Semiologia da música. Lisboa: Veja, [ca. 1975]. p. 109-164.

MOLINO, Jean. Facto Musical e Semiologia da Música. In Nattiez, J. J. et alli, Semiologia da Música. Lisboa: Veja, [ca. 1975], p. 109-64.

MONTAIGNE, Michel de. Dos Canibais. In: Ensaios. São Paulo. Abril Cultural, coleção Os Pensadores, 1972.

MONTANDON, M. I. O piano como instrumento complementar na formação do músico profissional: um projeto de material pedagógico. Tônica: revista do departamento de música da UnB, Brasília, v. 1, p. 31-38, 2005.

MONTECUOLLO, G.A.de Cavazzi de. OFM.Cap. Descrição Histórica dos Três Reinos do Congo, Matamba e Angola. 2 Vol. Lisboa, Junta de Investigações de Ultramar, 1965.

MOORE, Allan F. (2004) Rock: The primary text: Developing a musicology of rock. Ashgate Publishing Limited.

MOORE, Allan F. (ed.). Analyzing Popular Music. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

MOORE, Ryan. Alternative to what? Subcultural capital and the commercialization of a music scene. Deviant Behavior. Londres, v.26, n.3, p.229- 252. Mai-jun. 2005

MOORE, Ryan. Sells like teen spirit: Music, Youth Culture, and Social Crisis. NYU Press. 2010

MOORE, Ryan. The Unmaking of the English Working Class: Deindustrialization, Reification and the Origins of Heavy Metal. In: BAYER, Gerd (ed.) Heavy Metal Music in Britain. Farnham (ING): Ashgate, 2009. 201 p.

MOORE, W. (Ed.). Construtivismo del movimiento educacional: soluciones. Córdoba, AR: [s.n.], 1960. p. 309-340.

MORAES FILHO, Melo. Festas e Tradições Populares do Brasil. Prefácio de Sílvio Romero; desenhos de Flumen Junius. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2002.

MORAES, Geraldo Dutra de. Música Barroca Mineira. São Paulo, Conselho Regional de Farmácia, 1975.

MORAIS FILHO, Mello. et alii. Bailes Pastoris na Bahia. Salvador, Livr.Progresso Ed., 1957.

MORAIS FILHO, Melo. Os Ciganos no Brasil e Cancioneiro dos Ciganos. Belo Horizonte, Ed.Itatiaia/USP, l981.

MORAN, Dermot. 2000. Introduction to Phenomenology. New York and London: Routledge.

Moran, Dermot. 2000. Introduction to Phenomenology. New York London: Routledge.

Morcillo, Juan Garcia, ed. 1995. Catálogos de Compositores. 23 vol. Madrid: SGAE.

MOREIRA, Gil Antônio.Pe. Semana Santa em Itapecerica. Itapecerica, Paroquia de S.Bento,1997.

MOREIRA, José Gledson da Silva. Headbangers na Igreja: O nascimento da cena do Metal Cristão na cidade de Fortaleza com a chegada do CMF (Christian Metal Force) 1999/2001. Quixadá, 2013. 59p. Monografia (Licenciatura Plena em História). Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central (FECLESC), Universidade Estadual do Ceará (UECE).

MOREIRA, Marcos dos Santos. Aspectos históricos, sociais e pedagógicos nas filarmônicas do Divino e Nossa Senhora da Conceição, do Estado de Sergipe.. Dissertação (Mestrado em Educação Musical)–Escola de Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

Moreno, J. L. (1995). Psicologia de la musica e educacion musical. Madrid: Visor.

MORITA, La; ZANIN, Fabiano. Misterios del flamenco. Estudio Pró Clínica, 2002. 1 CD.

MORO, Mirella M. Como Escrever Monografias. Departamento de Ciência da Computação, ICEx, UFMG. mirella@dcc.ufmg.br.

Moser, Hans Joachim Die Musik der deutschen Stämme. Vienna: E. Wancura. 1954

Mota, Graça. 2003. “Pesquisa e Formação em Educação Musical”. Revista da ABEM 8.

MOTA, Leonardo. Adagiário Brasileiro. Fortaleza, Ed.UFC., 1982.

MOTA, Leonardo. Cantadores. 2ªEd. Rio de Janeiro, Ed. A Noite, 1953.

MOTTA, Nelson. Noites tropicais: solos, improvisos e memórias musicais. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

MOURA Clóvis. História do Negro Brasileiro. São Paulo, Ed.Ática, 1989.

MOURA, Ieda Camargo De; BOSCARDIN, Maria Tereza T; ZAGONEL, Bernadete. Musicalizando crianças: Teoria e prática de educação musical. 2ª ed. São Paulo: Ática, 1996.

MOURA, Ieda Camargo De; BOSCARDIN, Maria Tereza T; ZAGONEL, Bernadete. Musicalizando crianças: Teoria e prática de educação musical. 2ª ed. São Paulo: Ática, 1996.

MOYNIHAM, Michael e SODERLIND, Didrik. Lords of chaos : the bloody rise of the satanic metal underground. Feral House,1997.

MOYNIHAN, M. e SODERLIND, D. Lords of chaos. Los Angeles: feral house. 1998.

MP3 01 MP3 02

MUDRIAN, Albert. Precious Metal. Decibel Presents the Stories Behind 25 Extreme Metal Masterpieces. Philadelphia: Da Capo Press, 2009.

Mueller, John H. The American Symphony Orchestra: A Social History of Musical Taste. Bloomington: Indiana University Press. 1951

MUGGIATI, R. Rock: Da utopia à incerteza (1967-1984). São Paulo: Brasiliense, 1985.

MUGGIATI, Roberto. História do Rock. São Paulo: Editora Três, 1983. 4v.

MUGGIATI, Roberto. O Grito e o Mito. Petrópolis: Vozes, 1973.

MUGGLETON, David; WEINZIERL, Rupert. The post-subcultures reader. 1 ed. Oxford: Berg, 2003.

Muggleton, David. 2002. Inside Subculture: The Postmodern Meaning of Style. Oxford: Berg.

MUGGLETON, David. Inside Subculture: The Postmodern Meaning of Style. 2 ed. Oxford: Berg, 2002.

MULAGO, Vicente. Simbolismo Religioso Africano. Madri, Biblioteca de Autores Cristianos/EDICA, 1979.

MULLER, Vânia B. Ações sociais em educação musical: com que ética, para qual mundo? Revista da ABEM, Porto Alegre, n. 10, p. 53-58, 2004.

MULTHAUPT, Hermann e PRÉGARDIER, Elisabeth.(Org). Nican Mopohua, A Virgem De Guadalupe. São Paulo, Edicoes Loyola, l989.

MÜNSTERER, Hanns Otto. Amulettkreuze und Kreuzamulette. Regensburg, Verl.Friedr.Pustet, 1983.

Murdock, George Peter “How Culture Changes.” In H. L. Shapiro, ed., Man, Culture and Sociery. New York: Oxford University Press, pp.247-60. 1956

MURPHY, John P. Self-discovery in Brazilian popular music: Mestre Ambrósio. In: PERRONE, Charles A.; DUNN, Christopher (Ed.). Brazilian Popular Music and Globalization. Gainesville: University Press of Florida, 2001, p. 245-257.

MURUGA, Mariela Norma. Rede Cultural no espaço cidadão: interações e conexões para a democratização do acesso à arte e cultura no Distrito Federal. Dissertação (mestrado) Universidade de Brasília, Programa de Pós-Graduação em Arte, 2014.

Museu da Imagem e do Som. 1992. As Cantoras do Rádio: 50 anos de som e imagem da MPB. São Paulo: Museu da Imagem e do Som.

MÚSICA ANTIGA DA UFF. Medievo-Nordeste: cantigas e romances. Rio de Janeiro: UFF, 2004. 1 CD (53:54 min.): digital, estéreo.

MÚSICA eletroacústica no Brasil. Direção de Antenor Corrêa. São Paulo: Unicamp, 2008.

MUSICA enchiriadis. Tradução de Raymond Erickson. Yale: Yale University Press, 1995.

MÚSICA para a Escola Elementar. Vários Autores. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, 1962.

MÚSICA para a Escola Elementar. Vários Autores. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, 1962.

MUSTAINE, Dave, LAYDEN, Joe. Mustaine: memórias do Heavy Metal. São Paulo: Benvirá, 2013. Tradução Marcelo Barbão.

MYERS, Helen (Edit.). Ethnomusicology: historical e regional studies. London: The Macmillan Press, 1992.

Nacional, 1958.

Nadel, Siegfried “The Origins of Music.” MQ 16:531-46. 1930

NAKAMURA, Sandra. Machinassiah: heavy metal, alienação e crítica na cultura de massa. São Dissertação (mestrado), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2009.

NARITA, F. M.; AZEVEDO, M. C. C. C. ; GROSSI, C. ; MONTANDON, M.I. . Las TIC en Educación Musical / ICT and Music Education. In: XIII Congreso de Informática en la Educación, 2009, Havana. Informática 2009, 2009.

NARITA, F. M.; AZEVEDO, M. C. C. C. . Criação musical e cultura infantil: possibilidades e limites no ensino e aprendizagem da música. In: IV Simpósio de Cognição e Artes Musicais – SIMCAM4, 2008, São Paulo. Anais do IV Simpósio de Cognição e Artes Musicais, 2008.

NARITA, F. M.; GREEN, L. . Informal Learning as a Catalyst for Social Justice in Music Education. In: Cathy Benedict; Patrick Schmidt; Gary Spruce; Paul Woodford. (Org.). The Oxford Handbook of Social Justice in Music Education. 1ed.: Oxford University Press, 2015, v. , p. 380-400.

NARITA, F. M.; PASSOS, C. O. ; ANTUNES, L. R. . Música na Escola Integral: um projeto de ensino e aprendizagem musical. In: XVII Encontro Nacional da Associação Brasileira de Educação Musical, 2008, São Paulo. XVII Encontro Anual da ABEM: Diversidade musical e compromisso social: O papel da educação musical, 2008.

NARITA, F. M.. A Arte-Educação permeando as áreas de Música, Teatro e Artes Plásticas. In: XIV Congresso da Federação de Arte Educadores do Brasil ? FAEB, 2003, Goiânia. Anais do XIV Congresso da Federação de Arte Educadores do Brasil, 2003.

NARITA, F. M.. A Teoria Espiral como Embasamento do Programa para os Primeiros Anos Escolares (PYP). In: XI Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2002, Natal. Anais do XI Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2002.

NARITA, F. M.. Colaboração virtual: uma prática musical real na modalidade a distância. In: XVIII Congresso Anual da Associação Brasileira de Educação Musical / 15º Simpósio Paranaense de Educação Musical, 2009, Londrina. Anais do XVIII Congresso Nacional da ABEM: O ensino de música na escola: compromisso e possibilidades, 2009.

NARITA, F. M.. Educação Musical em um ambiente multicultural: Qual o conhecimento válido?. In: XIII Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2004, Rio de Janeiro. Anais do XIII Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2004.

NARITA, F. M.. Em busca de uma educação musical libertadora:modos pedagógicos identificados em práticas baseadas na aprendizagem informal. Revista da ABEM, v. 23(35), p. 62-75, 2015.

NARITA, F. M.. Fundamentos do Curso – Música. In: NARITA, F.M.; HOFMANN, T.; GALVÃO, A.C.. (Org.). Licenciaturas a distância: Artes Visuais, Música, Teatro UAB/UnB. Brasília: UnB, 2009, v. , p. 27-47.

NARITA, F. M.. Inter Música: Interação e Colaboração no Acompanhamento do Estudante. In: I Encontro Internacional do Sistema Universidade Aberta do Brasil, 2009, Brasília. Anais do I Encontro Internacional do Sistema Universidade Aberta do Brasil, 2009.

NARITA, F. M.. Licenciatura em Música na Universidade Aberta do Brasil (UAB): educação sem distância?. In: XVII Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2008, São Paulo. XVII Encontro Anual da ABEM: Diversidade musical e compromisso social: O papel da educação musical, 2008.

NARITA, F. M.. Music Education in the Open University of Brazil: informal learning practices. Tehnologii Informatice si de Comunicatie în Domeniul Muzical (ICT in Musical Field), v. 3, p. 43-48, 2012.

NARITA, F. M.. Music teacher education: Teachers? knowledge and collaboration in distance learning. In: 29th International Society for Music Education World Conference, 2010, Pequim. ISME 2010 ? 29th International Society for Music Education World Conference – Proceedings, 2010. p. 162-165.

NARITA, F. M.. Música na educação infantil: formação de professores pesquisadores de suas práticas. In: XV Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2006, João Pessoa. Anais do XV Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2006. p. 479-485.

NARITA, F. M.. Música popular e educação musical ? A popularização da música no currículo. In: X Simpósio Paranaense de Educação Musical, 2004, Londrina. Anais do X Simpósio Paranaense de Educação Musical, 2004.

NARITA, F. M.. Oficina de Criação Musical Infantil: uma viagem musical. In: XVI Encontro Anual da ABEM – Congresso Regional da ISME na América Latina 2007, 2007, Campo Grande. XVI Encontro Anual da ABEM – Congresso Regional da ISME na América Latina 2007. Campo Grande: Editora UFMS, 2007.

NARITA, F. M.. Tutor a distância em música: seu papel na aprendizagem colaborativa e construção da autonomia. In: XIX Congresso Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2010, Goiânia. Anais do XIX Congresso Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2010. v. 19.

NARITA, F. M.. Vivências musicais curriculares e extracurriculares: um trabalho conjunto visando experiências musicais celebradas. In: XIV Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2005, Belo Horizonte. Anais do XIV Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2005.

NARITA, FLÁVIA MOTOYAMA. Informal learning in action: the domains of music teaching and their pedagogic modes. Music Education Research, v. 18, p. 1-13, 2015.

NARITA, FLÁVIA MOTOYAMA. Informal learning in action: the domains of music teaching and their pedagogic modes. Music Education Research, v. 18, p. 1-13, 2015.

Naroll, Raoul, andRonald Cohen, eds. A Handbook of Method in Cultural Anthropology. New York: Columbia University Press. 1973

NASCIMENTO, Francisco Gerardo Cavalcante do. A estética MangueBit: Uma mutação na indústria cultural brasileira na década de 1990. In: Experiências Musicais. Fortaleza: EdUECE, 2008.

NASCIMENTO, JPC. Abordagens do pós-moderno em música: a incredulidade nas metanarrativas e o saber musical contemporâneo [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

NASCIMENTO, Margarida de Carvalho. Anotação da Educação Musical da Bahia. Salvador: VIII Seminários Internacionais de Música da UFBA, VI Semana de Educação Musical da Bahia, 1991.

NASCIMENTO, Margarida de Carvalho. Anotação da Educação Musical da Bahia. Salvador: VIII Seminários Internacionais de Música da UFBA, VI Semana de Educação Musical da Bahia, 1991.

NATTIEZ, J. J. et al. Semiologia da música. Lisboa: Veja, [ca. 1975].

Nattiez, Jean-Jacques “Is a Descriptive Semiotics of Music Possible?” Language Sciences 23:1-7. 1972

Nattiez, Jean-Jacques “Linguistics: A New Approach for Musical Analysis.” International Review of the Aesthetics and Sociology of Music 411:51-68. 1973

Nattiez, Jean-Jacques Fondements d’une simiologie de la musique. Paris: Union generale d’editions. 1975

Nattiez, Jean-Jacques, ed. Semiologie de la musique. Musique en jeu, vol. 5. 1971

NATTIEZ, Jean-Jacques. 1972. Semiologia da Música. Lisboa: Vega.

NATTIEZ, Jean-Jacques. 1990. “Semiologia dos Jogos Vocais Inuit”. Art (Revista da Escola de Música e Artes Cênicas da UFBA). N° 17 (agosto). Joselice Macedo, trad. Salvador: Universidade Federal da Bahia. Pp.133-36.

NATTIEZ, Jean-Jacques. El pensamiento estético de Hanslick: ensayo de análisis semiológico tripartito. Este artículo es análogo, con muy ligeras variantes debidas a su publicación como texto independiente, a “Hanslick ou les apories de l’immanence” capítulo III de Le combat de Chronos e díOrphée, Paris, Christian Bourgois Éditeur, 1993. Traducción de Mario Stern.

NATTIEZ, Jean-Jacques. O desconforto da musicologia. Tradução de Luis Paulo Sampaio. Per Musi, Revista Acadêmica de Música, n.11, 136 p. jan, jun, 2005.

Naumann, Hans Primitive Gemeinschaftskultur. Jena: E. Diederichs. 1921

NAVES, P. Lagos andinos dão banho de beleza. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 jun. 1999. Folha Turismo, Caderno 8, p. 13.

NAVES, Santuza Cambraia et aly. Levantamento e comentário crítico de estudos acadêmicos sobre música popular no Brasil. Publicado em ANPOCS bib – Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais 51, São Paulo, 1o. semestre de 2001.

NAVES, Santuza Cambraia; COELHO, Frederico Oliveira; BACAL, Tatiana; MEDEIROS, Thais. Levantamento e comentário crítico de estudos acadêmicos sobre música popular no Brasil. ANPOCS bib – Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais 51, São Paulo, 1 o . semestre de 2001.

NEDER, Álvaro. MPB: identidade, intertextualidade e contradição no discurso musical. Revista Brasileira de Estudos da Canção, n. 1, jan.-jun., 2012. . Acesso em: 21 mai. 2012.

Nem tudo o que parece é: entenda o que é plágio. Cartilha sobre Direitos Autorais, Convenção Universal Lei de Direitos Autorais / Constituição. Comissão de casos de autoria (2008-2010), do Departamento de comunicação social – Instituto de Arte e Comunicação Social (IACS), Universidade Federal Fluminense.

NETO, Moisés (s.d.), “Chico Science, Zeroquatro & Faces do Subúrbio: A cena recifense”, http://www.moisesneto.com.br/sciencezeroquatrofaces.. Accesso em 20/09/2009.

NETTL, Bruno “A Technique of Ethnomusicology Applied to Western Culture.” Ethnomusicology 7:221-24. 1963

NETTL, Bruno “Aspects of Folk Music in North American Cities.” In Music in the Americas. The Hague: Mouton, pp. 139-47. 1967a

NETTL, Bruno “Blackfoot Music in Browning, 1965: Functions and Analysis.” In Festschrift Walter Wiora. Kassel: Bärenreiter, pp. 593-98. 1967b

NETTL, Bruno “Historical Aspects of Ethnomusicology.” AA 60:518-32. 1958a

NETTL, Bruno “Infant Musical Development and Primitive Music.” Southwestern Journal of Anthropology 12:87-91. 1956a

NETTL, Bruno “Musical Areas Reconsidered.” In Essays in Musicology in Honor of Dragan Plamenac. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, pp. 181-90. 1969

NETTL, Bruno “Musical Cartography and the Distribution of Music.” Southwestern Journal of Anthropology 16:338-47. 1960

NETTL, Bruno “Musical Values and Social Values: Symbols in Iran.” Journal of the Steward Anthropological Society 1:1-23. 1978b

NETTL, Bruno “Notes on Infant Musical Development.” MQ 42:28-34. 1956c

NETTL, Bruno “Nour-Ali Boroumand, a Twentieth-Century Master of Persian Music.” Studia Instrumentorum Musicae Popularis 3: 167-71. 1974a

NETTL, Bruno “Polyphony in North American Indian Music.” MQ 47: 354-62. 1961

NETTL, Bruno “Some Aspects of the History of World Music in the Twentieth Century: Questions, Problems, Concepts.” Ethnomusicology 22:123-36. 1978c

NETTL, Bruno “Some Linguistic Approaches to Musical Analysis.” Journal of the IFMC 10:37-41. 1958b

NETTL, Bruno “Studies in Blackfoot Indian Musical Culture,” pts. I and II. Ethnomusicology 11:141-60, 293-309. 1967c

NETTL, Bruno “Studies in Blackfoot Indian Musical Culture,” pts. III and IV. Ethnomusicology 12:11-48, 192-207. 1968

NETTL, Bruno “Text-Music Relations in Arapaho Songs.” Southwestern Journal of Anthropology 10:192-99. 1954b

NETTL, Bruno “The Hymns of the Amish: An Example of Marginal Survival.” JAF 70:323-28. 1957

NETTL, Bruno “The Songs of Ishi.” MQ 51 :460-77. 1965

NETTL, Bruno “Thoughts on Improvisation, a Comparative Approach.” MQ 60:1-19. 1974b

NETTL, Bruno “Unifying Factors in Folk and Primitive Music.” JAMS 9: 196-201. 1956d

NETTL, Bruno e Philip V. Bohlman, ed. 1991. Comparative Musicology and Anthropology of Music: Essays on the History of Ethnomusicology. Chicago: The University of Chicago Press.

NETTL, Bruno et al. Excursion in world music. 2. ed. New Jersey: Prentice Hall, 1997.

NETTL, Bruno Folk Music in the United States, an Introduction. Rev. and expanded, ed. by Helen Myers. Detroit: Wayne State University Press. 1976

NETTL, Bruno Music in Primitive Culture. Cambridge, Mass.: Harvard University Press. 1956b

NETTL, Bruno North American Indian Musical Styles. Philadelphia: American Folklore Society. 1954a

NETTL, Bruno Theory and Method in Ethnomusicology. New York: Free Press. 1964

NETTL, Bruno, and Bela Foltin, Jr. Daramad of Chahargah, a Study in the Performance Practice of Persian Music. Detroit: Information Coordinators. 1972

NETTL, Bruno, and Ronald Riddle “Taqsim Nahawand, a Study of Sixteen Performances by Jihad Racy.” Yearbook of the IFMC 5:11-50. 1974

NETTL, Bruno, ed. Eight Urban Musical Cultures; Tradition and Change. Urbana: University of Illinois Press. 1978a

NETTL, Bruno. 1964. Theory and Method in Ethnomusicology. Free Press.

NETTL, Bruno. 1973. Música Folclórica y Tradicional de Los Continentes Occidentales. Miren Rahm, trad. Madrid: Allianza.

NETTL, Bruno. 1983. The Study of Ethnomusicology : twenty-nine issues and concepts. Urbana: University Illinois Press.

NETTL, Bruno. 1983. The Study of Ethnomusicology: Twenty-Nine Issues and Concepts. Urbana: University Illinois Press.

NETTL, Bruno. Foreword. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. v-x.

NETTL, Bruno. I can’t say a thing until I’ve seen the score: transcription. In: NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: thirty-one issues ad concepts. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 2005. p. 74-91.

NETTL, Bruno. Music education and ethnomusicology: a (usually) Harmonious Relationship. Min-Ad: Israel Studies in Musicology Online, v. 8, n. I e II, 2010. Disponível em <>. Acessado em: 12 out. 2012.

NETTL, Bruno. Music education and ethnomusicology: a (usually) Harmonious Relationship. Min-Ad: Israel Studies in Musicology Online, v. 8, n. I e II, 2010. Disponível em <>. Acessado em: 12 out. 2012.

NETTL, Bruno. Music education and ethnomusicology: a (usually) Harmonious Relationship. Min-Ad: Israel Studies in Musicology Online, v. 8, n. I e II, 2010. Disponível em http://www.biu.ac.il/hu/mu/min-ad/10/01-Bruno-Nettl.pdf. Acessado em: 12 out. 2012.

NETTL, Bruno. Music Education and Ethnomusicology: A (usually) Harmonious Relationship. Min­Ad: Israel Studies in Musicology Online

NETTL, Bruno. Music hath charms: uses and functions. In: NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: thirty-one issues ad concepts. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 2005. p. 244-258.

NETTL, Bruno. Music hath charms: uses and functions. In: NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: thirty-one issues ad concepts. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 2005. p. 244-258.

NETTL, Bruno. Música in: The New Grove Dictionary of Music and Musicians. Oxford University Press, 2003. tradução: Prof. Ricardo Mazzini Bordini.

NETTL, Bruno. O Estudo Comparativo da Mudança Musical: Estudos de Caso de Quatro Culturas. Revista ANTHROPOLÓGICAS, ano 10, volume 17(1): 11-34 (2006).

NETTL, Bruno. Relating the present to the past Thoughts on the study of musical change and culture change in ethnomusicology.

NETTL, Bruno. Relating the present to the past: thoughts on the study of musical change and culture change in ethnomusicology. Music & Anthropology n. 1, 1996. Disponível em <>. Acessado em: 23 ago. 2015.

NETTL, Bruno. The harmless drudge: defining ethnomusicology. In: NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: thirty-one issues ad concepts. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 2005. p. 3-15.

NETTL, Bruno. The Seminal Eighties: A North American Perspective of the Beginnings of Musicology and Ethnomusicology.

NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: thirty-one issues ad concepts. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 2005.

NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: Thirty-one issues and concepts. 2. ed. Urbana: University of Illinois Press, 2005.

NETTL, Bruno. The Study of ethnomusicology: thirty-one issues and concepts. 2. ed. Urbana: University of Illinois Press, 2005.

NETTL, Bruno. Theory and method in ethnomusicology. New York: Schirmer Books, 1964.

NETTL, Bruno. You call that fieldwork? Redefining the “field”. In: NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: thirty-one issues ad concepts. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 2005. p. 184-196.

NETTL, Bruno. You will never understand this music: insiders and outsiders. In: NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: thirty-one issues ad concepts. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 2005. p. 149-160.

NETTL, Bruno.The continuity of change: on people changing their music. In: NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: thirty-one issues ad concepts. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 2005. p. 272-290.

NETTL, Bruno.The continuity of change: on people changing their music. In: NETTL, Bruno. The Study of Ethnomusicology: thirty-one issues ad concepts. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 2005. p. 272-290.

Neuman, Daniel M. “The Social Organization of a Music Tradition: Hereditary Specialists in North India.” Ethnomusicology 21 :233-46. 1977

Neuman, Daniel M. The Life of Music in North India. Detroit: Wayne State University Press. 1980

NEVES, Cândido das; CEARENSE, Catulo da Paixão. Nova história da música popular brasileira. São Paulo: Abril Cultural, 1978. 1 disco: 33 13 RPM, microssulco, estéreo. 60369310 HMPB-42.

NEVES, Ezequiel. Barão Vermelho: Por que a gente é assim. São Paulo. Editora Globo. 2007.

NEVES, José Luis. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, V. 1, N. 3, 2. Semestre, 1996.

Neves, José Maria, org. 1997. Catálogo de Obras: música sacra mineira. Rio de Janeiro: Funarte.

NEVES, Zanoni. Os Remeiros do São Francisco: Trabalho e posição Social. Dissertação de Mestrado. Campinas, Unicamp, 1991.

NEWCOMB Anthony, Those Images that Yet Fresh Images Beget, Journal of Musicology 3 (1983), ss. 227-45.

NICOLAU, Marieta Lúcia M. A educação artística da criança: plástica e música, fundamentos e atividades. 5ª ed. São Paulo: Ática, 2004.

NICOLAU, Marieta Lúcia M. A educação artística da criança: plástica e música, fundamentos e atividades. 5ª ed. São Paulo: Ática, 2004.

Nketia, J. H. Kwabena “The Problem of Meaning in African Music.” Ethnomusicology 6:1-7. 1962

Nketia, J. H. Kwabena The Music of Africa. New York: Norton. 1974

Nketia, J. H. Kwabena. “The Problem of Meaning in African Music.” Ethnomusicology, Vol. 6 (1971): 1–7.

Nketia, J. H. Kwabena. 1971. “The Problem of Meaning in African Music.” Ethnomusicology 6:1–7.

Nketia, J. H. Kwabena. 1984. “The Aesthetic Dimension in Ethnomusicological Studies.” The World of Music 26 (1): 3–24.

Nocturnum, Corvis. 2005. Embracing The Darkness: Understanding Dark Subcultures. Indiana: Dark Moon Press.

NOGUEIRA, Alessandra Cabral. Pontos de cultura, particularidades na gestão?: um estudo na primeira capital brasileira da cultura. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Ciências Administrativas, 2007.

Nogueira, I. (1997). O modelo da educação musical no brasil: Um drama em três atos incongruentes. Revista da ABEM, 4. Associação Brasileira de Educação Musical.

NOGUEIRA, J.C. de Ataliba. Santo Antônio na Tradição Brasileira. São Paulo, Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais, 1933.

NOGUEIRA, João Robson Fernandes. Mediações entre cultura, informação e política: refelexões sobre o Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania – Cultura Viva. Dissertação (mestrado) Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações e Artes, 2014.

Nohl, Ludwig Life of Haydn. Trans. Geo. P. Upton. Chicago: Jansen, McClurg. 1883

NOLETO, Rafael da Silva. Poderosas, divinas e maravilhosas: o imaginário e a sociabilidade homossexual masculina construídos em torno das cantoras de MPB. Dissertação (mestrado), Universidade Federal do Pará, Departamento de Antropologia, 2012.

NOURMAND, Tony; MARSH, Graham. Film posters: exploitation. Colônia. Evergreen, 2005.

NUNES, Ariel F. Articulações entre ponteiros, sociedade e política pública cultural: uma abordagem antropológica dos pontos de cultura.

NUNES, Ariel F. Por um “do-in antropológico” – Pontos de Cultura e os novos paradigmas nas políticas públicas culturais. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Goiás, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, 2012.

NUNES, Ariel. Pontos de cultura e os novos paradigmas das políticas públicas culturais: reflexões macro e micropolíticas. II Seminário Internacional Políticas Culturais, Fundação Casa Rui Barbosa, 2011.

NUNES, Tony Ramires Aguiar. “Bem-vindo ao inferno”: Juventude, música e estética em Fortaleza na década de 1990. Monografia (Licenciatura Plena em História), Universidade Estadual do Ceará, 2012.

O’ CONNOR, Alan (2002). Local scenes and dangerous crossroads: punk and theories of cultural hybridity. Popular Music, 21,pp 225-236 doi:10.1017/S0261143002002143

O’CONNOR, Alan. 2002. ‘Local Scenes and dangerous Crossroads: Punk and Theories of Cultural Hybridity’. Popular Music 21 (2): 225-36.

Obata, Juichi, and Ryuji Kobayashi “A Direct-Reading Pitch Recorder and Its Application to Music and Speech.” Journal of the Acoustic Society of America 9:156-61. 1937

OCTAVIO, Rodrigo. Festas Nacionaes. Rio de Janeiro: F. Briguiet, 1893.

Okeley, Judith. “Anthropology and Autobiography: Participatory Experience and Embodied Knowledge.” In Anthropology and Autobiography, editado por Judith Okeley and Helen Callaway, 1–28. London: Routledge, 1992.

Okeley, Judith. 1992. “Anthropology and Autobiography: Participatory Experience and Embodied Knowledge.” In Anthropology and Autobiography, edited by Judith Okeley and Helen Callaway, 1–28. London: Routledge.

OLING, Bert. Enciclopédia dos Instrumentos Musicais. 2004.

OLIVEIRA JÚNIOR, Marcos Vinicius de. Do Underground ao Mainstream: uma etnografia do Heavy Metal em Brasília. Monografia de Graduação. Brasília: UnB, 2011.

OLIVEIRA PINTO, Tiago de. Ruídos, timbres, escalas e ritmos: sobre o estudo da música brasileira e dos som tradicional. Revista USP, São Paulo, n. 77, maio, 2008. Disponível em <>. Acessado em: 08 out. 2012.

OLIVEIRA PINTO, Tiago de. Ruídos, timbres, escalas e ritmos: sobre o estudo da música brasileira e dos som tradicional. Revista USP, São Paulo, n. 77, maio, 2008. Disponível em http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-99892008000200009&lng=pt&nrm=iso. Acessado em: 08 out. 2012.

OLIVEIRA PINTO, Tiago de. Som e música. Questões de uma antropologia sonora. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 44, n. 1, 2001. Disponível em <>. Acessado em: 08 out. 2012.

OLIVEIRA PINTO, Tiago de. Som e música. Questões de uma antropologia sonora. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 44, n. 1, 2001. Disponível em <>. Acessado em: 08 out. 2012.

OLIVEIRA PINTO, Tiago de. Som e música. Questões de uma antropologia sonora. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 44, n. 1, 2001. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77012001000100007&lng=en&nrm=iso . Acessado em: 08 out. 2012.

Oliveira, A. (1993). Fundamentos da Educação Musical. Fundamentos da Educação Musical, 1. Associação Brasileira de Educação Musical.

Oliveira, A. (1995). Currículo ALLI para o ensino da música na escola de 1º grau. Anais do 4º Simpósio Paranaense de Educação Musical. Londrina: UEL.

Oliveira, A. (1996). A pesquisa em psicologia da música. Anais do 5º Encontro Anual da ABEM e 5º Simpósio Paranaense de Educação Musical. Londrina: UEL.

Oliveira, A. Fundamentos da Educação Musical, Revista da ABEM, 07, Vol.02, n. º 03, Salvador: ABEM, 1993.

OLIVEIRA, A.R. de. et allii. A Religião do Povo. Curitiba, Studium Teologicum, PUCPN, 1976.

OLIVEIRA, Alda de Jesus. 2001. Música na Escola Brasileira. Porto Alegre: ABEM.

Oliveira, Alda de Jesus. Música na Escola Brasileira. Porto Alegre: Associação Brasileira de Educação Musical – ABEM, 2001.

OLIVEIRA, Alda de Jesus. Música na Escola Brasileira. Porto Alegre: Associação Brasileira de Educação Musical – ABEM, 2001.

Oliveira, Alda de Jesus. Passeio no zoológico. Salvador: Solisluna, 2003. 32 p.

OLIVEIRA, Alda de Jesus. Passeio no zoológico. Salvador: Solisluna, 2003. 32 p.

Oliveira, Alda de Jesus. Tempo de tocar. 1991.

OLIVEIRA, Alda de Jesus. Tempo de tocar. 1991.

Oliveira, Alda. Informação na educação musical. Revista de música da UFBA. Salvador: UFBA, 1998.

OLIVEIRA, Cassiano Francisco Scherner de. O criticismo do rock brasileiro no jornalismo de revista especializado em som, música e juventude: da Rolling Stone (1972-1973) à Bizz (1985-2001). Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Faculdade de Comunicação Social, PUCRS, 2011.

OLIVEIRA, Cristiano Lessa de. Pesquisa Qualitativa. Um apanhado teórico-conceitual sobre a pesquisa qualitativa: tipos, técnicas e características. Travessias, 4. ed. Educação, Cultura, Linguagem e Arte.

Oliveira, J. (1994). A educação musical no Brasil: Primevos e postrídios. Anais do 3º Simpósio Paranaense de Educação Musical. Londrina: UEL.

OLIVEIRA, M. C.; MAGALHÃES-CASTRO, Beatriz. Os negócios da música e a música dos negócios: o sistema pague o quanto quiser utilizado no lançamento do álbum In Rainbows do Radiohead no contexto dos novos modelos de negócios da música em ambiente Web 2.0. In: Encontro de Música e Mídia, 6., 2010, São Paulo. Anais. . . São Paulo: USP-MUSIMID, 2010.

OLIVEIRA, Olga Xavier. Teoria musical para criança. 7ª ed., São Paulo: Irmãos Vitale, 1960.

OLIVEIRA, Olga Xavier. Teoria musical para criança. 7ª ed., São Paulo: Irmãos Vitale, 1960.

OLIVEN, Ruben George. Violência e Cultura no Brasil. 4ªEd. Petrópolis, Vozes, 1989.

Olsvai, I. “Typical Variations, Typical Correlations, Central Motifs in Hungarian Folk Music.” Studia Musicologica 4:37-70. 1963

OLUM, Karl-Otto; DRABKIN, William. Towards a methodology for schenkerian analysis. Music Analysis, vol. 7, n. 2, p. 143-164, Jul., 1988. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2012.

ORLANDI, Eni P. Analise do Discurso: Principios e Procedimentos. Campinas: Pontes, 2000.

ORNELAS, P. Rock Underground: uma etnografia do rock alternativo. São Paulo: Radical Livros, 2007.

Osgood, Charles E. , and others Cross-Cultural Universals of Affective Meanings. Urbana: University of Illinois Press. 1975

Owens, Thomas “Charlie Parker: Techniques of Improvisation.” Dissertation, UCLA. 1974

PACHECO, Caroline B. Aulas de música significativas e envolventes: um estudo de caso de aulas da primeira série do ensino fundamental. Monografia (Especialização em Educação Musical)–Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Curitiba, 2006.

PACHECO, José. Aprender em comunidade. São Paulo: Edições SM, 2014.

PACHECO, José. Dicionario de Valores. São Paulo: Edições SM, 2012.

PACHECO, Leornardo T. “Som de Macho”: uma reflexão sobre identidade, masculinidade e alteridade entre os headbangers. Texto apresentado ao GT Gênero e Juventude, UFMG, s.d.

PAIXÃO, Cleiton Daniel Alvaredo. De Vargas a Lula: os (des) usos da política cultural no Brasil. Dissertação (mestrado) Universidade Estadual Paulista, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, 2013.

PALHA, Elisa. Gritos do Inferno: estética sonora e visual do Heavy Metal. Monografia de bacharelado em Comunicação Social, PUC. Rio de Janeiro, 2005

PALISCA, Claude e BENT, Ian. Theory, theorists (verbete). New Grove.

PALISCA, Claude V. Teoria, teóricos. Traduzido para português. The New Grove Dictionary of Music Online L. Macy ed. (Acessado em 22 de Agosto de 2004), http://www.grovemusic.com

PALMER, Robert. The church of the sonic guitar. In: Present tense: rock & roll and culture. London: Duke University Press, 1992. Edited by Anthony DeCurtis.

PALOMBINI, Carlos. 2002. “Rainforest Soundwalks: Ambiences of Bosavi, Papua New Guinea : comentários sobre o CD do antropólogo Steven Feld”. Eunomios, disponível em http://www.eunomios.org/contrib/palombini3/palombini3.html [Acessado em 10 de junho de 2002]

PALOMBINI, Carlos. O jagunço da alta classe média brasileira gosta de Chopin. Revista Eletrônica de Musicologia, Vol. 5, no. 1, Junho de 2000, Departamento de Artes da UFPr.

Panigel, Armand, dir. 1949. L’ouvre de Fréderic Chopin. Paris: Editions de la revue disques.

PAREJO, Enny. Iniciação e sensibilização musical pré-escolar: um projeto para a educação musical infantil.

PAREJO, Enny. Iniciação e sensibilização musical pré-escolar: um projeto para a educação musical infantil.

PARTIDO DOS TRABALHADORES. A Imaginação a serviço do Brasil: Programa de PolÌticas Públicas de Cultura. São Paulo: PT, 2002.

Pascall, Robert. 2002. “Style.” In Grove Music OnLine, edited by Laura Macy. Macmillan Publishers. Disponível em www.grovemusic.com, ultimo acesso em outubro de 2005.

PAULA, Juarez de. Desenvolvimento local: como fazer? Brasília: SEBRAE, 2008.

Paynter, J. (1991). Oir, aquí y ahora. Buenos Aires: Ricordi. Traduccion de J. Schultis.

PAZ, Ermelinda A. Um estudo sobre as correntes pedagógico-musicais brasileiras. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1993.

PAZ, Ermelinda A. Um estudo sobre as correntes pedagógico-musicais brasileiras. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1993.

PAZANO, Letícia. Noções de Pedagogia: didática geral e elementos da educação musical. 2ª ed. São Paulo: Record, 1965.

PAZANO, Letícia. Noções de Pedagogia: didática geral e elementos da educação musical. 2ª ed. São Paulo: Record, 1965.

PDF

PEDROSO, Julio César; MARTINS, Carlos José. Pontos de Cultura enquanto movimento social: uma pesquisa netnográfica. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, E-compós, Brasília, v.16, n.2, maio/ago. 2013.

PEDROSO, Júlio César. Desenvolvimento e tecnologia nos movimentos sociais: um estudo sobre a cultura digital e os pontos de cultura. Dissertação (mestrado) Universidade Estadual Paulista, Programa em Desenvolvimento Humano e Tecnologias, 2013.

PEIXOTO, Afrânio. Breviário da Bahia.(2aEdição) Rio de Janeiro, Ed.Livr.Agir, 1946.

Pelinski, Ramon La musique des Inuit du Caribou. Montreal: Les Presses de l’Universite de Montreal. 1981

Pelto, Pert ti J. and Gretel H. “Ethnography: The Fieldwork Enterprise.” In J. Honigmann, ed., Handbook of Social and Cultural Anthropology. Chicago: Rand McNally, pp. 241-88. 1973

Penna, M. (1990). Reavaliações e Buscas em Musicalização. São Paulo: Loyola.

Penna, M. (1995). Ensino de música: para além das fronteiras do conservatório. In Peregrino, Y. R. (coord.), Da camiseta ao museu. João Pessoa: Editora Universitária UFPB.

Penna, M. (1995). Revendo Orff: Por uma reapropriação de suas contribuições. In Pimentel, L. G. (org.), Som, gesto, forma e cor: Dimensões da arte e seu ensino. Belo Horizonte: C/Arte.

Penna, M. (org.). (1998). Os parâmetros curriculares nacionais e as concepções de arte. Grupo de Estudos do Departamento de Artes da UFPB. Paraíba: Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFPB.

Penna, M. (org.). (1998). Os parâmetros curriculares nacionais e as concepções de arte. Grupo de Estudos do Departamento de Artes da UFPB. Paraíba: Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFPB.

PENNA, Maura . Estágio na escola de educação básica: algumas reflexões. In: Encontro Regional Nordeste da ABEM, 11., 2012, Fortaleza. Caderno de Resumos. Fortaleza: UFC, 2012. p. 41.

PENNA, Maura. Construindo o primeiro projeto de pesquisa em educação e música. Porto Alegre, Sulina, 2015.

PENNA, Moura L. Reavaliações em musicalização. São Paulo: Loiola, 1990.

PENNA, Moura L. Reavaliações em musicalização. São Paulo: Loiola, 1990.

PENS, Scott Von Doviak. Hick flicks: the rise and fall of redneck cinema. Jefferson, Carolina do Norte. McFarland & Company. 2004.

PEREIRA, Antônio Sá. Psicotécnica do Ensino Elementar da Música. Rio de Janeiro: Livraria José Olimpio, 1937.

PEREIRA, Antônio Sá. Psicotécnica do Ensino Elementar da Música. Rio de Janeiro: Livraria José Olimpio, 1937.

PEREIRA, César de Mendonça. Política pública cultural e desenvolvimento local: análise do ponto de cultura Estrela de Ouro de Aliança-Pernambuco. Dissertação (mestrado) Universidade Federal Rural de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural e Desenvolvimento Local, 2008.

PEREIRA, Maria Elisa; GIOS, Maria H. M.; KERR, Dorotéa. Mário de Andrade ensaiando a unidade do Brasil: um estudo sobre o canto nacional. In: Congresso da ANPPOM, 14., 2003, Porto Alegre. Anais. . . . Belo Horizonte: ANPPOM, 2003. p. 1502-1508.

PEREIRA, Nuno Marques. Compêndio Narrativo do Peregrino da América. (1728) Reedição: Rio de Janeiro, 1939.

PEREIRA, Sebastião Nunes. Poética Popular do Nordeste. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa, 1982.

Peretez, Isabelle; Zatorre, Robert (Ed.). The Cognitive Neuroscience of Music. Oxford: Oxford University Press, 2003.

PERPÉTUO, Irineu Franco. Audio Livro de História da Música. Arquivo zipado dos audios em MP3.

PERRONE, Charles A. 1990. ‘Changing of the Guard: Questions and Contrasts of Brazilian Rock Phenomena’. Studies in Latin American Popular Culture 9: 65-83.

PERRONE, Charles A., and Christopher Dunn. 2001. ‘ ‘‘Chiclete com Banana’’: Internationalization in Brazilian Popular Music’. In Brazilian Popular Music and Globalization, edited by Charles A. Perrone and Christopher Dunn, 1#38. Gainesville, Fl.: University Press of Florida.

PERRONE, Charles A.; DUNN, Christopher (Ed.). Brazilian Popular Music and Globalization. Gainesville: University Press of Florida, 2001.

Perrone, Maria da Conceição C. Instituto de Música: um século de tradição musical na Bahia.Salvador: Grafufba, 1997.

PESSOA, Nara da Cunha. Museu vivo: uma análise do museu Câmara Cascudo. Dissertação (mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, 2009.

Petrovic, Radmila “The Concept of Yugoslav Folk Music in the Twentieth Century.” Journal of the IFMC 20:22-25. 1968

Philip Tagg. Analysing popular music: theory, method and practice. First published in Popular Music, 2 (1982): 37-65.

Philip Tagg. Musical meanings, classical and popular. The case of anguish. Italian version to be published in l’Enciclopedia della musica, edited by J-J Nattiez and published by Giulio Einaudi editore, Torino (written 041230-050102).

PHILLIPS, William; COGAN, Brian. Encyclopedia of heavy metal music. Westport, Connecticut: Greenwood Press, 2009.

PICCOLI, Edgard. Que rock é esse? A história do rock brasileiro contada por alguns de seus ícones. Editora Globo, São Paulo, SP, 2008.

PIKE Alfred, A Phenomenological Analysis of Musical Experience and Other Related Essay, New York: St. John`s University Press, 1970.

PIKE Alfred, The Phenomenological Approach to Musical Perception, Philosophy and Phenomenological Research 27 (1966), ss. 247-54.

PILLSBURY, Glenn T . Damage incorporated: Metallica and the production of musical identity. Nova York: Taylor & Francis, 2006.

PILLSBURY, Glenn T. This Ain’t the Summer of Love: Conflict and Crossover in Heavy Metal and Punk. 1 ed. California: University of California Press, 2009.

PIMENTEL,Altimar Alencar de. O mundo mágico de João Redondo. Rio de Janeiro, MEC/Fundação de Artes Cênicas, l988.

PINHEIRO, Márcia Leitão. Música, Religião e Cor: uma leitura da produção de black music gospel. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 27(2): 163-180, 2007.

PINTO, Anna Florência de Carvalho Martins. Metodologia do trabalho científico: planejamento, estrutura e apresentação de trabalhos acadêmicos, segundo as normas da ABNT. PUC-MG. Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais, Curso de Administração. 18 fevereiro 2010.

PINTO, Samia Firmino. Tradução do Capítulo “Suyá vocal art: from speech to song” do livro Etnomusicologia de um povo indígena de Anthony Seeger. Projeto Final do Curso de Letras (Tradução) Inglês. Brasília, 2011.

PINTO, Samia Firmino. Tradução do Capítulo “Suyá vocal art: from speech to song” do livro Etnomusicologia de um povo indígena de Anthony Seeger. Projeto Final do Curso de Letras (Tradução) Inglês. Brasília, 2011.

PIO, Fernando. A Ordem Terceira de São Francisco do Recife e suas Igrejas. 4ªEd. Recife, Impr.Universitária, 1967.

Plummeridge, C. (1991). Music education in theory and practice. London: The Falmer Press.

POEL, Francisco van der. Fr. Com Deus me deito, com Deus me levanto. Estudos da CNBB Nº17. São Paulo, Ed.Paulinas, 1979.

POEL, Francisco van der. Fr. Deus vos salve Casa Santa. São Paulo, Ed.Paulinas, 1977.

POEL, Francisco van der. Fr. O Rosário dos Homens Pretos. Belo Horizonte, Impr.Oficial, 1981.

POEL, Francisco van der.Fr. Os Homens da Dança. São Paulo, Ed.Paulinas, 1986.

Poladian, Sirvart “The Problem of Melodic Variation in Folksong.” JAF 55:204-11. 1942

Porter, James “Introduction: The Traditional Music of Europeans in America.” UCLA Selected Reports in Ethnomusicology 3/1:1-23. 1978

Porter, James “Jeannie Robertson’s My Son David, a Conceptual Performance Model.” JAF 89:7-26. 1976

Porter, James “Prolegomena to a Comparative Study of European Folk Music.” Ethnomusicology 21:435-52. 1977

Powdermaker, Hortense Stranger and Friend. New York: Norton. 1967

Powers, Harold S. “An Historical and Comparative Approach to the Classification of Ragas.” UCLA Selected Reports of the Institute of Ethnomusicology 1/3:1-78. 1970

Powers, Harold S. “Classical Music, Cultural Roots, and Colonial Rule: An Indic Musicologist Looks at the Muslim World.” AM 12/1:5-39. 1979

Powers, Harold S. “Language Models and Musical Analysis.” Ethnomusicology 24:1-60. 1980

POWERS, Harold S. 1980. “Language Models and Musical Analysis”. Ethnomusicology (1):1-60.

PRANDI, Reginaldo. Os Candomblés de São Paulo. São Paulo, Hucitec/Edusp, 1991.

PROCA-CIORTEA, Vera. 1969. “On Rhythm in Rumenian Folk Dance”. Yearbook of the Tradicional Folk Music Council. 177-99.

PRODANOV, Cleber Cristiano e FREITAS, Ernani Cesar de . Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico] : métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2a. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

PRYSTON, Ângela (2004), “Diferença, pop e transformações cosmopolitas no Recife a partir do movimento mangue”, Revista Fronteiras – estudos midiáticos, v. VI, n. 1, p. 33-46, janeiro – junho.

Pucci, Bruno. A Filosofia e a Música na formação de Adorno. Educ. Soc., Campinas, vol. 24, n. 83, p. 377-389, agosto 2003. HINDEMITH, Elementary training for musicians. Second Edition, revised. London: Schott, 1949.

Pulikowski, Julian von Geschichte des Begriffes Volkslied im musikalischen Schrifttum. Heidelberg: C. Winter. 1933

PURCELL, Natalie J. Death metal music: the passion and politics of a subculture. Jefferson (EUA) ; McFarland, 2003.

QUEIROZ, Flávio de. Canto gregoriano, modos eclesiásticos: o que aprendemos com os nossos livros de teoria musical. Ictus 07

QUEIROZ, Ma.Isaura Pereira de. O Messianismo no Brasil e no Mundo. São Paulo, Dominus Ed., 1965.

Quignard, Pascal. 1999. Ódio à Música. Rio de Janeiro: Rocco. Ana Maria Scherer, trad.

Qureshi, Regula “Ethnomusicological Research among Canadian Communities of Arab and East Indian Origin.” Ethnomusicology 16:381-96. 1972

RAAS, Edmundo. Pinto, bato, danço e toco.São Paulo: AM, 1992.

RAAS, Edmundo. Pinto, bato, danço e toco.São Paulo: AM, 1992.

Racy, Ali Jihad “Funeral Songs of the Druzes of Lebanon.” M. M. Thesis, University of Illinois. 1971

Racy, Ali Jihad “Record Industry and Egyptian Traditional Music, 1904-1932.” Ethnomusicology 20:23-48. 1976

Radcliffe-Brown, A. R. Structure and Function in Primitive Society. London: Cohen and West. 1952

RADCLIFFE, Philip (1985) Schubert. Sonatas para piano. Tradução Maria Augusta Rego Teixeira Silva. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Radin, Paul The Autobiography of a Winnebago Indian. New York: Dover. 1963

RAHN, Jay. 1983. A Theory for All Music: Problems and Solutions in the Analysis of Non-Western Forms. Toronto: University of Toronto Press.

RAMÓN y RIVERA, Luis Felipe. 1969. “Formaciones Escalísticas en la Etnomúsica Latinoamericana”. Yearbook of the Tradicional Folk Music Council. 177-99.

RAMOS, Arthur. O Negro na Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, Casa do Estudante do Brasil, 1956.

RAMOS, Artur. A Aculturação Negra no Brasil. São Paulo, Brasiliana, 1942.

Ramseyer, Urs Soziale Beziige des Musizierens in Naturvolkkulturen. Bern: Francke. 1970

RANGEL, Antonia Maria do Carmo; LABREA, Valéria Viana. Seminário Internacional do Programa Cultura Viva: novos mapas conceituais. 18 a 20 de novembro de 2009. Pirenópolis, GO.

RANGEL, Antônia; DOUNIS, Sumaya Cristina; LABREA, Valéria Viana (Coord.). Programa Cultura Viva: análises e observações. Seminário Internacional do Programa Cultura Viva, 18 a 20 de novembro de 2009. Pirenópolis, GO.

RAPP, Francis. La Igglesia y la vida religiosa en Occidente a fines de la Edad Media. Barcelona, Editorial Labor, 1973.

Rawlinson, H. G. India, a Short Cultural History. 2d rev. ed. New York: Praeger. 1952

RAYNOR, Henry. (1981) História social da música. Da Idade Média a Beethoven. Tradução de Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Editora Guanabara.

REAL, Katarina. O Folclore no Carnaval do Recife. Rio de Janeiro, MEC/Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro, 1967.

Redfield, Robert Tepotzlrin, a Mexican Village. Chicago: University of Chicago Press. 1930

Reese, Gustave Music in the Renaissance. New York: Norton. 1954

REGELSKI, Thomas A.; GATES, J. Terry (Ed.). Music education for changing times: Guiding Visions for Practice. New York: Springer, 2009.

REID, James. Transcription in a New Mode. Ethnomusicology , vol. 21, n. 3, Sep., 1977, pp. 415-433. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

REID, James. Transcription in a New Mode. Ethnomusicology, vol. 21, n. 3, Sep., 1977, pp. 415-433. Disponível em http://www.jstor.org/stable/850727 . Acessado em: 11 out. 2012.

Reily, Suzel A. 2002. Voices of the Magi: Enchanted Journeys in Southeast Brazil. Chicago: University of Chicago Press.

Reily, Suzel A. 2002. Voices of the Magi: Enchanted Journeys in Southeast Brazil. Chicago: University of Chicago Press.

REILY, Suzel A. Tese final [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 09 fev. 2007.

REILY, Suzel Ana. 2001. To Remember Captivity: the Congados of Southern Minas Gerais. Latin American Music Review, 22(1): 4-30.

REILY, Suzel. Jornadas encantadas: as folias de reis do sul de Minas

REILY, Suzel. Voices of the Magi. Chicago: University of Chicago Press, 2002.

Reimer, B. (1970). A philosophy of music education. New Jersey: Prentice-Hall.

Reinhard, Kurt “Das berliner Phonogrammarchiv.” Baessler-Archiv, neue Folge 9:83-94. 1961

Reinhard, Kurt Chinesische Musik. Kassel: E. Roth. 1956

Reinhard, Kurt Einfährung in die Musikethnologie. Wolfenbiittel: Mosiler. 1968

REIS, Paula Félix dos. Estado e políticas culturais. II Seminário Internacional Políticas Culturais, Fundação Casa Rui Barbosa, 2011.

REIS, Paula Félix dos. Políticas Culturais do Governo Lula: análise do Sistema e do Plano Nacional de Cultura. Dissertação (mestrado) Universidade Federal da Bahia, Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, 2008.

Rhodes, Willard “A Study of Musical Diffusion Based on the Wandering of the Opening Peyote Song.” Journal of the IFMC 10:42-49. 1958

Rhodes, Willard “Acculturation in North American Indian Music.” In Sol Tax, ed., Acculturation in the Americas (Proceedings of the 29th International Congress of Americanists), 2:127-32. 1952

Rhodes, Willard “Music as an Agent of Political Expression.” African Studies Bulletin 5/2:14-22. 1962

RIBAS, Óscar. Misoso.(Literatura tradicional Angolana) Vol.I. Luanda, 1979.

RIBEIRO, A. E. F. ; NARITA, F. M. . O estágio em música no contexto escolar: busca por PONTES e experiências celebradas. In: XIX Congresso Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2010, Goiânia. Anais do XIX Congresso Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 2010. v. 19.

RIBEIRO, Berta Gleizer. O Índio na História do Brasil. São Paulo, Global Ed., 1983.

RIBEIRO, Getúlio (2007), “Do tédio ao caos, do caos à lama : os primeiros capítulos da cena musical Mangue, Recife – 1984-1991”, Universidade Federal de Uberlândia, Mestrado – História, http://www.bdtd.ufu.br//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=932. Accesso em 20/09/2009.

RIBEIRO, Hugo (org.). Diálogos sobre música: em busca do entendimento. Salvador: EDUFBA, 2012. No Prelo.

RIBEIRO, Hugo (org.). Diálogos sobre música: em busca do entendimento. Salvador: EDUFBA, 2012. No Prelo.

RIBEIRO, Hugo L. (Org.). Diálogos sobre música: em busca do entendimento. Salvador: Edufba, no prelo.

Ribeiro, Hugo L. 2004a. “Comparando Dois Sistemas Musicais: Uma Perspectiva Fenomenológica.” Anais… Associação Brasileira de Etnomusicologia, Salvador: ABET, 414–32.

Ribeiro, Hugo L. 2004b. “Notas Preliminares Sobre o Cen ́rio Rock Underground em Aracaju-SE.” Anais… International Association for the Study of Popular Music, Rio de Janeiro: IASPM, 414–32.

Ribeiro, Hugo L. 2008. As Taieiras. Aracaju: Universidade Federal de Sergipe.

RIBEIRO, Hugo L. A Aprendizagem estilística na cena rock underground de Aracaju. In: Congresso Regional da ISME na América Latina, Encontro Nacional da ABEM, 16., 2007, Campo Grande. Anais. . . Campo Grande: ABEM, 2007.

RIBEIRO, Hugo L. As Taieiras. São Cristóvão: Editora da Universidade Federal de Sergipe, 2008.

RIBEIRO, Hugo L. Da Fúria à Melancolia: a dinâmica das identidades na cena rock underground de Aracaju. São Cristóvão: Editora UFS; Aracaju: Fundação Oviêdo Teixeira, 2010.

Ribeiro, Hugo L. Da Fúria à Melancolia: a dinâmica das identidades na cena rock underground de Aracaju. São Cristóvão: Editora UFS; Aracaju: Fundação Oviêdo Teixeira, 2010.

RIBEIRO, Hugo L. Dinâmica das identidades – Análise estilística e contextual de três bandas de metal da cena rock underground de Aracaju. (Tese de Doutorado) Programa de Pós-graduação em Música, UFBA, 2007.

RIBEIRO, Hugo L. Etnomusicologia das Taieiras de Sergipe: uma tradição revista. Dissertação (mestrado) Universidade Federal da Bahia, Escola de Música, 2003.

RIBEIRO, Hugo L. Etnomusicologia das Taieiras de Sergipe: uma tradição revista. Dissertação (Mestrado). Escola de Música da UFBA. Salvador, Bahia. 2003.

RIBEIRO, Hugo L. O ensino da notação musical com o auxílio do computador. In: Encontro Anual da ABEM, 15., João Pessoa. Anais. . . . João Pessoa: ABEM, 2006. p. 776-778.

RIBEIRO, Hugo L.; MOREIRA, Marcos. Educação Musical em Sergipe. In: OLIVEIRA, Alda; CAJAZEIRA, Regina (Org.). Educação musical no Brasil. Salvador: P&A, 2007. p. 277-281.

RIBEIRO, Hugo Leonardo (Org.). Diálogos sobre música: em busca do entendimento. Salvador: Edufba. No prelo.

RIBEIRO, Hugo Leonardo. A análise musical na Etnomusicologia. Ictus, vol. 4, 2002. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

RIBEIRO, Hugo Leonardo. A análise musical na Etnomusicologia. Ictus, vol. 4, 2002. Disponível em http://www.ictus.ufba.br/index.php/ictus/article/view/37/45 . Acessado em: 11 out. 2012.

RIBEIRO, Hugo Leonardo. Entrevista com Manuel Veiga. Música e Cultura, n. 1, 2006. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

RIBEIRO, Hugo Leonardo. Entrevista com Manuel Veiga. Música e Cultura, n. 1, 2006.

RIBEIRO, Hugo Leonardo. Transcrição Musical: qual a sua importância, qual o seu futuro? . In: Encontro da ABET, 3., 2006, São Paulo. Anais… São Paulo: ABET, 2006. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

RIBEIRO, Hugo Leonardo. Transcrição Musical: qual a sua importância, qual o seu futuro? . In: Encontro da ABET, 3., 2006, São Paulo. Anais… São Paulo: ABET, 2006. Disponível em http://abetmusica.org.br/dld.php?dld_id=140 . Acesso em: 11 out. 2012.

RIBEIRO, Hugo; BRASIL, Mário (Org.). Programa Cultura Viva: impactos e transformações sociais. Brasília: UnB, 2016.

RIBEIRO, Hugo. A Análise Musical: por quê, para quem e como? XVI Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM) Brasília, 2006. Disponível em http://www.anppom.com.br/anais/anaiscongresso_anppom_2006/CDROM/COM/02_Com_Etno/sessao03/02COM_Etno_0301-015.. Acesso em: 26 mar. 2013.

RIBEIRO, Hugo. Folclore versus párafolclore. Música e Cultura: revista on-line de etnbomusicologia, n. 2, 2007. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

RIBEIRO, Hugo. Folclore versus párafolclore. Música e Cultura: revista on-line de etnbomusicologia, n. 2, 2007. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

RIBEIRO, Hugo. Folclore versus párafolclore. Música e Cultura: revista on-line de etnbomusicologia, n. 2, 2007. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

RIBEIRO, Hugo. Folclore versus párafolclore. Música e Cultura: revista on-line de etnbomusicologia, n. 2, 2007. Disponível em http://musicaecultura.abetmusica.org.br/artigos-02/MeC02-Hugo-Folclore.. Acessado em: 11 out. 2012.

RIBEIRO, Hugo. Guia de estilo e referências bibliográficas para trabalhos escritos do departamento de música da unb. Apostila não publicada, 2015.

RIBEIRO, Hugo. Notas preliminares sobre a cena rock underground de Aracaju-SE. Anais do V Congresso Latinoamericano da Associação Internacional para o Estudo da Música Popular (IASPM), 2004.

RIBEIRO, Lúcio. Sepultura. In: NESTROVSKI, Arthur (Org.). Música popular brasileira hoje. São Paulo: Publifolha, 2002.

RIBEIRO, Maria de Lourdes Borges. O Jongo. Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Folclore/MEC/SEC.,l984.

RIBEIRO, Sandra Stephanie Holanda Pontes. Góticos da noite de Fortaleza: distinções e pertencimentos na construção de si. Monografia (Bacharelado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Ceará, 2012.

RIBEIRO, Silvio S. Garção. Música para escola elementar. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, 1955.

RIBEIRO, Silvio S. Garção. Música para escola elementar. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, 1955.

RIBEIRO, Sônia Tereza da Silva. Uma Perspectiva Crítica e Cultural para Abordar o Conhecimento Curricular em Música. Revista da ABEM, Porto Alegre, n. 5, p. 59-64, Set. 2000.

RIBEIRO, Wagner. História da Música na América. São Paulo: Coleção FTD, 1965.

RIBEIRO, Wagner. História da Música na América. São Paulo: Coleção FTD, 1965.

RICE, Thimoty. 1994. May It Fill Your Soul: experiencing bulgarian music. Chicago: The University of Chicago Press.

RICE, Timothy: Toward a Mediation of Field Methods and Field Experience in Ethnomusicology. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 25-41.

Rice, Timothy. 1994. May It Fill Your Soul: Experiencing Bulgarian Music. Chicago: The University of Chicago Press.

RICE, Timothy. 2001. Reflections on Music and Meaning, Signification and Control in the Bulgartian Case. British Journal of Ethnomusicology, 10(1):19-38.

RICHARDT, Nadia Ficht; ZENERE, Cirineo; LOPES, Adriano, (Org). Normalização de trabalhos técnico-científicos: trabalhos acadêmicos, monografias de graduação, monografias de pós-graduação, dissertações e teses. Curitiba: Sistema Integrado de Bibliotecas da PUCPR, Biblioteca Central, 2007.

RICHARDT, Nadia. Normalização de trabalhos técnico-científicos: trabalhos acadêmicos, monografias de graduação, monografias de pós-graduação, dissertações e teses. Sistema integrado de bibliotecas da PUCPR. Biblioteca central. Curitiba, 2007.

RICHIES, Gabrielle. Embracing the chaos: mosh pits, extreme metal music and liminality. Journal for Cultural Research, v. 15, n. 3, p. 315-332, 2011.

Riemann, Hugo Riemann Musik Lexikon. 12th ed. , ed. Willibald Gurlitt. Mainz: Schott. 1959-67

RIO DE JANEIRO. Câmara Municipal. Lei no. 2328, de 18 de maio de 1995. Assegura às pessoas portadoras de deficiência, prioridade na ocupaçõ das vagas nos estacionamentos de veículos. . . Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2012.

RIO, João do. (Paulo Barreto). As Religiões do Rio. Rio de Janeiro, Ed.Nova Aguilar, 1976.

ROBBINS LANDON, H C (1984) Haynd Sinfonias. Tradução Paulo Becker. Rio de Janeiro: Zahar editores.

Roberts, Helen H. Musical Areas in Aboriginal North America. New Haven, Conn.: Yale University Publications in Anthropology, No.12. 1936

Roberts, John Storm Black Music in Two Worlds. New York: Praeger. 1972

Roberts, Warren E. The Tale of the Kind and the Unkind Girls. Berlin: De Gruyter. 1958

Robertson-DeCarbo, Carol. “Music as Therapy: A Bio-Cultural Problem.” Ethnomusicology 18: 31-42. 1974

Robertson-DeCarbo, Carol. “Tayil as Category and Communication among the Argentine Mapuche.” Yearbook of the IFMC 8:35-52. 1977

ROCCOR, Bettina. “Heavy Metal: forces of unification and fragmentation within a musical subculture” . The World of Music, n. 42, v.1, 2000, pp. 83-94.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da e ECKERT, Cornelia. Etnografia: saberes e práticas. In: PINTO, Céli Regina Jardim e GUAZZELLI, César Augusto Barcellos. Ciências Humanas: pesquisa e método. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2008.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da e ECKERT, Cornelia. Etnografia: saberes e práticas. In: PINTO, Céli Regina Jardim e GUAZZELLI, César Augusto Barcellos. Ciências Humanas: pesquisa e método. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2008.

ROCHA, Everardo P. O que é etnocentrismo. São Paulo: Brasiliense, 2004.

ROCHA, Everardo P. O que é etnocentrismo. São Paulo: Brasiliense, 2004.

ROCHA, Everardo P. O que é etnocentrismo. São Paulo: Brasiliense, 2004.

ROCHA, Sebastião. Folclore: Roteiro de Pesquisa. Belo Horizonte, CPCD, 1995.

ROCHA, Sophia Cardoso; ARAGÃO, Ana Lúcia. Direitos culturais no Brasil e uma breve análise do Programa Cultura Viva. II Seminário Internacional Políticas Culturais, Fundação Casa Rui Barbosa, 2011.

ROCHA, Sophia Cardoso. Programa Cultura Viva e seu processo de estadualização na Bahia. Dissertação (mestrado) Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Comunicação, 2011,

ROCHA, Sophia Cardoso. Programa Cultura Viva: trajetória e desafios de uma nova política cultural. VI ENCULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. 25 a 27 de maio de 2010, Slavador, Bahia.

ROCHEDO, Aline do Carmo. “Os filhos da revolução”: A juventude urbana e o rock brasileiro dos anos 1980. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, História, 2011.

ROCHEDO, Aline do Carmo. BRock: O Ensino de História por meio do rock brasileiro nos anos 1980. Anais do XV Encontro Regional de História da ANPUH-Rio.

RODDY, Derek. The evolution of blast beats. USA: Hudson Limited, 2007.

RODRIGUES, Adriana; FERNANDES, José Nunes; NOGUEIRA, Marcos. Música na escola o uso da voz: Um projeto de educação musical para professores alfabetizadores. Rio de Janeiro: Conservatório Brasileiro de Música, 2000.

RODRIGUES, Adriana; FERNANDES, José Nunes; NOGUEIRA, Marcos. Música na escola o uso da voz: Um projeto de educação musical para professores alfabetizadores. Rio de Janeiro: Conservatório Brasileiro de Música, 2000.

RODRIGUES, Fernanda Gomes. O Grito das Garotas. Dissertação aprovada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade de Brasília, 2006. Disponível em: – Acessado em 16/05/11

RODRIGUES, Nina. L’animisme fetichiste des nègres de Bahia. Bahia, 1900.

RODRIGUES, Rodrigo. As aventuras da Blitz. Rio de Janeiro: Ediouro, 2008.

ROLLEMBERG, Márcia. Cidadania e diversidade cultural com participação social. In: Seminário Internacional – Políticas Culturais, 5., 2014, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Casa Rui Barbosa, 2014.

ROMERO, Sílvio. Cantos populares do Brasil. Tomo I e II. Rio de Janeiro, Liv.José Olympio Ed., l954.

ROMERO, Sylvio. Cantos populares Brasil. 2a. Ed. São Paulo: Livraria Francisco Alves,

ROMERO, Sylvio. Cantos populares Brasil. Vol 1. Lisboa: Nova Livraria Internacional, 1883.

ROMMEN, Timothy. 2007. ‘‘‘Localize it’’: Rock, Cosmopolitanism, and the Nation in Trinidad’. Ethnomusicology 51 (3): 371-401.

ROODRIGUES, William Costa. Metodologia Científica. Paracambi: FAETEC/IST, 2007.

RORTY, Richard. Sobre o etnocentrismo: uma resposta a Clifford Geertz. Educação Sociedade e Culturas, nº13, 2000, 213-223.

ROSA, Fernando (‘Senhor F’). 2006. ‘A Origem do Rock Brasiliense’. Part 3. http://www.senhorf.com.br/rockdebrasilia (accessed 17 November 2011).

Rosa, Nereide S. Educação Musical para 1ª a 4ª Série. São Paulo: Ática, 1990.

ROSA, Nereide S. Educação Musical para 1ª a 4ª Série. São Paulo: Ática, 1990.

Rosa, Nereide S. Educação Musical para a pré-escola. São Paulo: Ática, 1990.

ROSA, Nereide S. Educação Musical para a pré-escola. São Paulo: Ática, 1990.

ROSA, Noel. Noel pela primeira vez: 229 gravações de Noel Rosa em suas versões originais. Rio de Janeiro: Velas/FUNARTE, 2000. 14 CDs.

ROSA, Noel. Três Apitos. Intérprete: Orlando Silva. In: ROSA, Noel. Noel pela primeira vez: 229 gravações de Noel Rosa em suas versões originais. Rio de Janeiro: Velas/FUNARTE, 2000. 14 CDs.

Rosemary Lucy Hill, “ ‘I’m a Metalhead’: The Representation of Women Letter Writers in Kerrang! Magazine,’ in Heavy Fundamentalisms: Music, Metal and Politics, ed. Rosemary Lucy Hill and Karl Spracklen (Oxford: Inter-Disciplinary Press, 2010), 79–88;

Rosemary Lucy Hill, “Is Emo Metal? Gendered Boundaries and New Horizons in the Metal Community,” Journal for Cultural Research 15, no. 3 (July 2011): 297–313;

Rosemary Lucy Hill, “Representations and Experiences of Women Hard Rock and Heavy Metal Fans in the Imaginary Community,” (PhD diss., University of York, 2014);

Rosemary Overell, “ ‘[I] Hate Girls and Emo[tion]s’: Negotiating Masculinity in Grindcore Music,” Heavy Metal as Controversy and Counterculture, Special Issue, Popular Music History 6.1/6.2 (April/August 2011): 198–23;

Rouget, Gilbert, and Jean Schwarz “Transcrire ou decrire? Chant soudanais et chant fuegian.” In Jean Pouillon and Pierre Maranda, eds., Echanges et communications: Melanges offerts a Claude Levi-Strauss….The Hague: Mouton, 1:677-706. 1970

ROVER, Ardinete (coord.). Metodologia científica: educação a distânci. Joaçaba: UNOESC, 2006.

RÖWER, Basílio. Frei.OFM. O Convento de Santo Antônio do Rio de Janeiro. (3a Ed.) Petrópolis, Ed.Vozes, 1945.

Royce, Anya Peterson The Anthropology of Dance. Bloomington: Indiana University Press. 1977

RUBIM, Antonio Albino Canelas (Org.). Políticas culturais no governo Lula. Coleção Cult. Salvador: Edufba, 2010.

Rudolph, Lloyd I. and Susanne H. The Modernity of Tradition: Political Development in India. Chicago: University of Chicago Press. 1967

RUÍDO das Minas. A origem do heavy metal em Belo Horizonte. Direção Gracielle Fonseca; Filipe Sartoreto; Rafael Sette Câmara. 2009. 1 disco digital versátil (83 min.), DVD, son., color.

Ruwet, Nicolas “Linguistics and Musicology.” International Social Science Journal 19:79-87. 1967

Ruwet, Nicolas “Methodes d’analyse en musicologie .” Revue belge de musicologie 20:65-90. 1966

Ruwet, Nicolas “Theorie et methodes dans les etudes musicales. …” Musique en jeu 17:11-36. 1975

RUWET, Nicolas; Everist, Mark. Methods of Analysis in Musicology. Music Analysis, Vol. 6, No. 1/2 (Mar. – Jul., 1987), pp. 3-9+11-36

Sachs, Curt Geist und Werden der Musikinstrumente. Berlin: J. Bard. 1929

Sachs, Curt Our Musical Heritage. New York: Prentice-Hall. 1948

Sachs, Curt Rhythm and Tempo. New York: Norton. 1953

Sachs, Curt The Commonwealth of Art. New York: Norton. 1946

Sachs, Curt The History of Musical Instruments. New York: Norton. 1940

Sachs, Curt The Rise of Music in the Ancient World, East and West. New York: Norton. 1943

Sachs, Curt The Wellsprings of Music. The Hague: M. Nijhoff. 1962

Sachs, Curt Vergleichende Musikwissenschaft-Musik der Fremdkulturen. Heidelberg: Quelle und Meyer. 1930 (1959)

Sachs, Curt World History of the Dance. New York: Norton. 1937

Sachs, Nahoma “Music and Meaning: Musical Symbolism in a Macedonian Village.” Dissertation, Indiana University. 1975

SADIE, Stanley ed. (1995) The New Grove dictionary of music and musicians. New York: Macmillan Publishers.

SADIE, Stanley, ed. Dicionário Grove de Música: edição concisa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1994.

SADIE, Stanley, ed. Dicionário Grove de Música: edição concisa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1994.

Sahlins, Marshall D. Evolution and Culture. Ann Arbor: University ofMichigan Press. 1960

Sakata, Lorraine “The Concept of Musician in Three Persian-Speaking Areas of Afghanistan.” AM 8/1: 1-28. 1976

SAKATA, Lorraine. 1966. “The Comparative Analysis of Sawari on the Shamisen”. Ethnomusicology, 10 (2):141-52.

SALAZAR, Adolfo (1985) La música en la sociedad europea. III- El siglo XIX (2). Madrid: Alianza Música.

SALAZAR, Adolfo (1989) La música en la sociedad europea. II- Hasta finales del siglo XVIII. Madrid: Alianza Música.

SALDANHA, Rafael Machado. Rock em Revista: o jornalismo de rock no Brasil. Juiz de Fora: UFJF, 2005. 70 f. Dissertação, Faculdade de Comunicação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2005.

SALDANHA, Rafael Machado. Rock em revista: O jornalismo de rock no Brasil. Monografia (Graduação)-Faculdade de Comunicação, Juiz de Fora: UFJF; Facom, 2005.

SALLES, Carlos Alberto Correia. O Dilúvio na Mitologia Universal. Seminário apresentado no Instituto C.G.Jung M.G., 04/12/1995.

SALLES, Fritz Teixeira de. Associações Religiosas no Ciclo do Ouro. Estudos I. Belo Horizonte, Impr.da Universidade de MG, 1963.

Salmen, Walter Der fahrende Musiker im europtlischen Mittelalter. Kassel: Hinnenthal. 1960

Salzer, Felix Structural Hearing. New York: C. Boni. 1952

SAMPAIO, Lia. Música e movimento, Expressão e Criatividade. Manaus: Universidade do Amazonas (EDUA), 1998.

SAMPAIO, Lia. Música e movimento, Expressão e Criatividade. Manaus: Universidade do Amazonas (EDUA), 1998.

Samson, Jim. 2002. “Genre.” In Grove Music OnLine, edited by Laura Macy. Macmillan Publishers. Disponvel em www.grovemusic.com, ultimo acesso em outubro de 2005.

SANCHES, Pedro Alexandre A carapuça serve em todos. Revista da Cultura, n. 32, p. 30-34, mar. 2010. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

SANCHES, Pedro Alexandre. A carapuça serve em todos. Revista da Cultura, n. 32, p. 30-34, mar. 2010. Disponível em http://www.revistadacultura.com.br:8090/revista/rc32/index2.asp?page=capa . Acessado em: 11 out. 2012.

Sandroni, Carlos. 2001. Feitiço Decente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

SANDRONI, Carlos. Anotações sobre etnomusicologia como folclore e como antropologia. In: Reunião Brasileira de Antropologia, 27., 2010, Belém do Pará. Anais. . . Brasília: ABA, 2009.

SANDRONI, Carlos. Apontamentos sobre a história e o perfil institucional da etnomusicologia no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 77, maio, 2008. Disponível em <>. Acessado em: 08 out. 2012.

SANDRONI, Carlos. Apontamentos sobre a história e o perfil institucional da etnomusicologia no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 77, maio, 2008. Disponível em http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-99892008000200006&lng=pt&nrm=iso . Acessado em: 08 out. 2012.

SANDRONI, Carlos. Coletânea analisa caminhos da MPB. Folha de São Paulo, São Paulo, 09 fev. 2008. Folha Ilustrada, p. E6.

SANDRONI, Carlos. O mangue e o mundo: notas sobre a globalização musical em Pernambuco. Claves No. 7 – Maio de 2009.

SANDRONI, Carlos. O paradigma do tresillo. Opus, n. 8, 2002. Disponível em http://www.anppom.com.br/opus/data/issues/archive/8/files/Sandroni/. Acesso em: 26 mar. 2013.

SANS, Juan Francisco. Oralidade y Escritura en el texto musical. Akademos, vol. 3, nº 1, 2001, pp. 89-114.

Santa Catarina (1998). Proposta Curricular de Santa Catarina. Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio: Formação docente para educação infantil e séries iniciais. Florianópolis: COGEN.

SANTAELLA, Lucia. A sintaxe como eixo da linguagem sonora ou A sintaxe como eixo da matriz sonora. in Matrizes da Linguagem e Pensamento: Sonora Visual Verbal. São Paulo, Ed. Iluminuras, 2001. Páginas 112 a 116. Disponível em: http://www.pucsp.br/pos/cos/clm/forum/sumario.htm#

SANTANA, Celina. È Hora de Cantar. São Paulo: Paulinas, 1993.

SANTANA, Celina. È Hora de Cantar. São Paulo: Paulinas, 1993.

Santiago, Diana. As Oficinas de Piano em Grupo da Escola de Música da Ufba, Revista da ABEM, 74-81, Porto Alegre: ABEM, 1989-1995.

SANTOS Jr., Ivanildo P. dos; COLOMBO, Macri Elaine. O Rock errou… A ascensão e queda (e o eventual retorno) do rock nas rádios brasileiras. XXXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação), Manaus, AM, 2013

SANTOS Neves, José Roberto. Rockrise: a história de uma geração que fez barulho no Espírito Santo. Vitória: Do Autor, 2012.

Santos, Alcino et ally. 1982. Discografia Brasileira 78rpm 1902-1964. 5 vol. Rio de Janeiro: Funarte.

SANTOS, Eduardo Gomor dos. Formulação de políticas culturais: Leis de incentivo e as inovações do Programa Cultura Viva. Dissertação (mestrado) Fundação Getúlio Vargas, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, 2008.

SANTOS, Jefferson Dantas. Roadi Crew: discurso e tradição. II Seminário de estudos culturais, identidades e relações interétnicas estudos culturais e a pesquisa em suas múltiplas possibilidades.

Santos, R. M. S. (1991). Aprendizagem musical não-formal em grupos culturais diversos. Cadernos de Estudo ? Educação Musical, 2/3. São Paulo: Atravez.

Santos, R. M. S. (1994). A natureza da aprendizagem musical e suas implicações curriculares ? análise comparativa de quatro métodos. Fundamentos da Educação Musical, 2. Associação Brasileira de Educação Musical.

Santos, R. M. S. (1995). Crítica, Prazer e Criação Musical no Ensino-Aprendizagem Musical. Anais do 4º Simpósio Paranaense de Educação Musical. Londrina: UEL.

SANTOS, Regina Antunes Teixeira dos. A improvisação na prática de solfejo: um relato de experiência. In: Encontro Anual da ABEM, 13., 2004, Rio de Janeiro. Anais… São Paulo: CBM, 2004. p. 891-899.

SANTOS, Rosana Aparecida Martins. Marcas territoriais e sujeitos urbanos: estratégias de representação do rap nacional. In: Encontro Nacional da ABET, 2., 2004, Salvador. Anais…, Salvador: UFBA, 2004. p. 651-662.

SANTOS, Taís Vidal dos. O true contra o poser: um estudo das condições e contradições de ser e fazer metal underground na cidade do Salvador. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2013.

São Paulo. Cosac & Naify, 2001.

Sarana, Gopala The Methodology of Anthropological Comparisons: An Analysis of Comparative Methods in Social and Cultural Anthropology. Tucson: University of Arizona Press (Viking Fund Publications in Anthropology , no.53). 1975

SARMENTO, Francisco de Jesus Maria. Frei. Flos Sanctorum. abbreviado ou Compendio das Vidas dos Santos de especial veneração na Igreja de Deos. Terceira Edição. Tomo I e II. Lisboa, Na Typ.da Academia Real das Sciencias, 1852.

SARTOR, Carla Silvana Daniel. As políticas públicas culturais e a perspectiva da transformação: a experiência coletiva nos Pontos de Cultura. Dissertação (mestrado) Pontificia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, 2011.

Saviani, D. (1997). A nova lei da educação: Trajetória, limites e perspectivas (3. ed.). São Paulo: Autores Associados.

Schaeffner, Andre “Ethnologie musicale ou musicologie comparee.” In Paul Collaer, ed., Les colloques de Wegimont. Brussels: Elsevier, pp.18-32. 1956

Schaeffner, Andre Origine des instruments de musique. Paris: Payor 1936

Schafer, M. (1991). O ouvido pensante. São Paulo: Editora da UNESP. Tradução de Marisa T. O. Fonterrada, Magda R. G. Silva e Maria Lúcia Pascoal.

SCHAFER, M. O ouvido pensante. Tradução de Marisa T. de O. Fonterrada, Magda R. G. da Silva, Maria L. Pascoal. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

SCHAFER, M. O ouvido pensante. Tradução de Marisa T. de O. Fonterrada, Magda R. G. da Silva, Maria L. Pascoal. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

SCHAFER, Murray. 1991. O Ouvido Pensante. Traduzido por Marisa Trenc de O. Fonterrada, Magda R. Gomes da Silva, Maria Lúcia Pascoal. São Paulo: Fundação Editora da UNESP.

Schawarz, Werner. 1984. Guitar Bibliography: an international listening of theoretical literature on classical guitar from the beginning to the present. München: K. G. Saur.

Schering, Arnold Beethoven und die Dichtung. Berlin: Junker und Diinnhaut. 1936

Schering, Arnold Das Symbol in der Musik…. Leipzig: Koehler und Amelang. 1941

Schimieder, Wolfgang. 1958. Themastisch – Systematisches Verzeichnis der Musikalischen Werk Von: Johann Sebastian Bach. Leipzig: Veb Breitkopf & Härtel.

Schinhan, Jan Philip “Die Musik der Papago und Yurok.” Dissertation, University of Vienna. 1937

Schinhan, Jan Philip The Music of the Ballads. Durham, N.C.: Duke University Press. 1957

SchiØrring, Nils Selma Nielsens viser. Copenhagen: Munksgaard. 1956

SCHIPERS, Huib. Facing the music: shaping music education from a global perspective. Oxford: Oxford University Press, 2010.

Schmidt, Wilhelm The Culture Historical Method of Ethnology. New York: Fortuny’s. 1939

Schneider, Albrecht “Vergleichende Musikwissenschaft als Morphologie und Stilkritik: Werner Danckerts Stellung. …” Jahrbuch für Volksliedforschung 24: 11-27. 1979

Schneider, Albrecht Musikwissenschaft und Kulturkreislehre. Bonn: Verlag fur systematische Musikwissenschaft. 1976

SCHNEIDER, Albrecht. 2001. “Sound, Pitch, and Scale: From ‘Tone Measurements to Sonological Analysis in Ethnomusicology”. Ethnomusicology, vol. 45 (3):489-519.

SCHNEIDER, Marcel (1991) Wagner. Tradução Carlos Daudt de Oliveira. São Paulo: Martins Fontes.

Schneider, Marius “Die historischen Grundlagen der musikalischen Symbolik.” Musikjorschung 4:113-44. 1951

Schneider, Marius “Primitive Music.” In Egon Wellesz, ed., Ancient and Oriental Music. London: Oxford University Press, pp. 1-82. 1957

Schneider, Marius Geschichte der Mehrstimmigkeit. Vol. 1. Berlin: J. Bard. 1934

Schoer, Brabec de Mori, Lewy: The Sounding Museum: Towards an Auditory Anthropology.

SCHOON, A. Die Ordnung der Klänge: das Wechselspiel der Künste vom Bauhaus zum Black Mountain College. Bielefeld: Transcript, 2006Aprovado em 27/08/2010 r

SCHUBERT, Peter; CUMMING, Julie E. Text and motif c.1500: a new approach to text underlay. Early Music, vol. 40, n. 1, p. 3-14, Feb., 2012. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2012.

SCHUKER, Roy. Popular Music: The Key Concepts. Second Edition. Routledge, 2005.

Schunemann, Georg Das Lied der deutschen Kolonisten in Russland. Munich: Drei Masken Verlag. 1923

SCONCE, Jeffrey. “Trashing” the Academy: Taste, Excess, and an Emerging Politics of Cinematic Style. IN: Screen vol. 36 no. 4, 1995, pp. 371-393.

SCOTT, Neal. Heavy metal and the deafening threat of the apolitical. Popular Music History, Sheffield, vol. 6, n.1, p. 124-135, 2011.

Seashore, C. E. (1967). Psychology of music. New York: Dover Publications. (Original work published 1938)

Sebeok, Thomas A., ed. How Animals Communicate. Bloomington: Indiana University Press. 1977

Seeger, Anthony “What Can We Learn When They Sing? Vocal Genres of the Suya Indians of Central Brazil.” Ethnomusicology 23:373-94. 1979

SEEGER, Anthony. Etnografia da música. Tradução de Giovanni Cirino. Revisão Técnica de André-Kees de Moraes Schouten e José Glebson Vieira. Cadernos de campo, São Paulo, n. 17, p. 1-348, 2008. Disponível em <>. Acessado em: 24 set. 2013.

SEEGER, Anthony. Etnografia da música. Tradução de Giovanni Cirino. Revisão Técnica de André-Kees de Moraes Schouten e José Glebson Vieira. Cadernos de campo, São Paulo, n. 17, p. 1-348, 2008. Disponível em <>. Acessado em: 24 set. 2013.

SEEGER, Anthony. Prefácio. Why Suya sing. Cambridge: Cabridge University Press, 1984.

SEEGER, Anthony. Prefácio. Why Suya sing. Cambridge: Cabridge University Press, 1984.

SEEGER, Anthony. Why Suya sing. Cambridge: Cabridge University Press, 1984.

Seeger, Charles “Music and Culture.” Proceedings of the Music Teachers National Association for 1940-4: 112-22. 1941

Seeger, Charles “Oral Tradition in Music.” In Maria Leach, ed., Funk and Wagnall’s Standard Dictionary of Folklore. New York, 2: 825-29. 1950

Seeger, Charles “Preface to the Description of a Music.” Proceedings of the 5th Congress of the I.M.S. The Hague: Trio, pp. 360-70. 1953a

Seeger, Charles “Prescriptive and Descriptive Music Writing.” MQ 44:184-95. 1958

Seeger, Charles “Reflections upon a Given Topic: Music in Universal Perspective.” Ethnomusicology 15:385-98. 1971

Seeger, Charles “Semantic, Logical, and Political Considerations Bearing, upon Research into Ethnomusicology.” Ethnomusicology 5:77-80. 1961

Seeger, Charles “Toward a Universai Music Sound-Writing for Musicology.” Journal of the IFMC 5:63-66. 1953b

Seeger, Charles “Versions and Vatiants of the Tunes of ‘Barbara Allen’.” UCLA Selected Reports of the Institute of Ethnomusicology 1/1:120-67. 1966

Seeger, Charles Review of New Methods in Vocal Folk Music Research, by Carl Dahlback. Ethnomusicology 4:41-42. 1960

Seeger, Charles Studies in Musicology 1935-1975. Berkeley: University of California Press. 1977

Seeger, Charles. 1977. Studies in Musicology: 1935-1975. Berkeley: University of California Press.

SEEGER, Charles. 1977. Studies in Musicology: 1935-1975. Berkeley: University of California Press.

SEIXAS, Luana; PISSOLATO, Elizabeth. Música e Extravasamento: festa como perspectiva, juventudes e heavy metal em Juiz de Fora-MG. ANTHROPOLÓGICAS Ano 19, 26(1):134-158, 2015.

SEMÁN, P ; VILA, P. Rock chabón e identidad juvenil en la Argentina neoliberal en los noventa: política, sociedad y cultura en América Latina y Argentina de fin de siglo. Buenos Aires: Eudeba, 1999.

SENRA, Flavio P. A antropofagia heavy metal: a resistência brasileira ao discurso colonial na música pesada e na literatura. Revista Garrafa (PPGL/UFRJ),Rio de Janeiro, v. 1, p. 1-13, 2008.

SENRA, Flavio P. Visões do sujeito Pós-Moderno na música pesada contemporânea (sujeito e objeto: uma relação de amor e ódio…). Raído, Mato Grosso do Sul, v. 3, p. 153-165, 2009.

SENRA, Flavio Pereira. “Amanhã nunca mais!”: o niilismo e o heavy metal no contexto pós-moderno. Via Litterae, Anápolis, v. 5, n. 2, p. 485-507, jul./dez. 2013. http://www2.unucseh.ueg.br/vialitterae

SEPÚLVEDA, Maria do Céu Sampaio; COSTA, Marileide Marinho Maciel. Música e movimento.

SEPÚLVEDA, Maria do Céu Sampaio; COSTA, Marileide Marinho Maciel. Música e movimento.

Serafine, M. L. (1988). Music as cognition. New York: Columbia University Press.

Serafine, Mary Louise. “The Development of Cognition in Music.” Paper presented at a meeting of the Society for Music Theory, Nov. 6-9. 1980

SERQUEIRA, C.; ILARI, Beatriz. Entrevista: qual é a música?. Gazeta de Alagoas, Maceió, p. B1-B3, 26 nov. 2006.

Setton, Maria G. J. 2002. “A Teoria do Habitus em Pierre Bourdieu: Uma Leitura Contemporânea.” Revista Brasileira de Educação, pp. 60–70. Disponvel em http://www.anped.org.br/inicio3.html, ultimo acesso em março de 2006.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 20. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 20. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 21. ed. rev. ampl. São Paulo: Cortez, 2000. 279 p.

Shapiro, Ann Dhu “The Tune-Family Concept in British-American FolkSong Scholarship.” Dissertation, Harvard University. 1975

Sharp, Cecil English Folk Song: Some Conclusions. 4th ed., ed. Maud Karpeles. Belmont, Calif. : Wadsworth. 1965

Sharp, Cecil English Folk Songs from the Southern Appalachians. London: Oxford University Press. 1932 (1952)

SHELEMAY, Kay Kaufman. The Ethnomusicologist, Ethnographic Method, and the Transmission of Tradition. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 141-156.

Shiloah, Amnon “The Aliyya Songs in the Traditional Folk Literature of Israel” (in Hebrew). Folklore Research Center Studies of Jerusalem 1 :349-68. 1970

Shiloah, Amnon “The Status of the Oriental Artist.” Ariel 36:79-83. 1974

SHOOMAN, Joe. Bruce Dickinson: Os altos voos com o Iron Maiden e o voo solo de um dos maiores músicos do heavy metal. Belo Horizonte: Editora Gutemberg, 2013. Tradução Eliel Vieira.

SHUKER, Roy. Beyond the “high-fidelity” stereotype: defining the (contemporary) record collector. Popular Music. Volume 23, n. 03, pp. 311 – 330, 2004.

SHUKER, Roy. Understanding Popular Music. 2 ed. Routledge: Londres, 2001.

SHUKER, Roy. Vocabulário de Música Pop. São Paulo: Hedra, 1999.

SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a Arte: o pensamento pragmatista e a estética popular. São Paulo: Editora 34, 1998.

SILVA, Anna Cruz de Araújo Pereira da. Notas sobre relativismo, universalismo, etnocentrismo e anti-anti-relativismo. Disponível em:< http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=10545 > Acesso em.: 22 out 2007.

SILVA, Anna Paula de Oliveira Mattos. O encontro do Velho do Pastoril com Mateus na Manguetown, ou As tradições populares revisitadas por Ariano Suassuna e Chico Science. 2004. 155 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Departamento de Letras, PUC-RJ, 2004.

SILVA, Bernard Arthur Silva da. Mundo metálico belenense e política cultural: declínio e reorganização do heavy metal paraense (1993-1996). Dissertação (Mestrado)-Universidade Federal do Pará, Programa de Pós Graduação em História Social da Amazôniza, Belém, 2014.

SILVA, Cassandra Ribeiro O. Metodologia do Trabalho Científico: Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses.

SILVA, Jaime Luis da. Muito além do barulho: uma aproximação sobre a identidade do heavy metal representada na revista Rock Brigade.

SILVA, Jaime Luis da. O heavy metal na revista Rock Brigade: aproximações entre jornalismo musical e identidade juvenil. Dissertação (Mestrado)-Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós Graduação em Comunicação e Informação, Porto Alegre, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 Out. 2011.

SILVA, José Alberto Salgado e. Notas sobre Descrição, Diálogo e Etnografia. Música e Cultura: revista on-line de etnomusicologia, n. 6, v. 1, 2011. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

SILVA, José Alberto Salgado e. Notas sobre Descrição, Diálogo e Etnografia. Música e Cultura: revista on-line de etnomusicologia, n. 6, v. 1, 2011. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

SILVA, José Alberto Salgado e. Notas sobre Descrição, Diálogo e Etnografia. Música e Cultura: revista on-line de etnomusicologia, n. 6, v. 1, 2011. Disponível em http://musicaecultura.abetmusica.org.br/artigos-06-1/MeC06-1-Jose-Alberto. . Acessado em: 11 out. 2012.

SILVA, Juliana Lopes da. Experimentações em cultura, educação e cidadania: o caso da Associação Grãos de Luz e Griô. Dissertação (mestrado) Fundação Getúlio Vargas, Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais, 2009.

SILVA, Liliana Sousa e. Indicadores para políticas culturais de proximidade: o caso Prêmio Cultura Viva. Tese (doutorado) Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, 2007.

SILVA, Patrícia. A canção na pré-escola. 6ª ed. São Paulo: Paulinas, 2001.

SILVA, Patrícia. A canção na pré-escola. 6ª ed. São Paulo: Paulinas, 2001.

Silva, W. M. (1993). Zoltan Kodály – idéias e concepções sobre educação musical. Em Pauta, 8. Porto Alegre: UFRGS.

SILVA, Wlisses James de Farias. Heavy Metal no Brasil: Os incômodos perdedores (década de 1980). Tese de Doutorado em (História Social) da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo do Programa de Pós-Graduação em História.

Silver, Brian “On Becoming an Ustad.” AM 7/2:27-50. 1976

Simon, Artur “Probleme, Methoden und Ziele der Ethnomusikologie.” Jahrbuch für musikalische Volks- und Volkerkunde 9:8-52. 1978

Simon, Artur Studien zur iigyptischen Volksmusik. Hamburg: K. D. Wagner. 1972

SIMON, Bradford S. Entering the pit: slam-dancing and modernity. Journal of Popular Culture, publicado online, v. 3, fascículo 1, p. 149- 176, 1997.

SIMPÓSIO Paranaense de Educação Musical. Anais do VI Simpósio Paranaense de Educação Musical – I Encontro Regional Sul da Associação Brasileira de Educação Musical. Londrina – PR, 1997.

SIMPÓSIO Paranaense de Educação Musical. Anais do VI Simpósio Paranaense de Educação Musical – I Encontro Regional Sul da Associação Brasileira de Educação Musical. Londrina – PR, 1997.

Simpson, Claude M. The British Broadside Ballad and Its Music. New Brunswick, N. J.: Rutgers University Press. 1966

SINGER, Ben. Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular. In: CHARNEY, Leo. SCHWARTZ, Vanessa R. O cinema e a invenção da vida moderna.

Singer, Milton When a Great Tradition Modernizes. New York: Praeger. 1972

SIRINO, Caio C. de Aguiar. Heavy Metal Brasil na década de 1980: a rebelião headbanger nos subterrâneos da modernidade. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Letras: Cultura, Educação e Linguagens da Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia. Vitória da Conquista- BA, 2012.

SKARDA Christine A., Alfred Schutz`s Phenomenology of Music, Journal of Musicological Research 3 (1979), ss. 75-132.

Slobin, Mark Music in the Culture of Northern Afghanistan. Tucson: University of Arizona Press. 1976

Slobin, Mark. 1993. Subcultural Sounds: Micromusics of the West. Hannover, London: Wesleyan Univesity Press.

SLOBIN, Mark. 1993. Subcultural Sounds: micromusics of the west. Hannover: University Press of New England.

Slobin, Mark. Subcultural Sounds: Micromusics of the West. Hannover, London: Wesleyan Univesity Press, 1993.

Sloboda, J. A. (1985). The musical mind: The cognitive psychology of music. Oxford: Clarendon Press.

Slotkin, I. S. Menomini Peyotism. Transactions of the American Philosophical Society, new series, vol. 42, pt. 4. 1952

SMIALEK, Eric T. Genre and Expression in Extreme Metal Music, ca. 1990–2015. Tese (Doutorado) – Schulich School of Music, McGill University, 2015.

SMIALEK, Eric T. Rethinking Metal Aesthetics: Complexity, Authenticity, and Audience in Meshuggah’s I and Catch Thirtythr33. Dissertação (Mestrado) – Schulich School of Music, McGill University, 2008.

SMITH F. Joseph, Musical Sound as a Model for Husslerian Intuition and Time, Journal of Phenomenological Psychology 4 (1973), ss. 271-96.

SMITH F. Joseph, The Experiencing of Musical Sound: Prelude to a Phenomenology of Music, New York: Gordon and Breach Science Publishers, 1979.

SMITH, F. Joseph. 1979. Experiencing of Musical Sound: A Prelude to a Phenomenology of Music. New York and London: Routledge.

Smith, F. Joseph. 1995. “Toward a Phenomenology of Music: A Musician’s Composition Journal.” Philosophy of Music Education Review 3 (1): 21–33.

Smith, Richard Chase “Deliverance from Chaos for a Song: A Preliminary Discussion of Arnuesha Music.” Unpublished paper, Cornell University. 1971

Smith, Richard Chase The Amuesha People of Central Peru: Their Struggle to Survive. Copenhagen: International Work Group for Indigenous Affairs. 1974

SNELL, Dave, and DARRIN Hodgetts. Heavy Metal, Identity and the Social Negotiation of a Community of Practice. Journal of Community & Applied Social Psychology, n.17, p.430-445, 2007.

SOARES, Doralécio. Folclore Brasileiro: Santa Catarina. Rio de Janeiro, MEC/Funarte, 1979.

SOARES, Lélia Gontijo. Romaria de Canindé, 800 do Nascimento de São Francisco. Rio de Janeiro, Funarte/Inst.Nac.do Folclore/Consulado Geral da Itália(RJ)/Institutos Italianos de Cultura de SP e RJ, 1982.

Society for Ethnomusicology “Ethics Committee Report.” SEM Newsletter 11/1 :8. 1977

Society for Ethnomusicology “Ethics Committee Report.” SEM Newsletter 9/6:8. 1975

Society for Ethnomusicology “Special Ethics Issue.” SEM Newsletter 8/1. 1974

SOKOLOWSKI, Robert. 2000. Introduction to Phenomenology. Cambridge: Cambridge University Press.

Sokolowsky, Robert. 2000. Introduction to Phenomenology. Cambridge: Cambridge University Press.

SOLOMON, Tomas. Living underground is tought: autencity and locality in the hip-hop community in Istambul, Turkey. Popular Music. 2005, volume 04, n.01, pp.01-20. 2005.

Sonia Vasan, “ ‘Den Mothers’ and ‘Band Whores’: Gender, Sex and Power in the Death Metal Scene,” in Heavy Fundamentalisms: Music, Metal and Politics, ed. Rosemary Lucy Hill and Karl Spracklen (Oxford: Inter-Disciplinary Press, 2010), 69–77.

Sonia Vasan, “The Price of Rebellion: Gender Boundaries in the Death Metal Scene,” Journal for Cultural Research 15, no. 3 (July 2011): 333–49;

SOTUYO BLANCO, Pablo. Band Boom na Bahia: riscos na aplicação de políticas culturais e problemas resultantes. In: Encontro Nacional da ABET, 3., 2006, São Paulo. Caderno de programa e resumos. São Paulo: ABET, 2006. p. 81.

SOTUYO BLANCO, Pablo. Considerações e modelos para uma ação musicológica consistente na Paraíba. Claves: periódico do programa de pós-graduação em música da UFPB, João Pessoa, v. 6, p. 54-69, 2008.

SOTUYO BLANCO, Pablo. Considerações e modelos para uma ação musicológica consistente na Paraíba. Claves: periódico do programa de pós-graduação em música da UFPB, João Pessoa, v. 6, p. 54-69, 2008.

SOUSA, Juliane Soares de. As mulheres do underground cristão: Um olhar sobre o grupo evangélico Metanoia. Trabalho apresentado para a disciplina Tópicos Especiais de História Oral no Departamento de Ciências Humanas – Curso de História (UERJ), s.d.

SOUTO MAIOR, Mário. Alimentação e Folclore. Rio de Janeiro, Funarte/Instituto Nacional do Folclore, 1988.

SOUZA, Antônio Marcus Alves de. Cultura, rock e arte de massa. Rio de Janeiro: Diadorim, 1995.

SOUZA, Cláudio Morais de. Da lama ao caos: a construção da metáfora mangue como elemento de identidade/identificação da cena mangue recifense. 2002. 114 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal de Pernambuco, 2002.

Souza, J. (1996). Contribuições teóricas e metodológicas da sociologia para a pesquisa em educação musical. Anais do 5º Encontro Anual da ABEM e 5º Simpósio Paranaense de Educação Musical. Londrina: UEL.

Souza, J. (1996). O cotidiano como perspectiva para a aula de música: concepção didática e exemplos práticos. Fundamentos da Educação Musical, 3. Associação Brasileira de Educação Musical.

Souza, J. (1996). O cotidiano como perspectiva para a aula de música: concepção didática e exemplos práticos. Fundamentos da Educação Musical, 3. Associação Brasileira de Educação Musical.

SOUZA, José Geraldo de. Pe.Dr. Características da Música Folclórica Brasileira. Cad.de Folclore 9. Rio de Janeiro, MEC/Camp.de Defesa do Folc.Bras., 1969.

SOUZA, Jusamara. Hip Hop: da rua para a escola c/ CD. 2008.

SOUZA, Jusamara. Música, Cotidiano e Educação. Porto Alegre: UFRGS, 2000.

SOUZA, Jusamara. Música, Cotidiano e Educação. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 2000.

SOUZA, Jusamara. Música, Cotidiano e Educação. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 2000.

SOUZA, Liêdo M.de. Classificação Popular da Literatura de Cordel. Petrópolis, Ed.Vozes, 1976.

SOUZA, Manoel Matusalém. Pe. Cordel, fé e viola. Petrópolis, Ed.Vozes, 1982.

SOUZA, Wanderson Alkimim Batista de. Heavy Metal em Montes Claros: Aspectos Socioculturais. Montes Claros/MG: Unimontes, 2013. (Monografia de Conclusão do Curso de Licenciatura em Artes-Música).

SPECTOR, I. Rhythm and life: the work of Emile Jaques-Dalcroze. Stuyvesant: Pendragon Press, 1990.

Sperber, Dan Rethinking Symbolism. Cambridge: Cambridge University Press. 1975

Spindter, George D., ed. Being an Anthropologist: Fieldwork in Eleven Cultures. New York: Holt, Rinehart & Winston. 1970

Springer, George “Language and Music: Parallels and Divergences.” In For Roman Jakobson. The Hague: Mouton, pp. 504-13. 1956

SQUEFF, Enio. Música O nacional e o popular na cultura brasileira. Brasiliense, 2004.

Stam, James H. Inquiries into the Origin of Language: The Fate of a Question. New York: Harper and Row. 1976

STAMBAUGH Joan, Music as a Temporal Form, Journal of Philosophy 61 (1964), ss. 265-80.

STARTERI, Terezinha. A arte integrada na escola. Rio de Janeiro: Colégio Anglo-americano.

STARTERI, Terezinha. A arte integrada na escola. Rio de Janeiro: Colégio Anglo-americano.

STARTERI, Terezinha. Canções para coordenação motora.

STARTERI, Terezinha. Canções para coordenação motora.

Stauder, W. “Eill Musiktraktat aus clem zweitell vorchristlichell Jahrtiusend.” In Festschrift Walter Wiora. Kassel: Biirellreiter, pp. 157-63. 1967

STERNE, Jonathan (Ed.). The sound studies reader. New York: Routledge, 2012.

Steward, Juliall Contemporary Change in Traditional Societies. Vol. 2. Urbana: University of Illinois Press. 1967

Steward, Juliall Theory of Culture Change: The Methodology of Multilinear Evolution. Urbana: University of Illillois Press. 1955

Stewart, Milton Lee “Structural Development in the Jazz Improvisational Technique of Clifford Brown.” Dissertation, University of Michigan. 1973

Stock, Jonathan P. J. “New Directions in Ethnomusicology: Seven Themes Toward Disciplinary Renewal”. In The New (Ethno)Musicologies, editado por Henry Stobart, 188-206. Lanham, Maryland: Screcrow Press, Inc., 2008.

Stockmann, Doris “Das Problem der Trallskription in der musikethnologischell Forschullg.” Deutsches Jahrbuch für Volkskunde 12: 207-42. 1966

Stockmann, Doris “Die Trallskription in der Musikethnologie: Geschichte, Probleme, Methoden.” Acta Musicologica 51:204-45. 1979

Stockmann, Doris, and Jall Steszewski, Eed. Analyse und Klassifikation von Volksmelodien. Krakow: Polskie wydawnictwo muzyczne. 1973

Stockmann, Erich “The Diffusion of Musical Instruments as an Inter-Ethnic Process of Communication.” Yearbook of the IFMC 3:128-37. 1972

Stokes, Martin. “Introduction: Ethnicity, Identity, and Music.” In Ethnicity, Identity, and Music: the Musical Construction of Place, editado por Martin Stokes, 1–27. Oxford: Berg Publishers, 1994.

Stokes, Martin. 1994. “Introduction: Ethnicity, Identity, and Music.” In Ethnicity, Identity, and Music: the Musical Construction of Place, edited by Martin Stokes, 1–27. Oxford: Berg Publishers.

STONER, Guilherme. O mosh e suas celebrações: algumas interpretações e significados das expressões corporais nos shows de heavy metal na cidade de São Paulo. 2014. 58f. Monografia (Conclusão de curso) – Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2014.

Strathern, Marilyn. “Out of context – the persuasive fictions of anthropology.” Current Anthropology, Vol. 28, n. 3 (1987): 251-270.

STRATTON, Jon. Jews, punk and the Holocaust: from the Velvet Underground to the Ramones – the Jewish-American story. Popular music. Volume 24, n. 01, pp. 79 – 105, 2005.

Strauss, Joseph. 2000. Introduction to Post-Tonal Theory. 2a. Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice Hall.

STRAW, W. Characterizing rock music culture: the case of heavy metal In DURING, S. (org) The Cultural Studies Reader. New York: Rutledge. 1993.

Straw, Will. 1984. “Characterizing Rock Music Cultures: The Case of Heavy Metal.” Canadian University Music Review 5:104–22.

STRAW, Will. Systems of Articulation, Logics of Change: communities and scenes e popular music. In: The Cultural Studies Reader. London: Routledge, volume 05, n. 03, October 1991.

Stumpf, Carl “Lieder der Bellakula-lndialler.” Vierteijahrschrift für Musikwissenschaft 2:405-26. 1886

Stumpf, Carl Die Anfdnge der Musik. Leipzig: J. A. Barth. 1911

Sturrock, John, ed. Structuralism and Since. Oxford: Oxford University Press. 1979

Sturtevant, William “Studies in Ethnoscience.” AA 66, pt. 2:99-131. 1964

SUBIRÁ, José (1951) Historia de la Música. 2o Vol. 2a Ed. Barcelona: Salvat Editores.

Susana Kruger e Liane Hentschke. 2003. “Contribuições das Orquestras para o ensino de musica na educação básica”. In Ensino de Música: propostas para pensar e agir em sala de aula.

SUTTON, R. Anderson. 1978. “Notes Toward a Grammar of Variation in Javanese Gender Playing”. Ethnomusicology 22(2):275-96.

Suzuki, S. (1969). Nurtured by love. New York: Exposition Press.

Swanwick, K. (1979). A basis for music education. Berkshire: NFER-NELSON Publishing Company.

Swanwick, K. (1988). Music, mind, and education. London: Routledge.

Swanwick, K. (1994). Musical knowledge: Intuition, analysis and music. London: Routledge.

Swanwick, Keith. Ensinando música musicalmente. Tradução Alda Oliveira e Cristina Tourinho. São Paulo: Moderna, 2003.

SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. Tradução de Alda Oliveira e Cristina Tourinho. São Paulo: Moderna, 2003. ISBN 85-16-03907-2.

SWANWICK, Keith. Music Education and Ethnomusicology. British Journal of Ethnomusicology, Vol. 1 (1992), pp. 137-144. Disponível em http://www.jstor.org/stable/3060731

SWANWICK, Keith. Teaching music musically. London: Routledge, 1999.

Symposium “Symposium on Transcription and Analysis: A Hukwe Song with Musical Bow.” Ethnomusicology 8:223-77. 1964

Szabolcsi, Bence A History of Melody. New York: St. Martin’s Press. 1965

Szabolcsi, Bence Bausteine zu einer Geschichte der Melodie. Budapest: Corvina. 1959

SZANIECKI, Barbara Peccei; SILVA, Rociclei da. Políticas culturais vivas: raízes e redes do movimento enraizados. II Seminário Internacional Políticas Culturais, Fundação Casa Rui Barbosa, 2011.

Szönyi, E. (1976). La Educacion Musical en Hungría através del Método Kodály. Budapest: Corvina.

Tagg, Philip. A análise de música popular: teoria, método e prática. Publicado em Popular Music, 2 (1982): 35 – 65. Tradução de trabalho (ainda não revisada) por Sérgio Paulo Ribeiro de Freitas, para uso restrito em sala de aula, do texto Analysing popular music: theory, method and practice disponível em http://tagg.org/texts.html.

Tagg, Phillip. 1982. “Analyzing Popular Music: Theory, Method and Practice.” Popular Music 2:37–65. Disponível em http://www.tagg.org, ultimo acesso em janeiro de 2007.

Tagg, Phillip. 1999. “Introductory notes to the Semiotics of Music.” Disponível em http://www.tagg.org, ultimo acesso em janeiro de 2007.

Tagg, Phillip. 2004. “Para Que Serve um Musema? Antidepressivos e a Gestão Musical da Angústia.” Disponível em http://www.tagg.org, ultimo acesso em janeiro de 2007.

Tagg, Phillip. 2005. “Musical Meanings, Classical and Popular: The Case of Anguish.” Disponível em http://www.tagg.org, ultimo acesso em janeiro de 2007.

TAGG, Phillip. Assignment and Dissertation Tips. Online version 5 (November 2003).

TAGG, Phillip. Everyday Tonality II: towards a tonal theory of what most people hear. New York e Huddersfield: The Mass Media Music Scholar’s Press, 2014.

TAGG, Phillip. Music’s Meanings: a modern musicology for non-musos. New York e Huddersfield: The Mass Media Music Scholar’s Press, 2012.

TAGG, Phillip. Tagg’s Harmony Handout or “Definitions of terms to do with tonal polyphony”. Version 3 (October 2003).

TAN, Marcus Cheng Chye. Acoustic Interculturalism: listening to performance. London: Palgrave Macmilan, 2012.

TANAKA, Harue. Buscas metodológicas no ensino coletivo do piano como instrumento complementar. In: Encontro da ABEM, 20., 2006, João Pessoa. Anais… João Pessoa: UFPb, 2006a. p. 225-229.

TANAKA, Harue. Estudo sobre três grupos musicais sob uma perspectiva de educação musical e gênero. In: Encontro da ABEM, 20., 2006, João Pessoa. Anais… João Pessoa: UFPb, 2006b. p. 344-348.

Tappert, Wilhelm Wandernde Melodien. 2. vermehrte und verbesserte Ausgabe. Leipzig: List & Francke. 1890

TARASTI, Eero. Sign conceptions in music from the 19th Century to the present. In: POSTNER, Roland et al. Semiotics. Berlin: Gruyter, 1998. p. 1646-1655.

TAYLOR, Laura. Metal Music as Critical Dystopia: Humans, Technology and the Future in 1990s Science Fiction Metal.Brock University.St.Catharies, Ontario.2006.

TEIXEIRA, Gisela Cardoso. Roadie Crew: uma análise do heavy metal como notícia. Monografia (Conclusão de curso) – Universidade Federal de Ouro Preto, Departamento de Ciências Sociais, Jornalismo e Serviço Social, 2014.

TEIXEIRA, José Aparecida. Folclore Goiano. São Paulo, Ed.Nacional, 1941.

TELES, José. Do Frevo ao Manguebeat, São Paulo: Editora 34, 2000.

TEMPLE, Julie. The Filth and the Fury. Film Four, 2000. Filme documentário.

Thomas Porcello. “Tails out”: Social Phenomenology and the Ethnographic Representation of Technology in Music-Making. Ethnomusicology, Vol. 42, No. 3 (Autumn, 1998), pp. 485-510. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/852851

Thompson, Stith “The Star Husband Tale.” Studia Septentrionalia 4:93-163. Reprinted in Alan Dundes, The Study of Folklore. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall, 1965, pp. 414-74. 1953

Thompson, Stith The Folktale. New York: Dryden Press. 1946

TITON, Jeff T. Classical music’s radio future. Sustainable music: a research blog on the subject of sustainability and music. Publicado em 06 mai. 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2012.

TITON, Jeff Todd. Knowing fieldwork. In: BARZ, Gregory e COOLEY, Timothy J. Shadows in the field: new perspectives for fieldwork in ethnomusicology. Oxford e New York: Oxford University Press, 2008. p. 25-41.

Tiwana, Ravneet. 2006. “Hyphenated Identities and the Space In-Between: Construction of the Sikh-American identity.” Disponível em http://departments.oxy.edu/anthropology/field/tiwana.html, ultimo acesso em mar ̧ de 2006.

TOFFOLO, Rael B. Gimenes; OLIVEIRA, Luis Felipe; ZAMPRONHA, Edson S. Paisagem Sonora: uma proposta de análise.

TOHILL, Cathal; TOMBS, Pete. Immoral tales: european sex & horror movies 1956-1984. Nova Iorque. St. Martin’s Press, 1995.

TOLBERT, Elizabeth. 1990. “Woman Cry Words: Symbolization of Affect in The Karelian Lament”. Yearbook of the Tradicional Folk Music Council. 80-79.105.

TORPE, Helena Rose. Música na Escola: guia didático. Um projeto de Educação Musical para professores alfabetizadores. Rio de Janeiro: Prefeitura do Rio de Janeiro e Conservatório Brasileiro de Música – CBM, 2000.

TORPE, Helena Rose. Música na Escola: guia didático. Um projeto de Educação Musical para professores alfabetizadores. Rio de Janeiro: Prefeitura do Rio de Janeiro e Conservatório Brasileiro de Música – CBM, 2000.

Touma, Habib Hassan Der Maqam Bayati im arabischen Taqsim. Berlin: H. Touma. 1968

Touma, Habib Hassan Die Musik der Araber. Wilhelmshaven: Heinrichshofen., 1975

Tourinho, I. (1993). Música e controle: Necessidade e utilidade da música nos ambientes ritualísticos das instituições escolares. Em Pauta, 7. Porto Alegre: UFRGS.

Tourinho, I. (1993). Seleção de repertório para o ensino da música. Em Pauta, 8. Porto Alegre: UFRGS.

Tourinho, I. (1993). Usos e funções da música na escola pública de 1º grau. Fundamentos da Educação Musical, 1. Porto Alegre: UFRGS.

Tourinho, I. (1996). Práticas musicais de alunos de 3ª e 4ª séries: Implicações para o ensino de musica nas instituições educacionais. Anais do 5º Encontro Anual da ABEM e 5º Simpósio Paranaense de Educação Musical. Londrina: UEL.

Toynbee, Jason. 2000. Making Popular Music: Musicians, Creativity and Institutions. New York: Oxford University Press.

Tracey, Hugh “The Social Role of African Music.” African Affairs 53: 234-41. 1954

Tracey, Hugh Chopi Musicians: Their Music, Poetry, and Instruments. London: Oxford University Press. 1948

Tran Van Khê “Is the Pentatonic Universal?” World of Music 19/1-2:76-84. 1977

TRANCHEFORT, François-René (org) (s/d) Guia da música sinfônica. Supervisão da tradução Bruno Furlanetto. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

TRAVASSOS, Elizabeth. 1997. Os Mandarins Milagrosos: arte e etnografia em Mário de Andrade e Béla Bartók. Rio de Janeiro: Funarte, Jorge Zahar.

TRAVASSOS, Elizabeth. Esboço de balanço da etnomusicologia no Brasil. Opus, v. 9, dezembro, 2003. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

TRAVASSOS, Elizabeth. Esboço de balanço da etnomusicologia no Brasil. Opus, v. 9, dezembro, 2003. Disponível em http://www.anppom.com.br/opus/data/issues/archive/9/files/OPUS_9_Travassos. . Acessado em: 11 out. 2012.

Treitler, Leo “Centone Chant: Übles Flickwerk or E pluribus unus?” JAMS 28:1-23. 1975

Treitler, Leo “Homer and Gregory: The Transmission of Epic Poetry and Plainchant.” MQ 60:333-72. 1974

Trindade, B. P. (1998). Educação Musical com construção de instrumento: projeto realizado em uma turma de jovens de 08 a 14 anos de idade. Fundamentos da Educação Musical, 4. Associação Brasileira de Educação Musical.

TROTTA, Felipe C. . Música e mercado: a força das classificações. Revista Contemporanea, Salvador, BA, v. 2, n. 2, p. 181-196, 2005.

Truitt, Deborah Dolphin’s Porpoises: A Comprehensive Annotated Bibliography of the Smaller Cetacea. Detroit: Gale Research Co. 1974

Tschmuck, Peter. Creativity and innovation in the Music Industry. Springer: 2006.

Tsuge, Gen’ichi “Avaz: A Study of the Rhythmic Aspects of Classical Iranian Music.” Dissertation, Wesleyan University. 1974

TUDOR, Andrew. Why horror? The peculiar pleasures of a popular genre. In: JANCOVICH, Mark (Ed.). Horror, the film reader. Londres. Routledge, 2001.

TURINO, Célio. O desmonte do programa CULTURA VIVA e dos Pontos de Cultura sob o governo Dilma. Revista Fórum. 7 de julho, 2013. www.revistaforum.com.br

TURINO, Célio. Ponto de cultura: o Brasil de baixo para cima. 2.ed. São Paulo: Anita Garibaldi, 2010.

TURINO, Thomas T. 1994. Moving Away From Silence:Music of the Peruvian Altiplano and the Experience of Urban Migration. Chicago: University of Chicago Press.

TURINO, Thomas. Capítulo 02: Participatory presential performance. Music as Social Life. Chicago: University of Chicago Press, 2008. (SEM LINK – REVISAR)

TURINO, Thomas. Capítulo 03: Recording Fields. Music as Social Life. Chicago: University of Chicago Press, 2008.

TURINO, Thomas. Estrutura, contexto e estratégia na etnografia musical. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, Ano 5, N. 11, 13-28, outubro de 1999.

TURINO, Thomas. Music as Social Life: the politics of participation. Chicago: University of Chicago Press, 2008.

TURINO, Thomas. Music as Social Life. Chicago: University of Chicago Press, 2008. Caps. 2 e 3.

TURINO, Thomas. The Coherence of Social Style and Musical Creation among the Aymara in Southern Peru. Ethnomusicology, Vol. 33, No. 1 (Winter, 1989), pp. 1-30. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/852167.

TURINO, Thomas. The Urban-Mestizo Charango Tradition in Southern Peru: A Statement of Shifting Identity. Ethnomusicology, Vol. 28, No. 2 (May, 1984), pp. 253-270. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/850760.

TURNER, Victor and Edward M. Bruner. 1986. The Anthropology of Experience. Urbana and Chicago: University of Illinois Press.

Turner, Victor Dramas, Fields, and Metaphors. Ithaca, N.Y.: Cornell University Press. 1974

Turner, Victor, and Edward M. Bruner, eds. 1986. The Anthropology of Experience. Urbana and Chicago: University of Illinois Press.

Turner, Victor. 1987. The Anthropology of Performance. New York: PAJ Publications.

TURNER, Victor. 1987. The Anthropology of Performance. New York: PAJ Publications.

Tyler, Stephen A., ed. Cognitive Anthropology. New York: Holt, Rinehart & Winston. 1969

Tylor, E. B. “On a Method for Investigating the Development of Institutions.” Journal of the Royal Anthropological Institute 18:245-72. 1889

Tylor, E. B. Primitive Culture. London: J. Murray. 1871

UGA Libraries. Chicago Manual of Style: Bibliographic Format for References. Based on The Chicago Manual of Style, 15th ed., 2003.

Ulhôa, Martha. “Introdução.” In Música na América Latina: Pontos de Escuta, editado por Martha Ulhôa, 7–21. Porto Alegre: UFRGS editora, 2005.

Ulhôa, Martha. 2005. “Introdução.” In Música na América Latina: Pontos de Escuta, edited by Martha Ulhôa, 7– 21. Porto Alegre: UFRGS editora.

UNIVERSIDADE DE AVEIRO. Referências bibliográficas: Manual de normas e estilos. 2010.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação. RESOLUÇÃO DO DPP Nº. 002/2006. Sobre teses e dissertações em formato .

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL. Manual de normas acadêmicas. São Caetano do Sul: 2008. Elaborado por Profa. Ms. Missila Loures Cardozo. Revisado por Prof. Dr. Denis Donaire e Prof. Dr. Antonio Carlos Gil.

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas. MURAMATSU, Roberta, RACY, José Caio e SCARANO, Paulo Rogério (org.). Manual de Monografia – Universidade Presbiteriana Mackenzie. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA). Colaboração Mônica Yukie Kuwahara. ed. rev. e atual. São Paulo, 2011.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Comissão de Normalização de Trabalhos Acadêmicos. Normas para elaboração de trabalhos acadêmicos. Curitiba: UTFPR, 2008.

VALESCA, Antônio. Max Cavalera: la voz de los sin voz. Barcelona: Quarentena, 2010.

VALLE, Edênio. Pe.SVD. Religiosidade Popular: Evangelização e Vida Religiosa. Petrópolis, Ed.Vozes/CRB, 1976.

Vansina, John Oral Tradition, a Study in Historical Methodology. Chicago: University of Chicago Press. 1965

VARELA, F.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. A mente incorporada: ciências cognitivas e experiência humana. Porto Alegre: Artmed, 2003. Recebido em 29/06/2010.

VARGAS, Aurélio Marinho. Roda de pogo: a dança punk. Jan 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2013.

VARGAS, Herom. Hibridismos musicais de chico science & Nação Zumbi. Cotia Ateliê, 2007.

VASCONCELLOS, J.Leite de. Religiões da Lusitânia. Lisboa, Imprensa Nacional/Casa da Moeda, reimpressão da ed.de 1913. Vol.III.

VASCONCELOS, Ana Teresa. Múltiplos olhares sobre as políticas públicas de cultura:artistas, pontos de cultura e Estado. II Seminário Internacional Políticas Culturais, Fundação Casa Rui Barbosa, 2011.

VASCONCELOS, Victor. Geografia do subterrâneo: um estudo sobre a espacialidade das cenas de Heavy Metal do Brasil. Novas Edições Acadêmicas, 2015.

VASCONCELOS, Victor. Geografia do subterrâneo: um estudo sobre a espacialidade das cenas de Heavy Metal do Brasil. Novas Edições Acadêmicas, 2015.

VAUGHN, Kathryn. 1990. “Exploring Emotion In Sub-Structural Aspects of Karelian Lament: Application of Time Series Analysis to Digitalized Melody”. Yearbook of the Tradicional Folk Music Council. 106-22.

Vega, Carlos “Mesomusic: An Essay on the Music of the Masses.” Ethnomusicology 10:1-17. 1966

VEIGA, Manuel. 1991. “Transmissão e Geração (do conhecimento musical)”. Art (Revista da Escola de Música e Artes Cênicas da UFBA). N° 18 (agosto). Salvador: Universidade Federal da Bahia. Pp.73-82.

VEIGA, Manuel. Ainda a carta da ABET [mensagem pública]. Mensagem n. 5556 do grupo Etnomusicologiabr, enviada em 28 nov. 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 dez 2011.

Veiga, Manuel. Impressão Musical na Bahia: um ensaio introdutório. Trabalho não publicado (Apresentado como relatório do Projeto ao CNPq). Salvador: 2000.

Veiga, Manuel. Nótulas para uma História da Educação Musical no Brasil. Aula inaugural da Escola de Música da Universidade federal da Bahia, (17 abril 1994).

VEIGA, Manuel. Uma Mesa-redonda do Primeiro Encontro da ABET em Belém. Música e Cultura, n. 6, v. 1, 2011. Disponível em <>. Acessado em: 11 out. 2012.

VEIGA, Manuel. Uma Mesa-redonda do Primeiro Encontro da ABET em Belém. Música e Cultura, n. 6, v. 1, 2011. Disponível em http://musicaecultura.abetmusica.org.br/artigos-06/MeC06-Manuel-Veiga. . Acessado em: 11 out. 2012.

VELHO, G. A. ; PICCOLO, F. D. ; BARRETO, A. S. ; COSTA, S. S. ; BENITEZ, M. E. D. ; LEITE LOPES, P. A. ; MAFRA, P. . “Mundo heavy metal no Rio de Janeiro”. In: Gilberto Velho (org.). Rio de Janeiro: cultura, política e conflito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007, p. 156-190.

VELHO, Gilberto (org.). Arte e sociedade: ensaios de sociologia da arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

VELOSO, Caetano. De noite na cama. Intérprete: Marisa Monte. In: MONTE, Marisa. Barulhinho bom: uma viagem musical. São Paulo: EMI, 1996. 2 CDs.

VERGER, Pierre. Orixás. Coleção Reconcavo No.10. Bahia, Livr.Progresso Ed., 1955.

VIANNA JÚNIOR, Hermano. O Baile Funk Carioca: Festas e Estilos de Vida Metropolitanos. Dissertação Mestrado. UNIRIO, Museu Nacional. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Rio de Janeiro, 1987.

VIANNA, Hermano Paes. O baile funk carioca: festas e estilos de vida metropolitanos. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Rio de Janeiro, RJ: 1987.

VIANNA, Hermano. Funk e cultura popular carioca. Estudos Históricos. Rio de Janeiro. vol. 3, n. 6. 1990, p. 244-253.

VIANNA, Hermano. Rascunho de possível capítulo de tese sobre o Rock Brasileiro. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2010.

VICENTE, Eduardo. A Música Independente no Brasil: Uma Reflexão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 28., 2005. Rio de Janeiro. Anais… São Paulo: Intercom, 2005. CD-ROM.

VIEIRA, Evandro. Esfolando Ouvidos: Memórias do Hardcore em Brasilia. Brası́lia: Self-published, 2005.

VIEIRA. Antônio. Pe. Roteiro Lírico e Místico sobre Juazeiro do Norte(CE). Fortaleza, Impr.Oficial, 1988.

Vikár, László, and Gábor Bereczki Cheremis Folksongs. Budapest: Akademiai Kiado. 1971

VILELA, Renata. Iron Maiden: a biografia ilustrada. São Paulo: Universo dos Livros, 2012.

Villa-Lobos, H. (1976). Canto Orfeônico. São Paulo: Vitale.

VILLA-LOBOS, Heitor. Programa de Música: escolar elementar e secundária. Série C. Programas e guias de ensino nº5. Oficina Gráfica do Departamento de Educação Distrito Federal, 1934.

VILLA-LOBOS, Heitor. Programa de Música: escolar elementar e secundária. Série C. Programas e guias de ensino nº5. Oficina Gráfica do Departamento de Educação Distrito Federal, 1934.

VILLA-LOBOS: o índio de casaca. Rio de Janeiro: Manchete Vídeo, 1987. 1 videocassete (120 min.): VHS, son., color.

VILLAÇA, Renato Costa. O rock e as bases de uma cultura musical pop. In: A passagem do som. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Universidade Federal de Minas Gerais, 2007.

Villoteau, G. A. “De l’etat actuel de I’art musical en Egypte.” In Description de l’Egypte. Paris: Commission des monuments d’Egypte, 1:609-846. 1809

VILUTIS, Luana. Cultura e juventude: a formação dos jovens nos Pontos de Cultura. Dissertação (mestrado) Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, 2009.

VILUTIS, Luana. Pontos de Cultura e economia solidária: aproximações e possibilidades. II Seminário Internacional Políticas Culturais, Fundação Casa Rui Barbosa, 2011.

VINIL, Kid. Almanaque do rock. Ediouro publicações, São Paulo, 2008.

Viswanathan, T. “The Analysis of Raga Alapana in South Indian Music.”AM 9/1:13-71. 1977

Viviane Beineke. 2003. “O Ensino de Flauta doce na Educação Fundamental”. In Ensino de Música: propostas para pensar e agir em sala de aula.

Voget, Fred W. A History of Ethnology. New York: Holt, Rinehart & Winston. 1975

Voxman, Himie e Lyle Merriman. 1982. Woodwind Music Guide: ensemble music in print. Vol. 1. Evanston, Ill.: The Instrumentalist.

Vygotsky, L. S. (1971). The psychology of art (Introd. A. N. Leontiev). Cambridge: The Massachusetts Institute of Technology.

Wachsmann, Klaus “Criteria for Acculturation.” In Report of the 8th Congress of the International Musicological Society. Kassel: Bärenreiter, pp.139-49. 1961

Wachsmann, Klaus “Universal Perspectives in Music.” Ethnomusicology 15:381-84. 1971b

Wachsmann, Klaus, ed. Essays on Music and History in Africa. Evanston, Ill.: Northwestern University Press. 1971a

Waengler, H. H. “Uber Beziehungen zwischen gesprochenen und gesungenen Tonhohen in afrikanischen Tonsprachen.” Jahrbuch für musikalische Volks- und Viilkerkunde 1:136-45. 1963

WAGNER, Richard (1990) A Arte e a Revolução (1849) Tradução José M Justo. Lisboa: Edições Antígona.

WAKSMAN, Steve (2004). Metal, Punk and Motörhead – Generic crossover in the heart of the punk explosion. Echo: A Music-Centered Journal – Volume 6, Issue 2 (Fall 2004).

Walin, Stig Die schwedische Hummel. Stockholm: Nordiska museet. 1952

WALL, Mick. Iron Maiden: Run to the Hills: a biografia autorizada. São Paulo: Évora, 2014.

WALL, Tim. Studying Popular Music Culture: studying the media. London, Arnold, 2003.

Wallach, Jeremy. 2005. “Underground Rock Music and Democratization in Indonesia.” World Literature Today September-December:16–20.

Wallaschek, Richard Primitive Music. London: Longmans, Green. German ed. 1903, with title Anfiinge der Tonkunst. 1893

WALSER, Robert. “Eruptions: heavy metal appropriations of classical virtuosity”, in GELDER, Ken e THORNTON, Sarah, The subcultures reader, Londres, Routledge, 1997.

Walser, Robert. 1993. Running With the Devil: Power, Gender, and Madness in Heavy Metal Music. Middletown, Connecticut: Wesleyan University Press.

WALSER, Robert. Metallica In: SADIE, Stanley (ed). The New Grove Dictionary of Music and Musicians 2001, vol. 16, MacMillan Publishers Limited, p. 509.

WALSER, Robert. Running with the devil: Power, Gender, and Madness in Heavy Metal Music. Wesleyan University Press, 1993

WALZER, Nicolas (2007). Anthropologie du metal extreme. Rosières em Haye: Camion Blanc Editeur.

WANDERLEY, Maurício do V. D. A cena metal aracajuana: identidade e conflitos entre grupos antagônicos. Monografia (Graduação em Ciências Sociais)–Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2008.

WANDERLEY, Maurício do Vale Dourado. A Cena Metal Aracajuana: Identidade e conflitos entre grupos antagônicos. Monografia (graduação) Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Ciências Sociais, 2008.

WANDERLEY, Maurício do Vale Dourado. A Cena Metal Aracajuana: Identidade e conflitos entre grupos antagônicos. Monografia (graduação) Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Ciências Sociais, 2008.

Ward, John M. “The Hunt’s Up.” Proceedings of the Royal Musical Association 106:1-25. 1980

Warwick, Donald P., and Samuel Osherson, eds. Comparative Research Methods. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice- Hall. 1973

Waterman, Christopher A. “The Effect of Western Functional Harmony on Persian and sub-Saharan African Music.” Unpublished paper, University of Illillois. 1979

Waterman, Richard A. “‘Hot’ Rhythm in Negro Music.” JAMS 1:24-37. 1948

Waterman, Richard A. “African Influence on American Negro Music.” In Sol Tax, ed., Acculturation in the Americas. Chicago: University of Chicago Press, pp. 207-18. 1952

Waterman, Richard A. “Music in Australian Aboriginal Culture – Some Sociological and Psychological Implications.” Music Therapy 5:40-50. 1956

WAUTIER, Anne Marie. Para uma Sociologia da Experiencia. Uma leitura contemporânea: François Dubet. Sociologias, Porto Alegre, ano 5, nº9, jan/jun 2003, p. 174-214.

Wax, Rosalie H. Doing Field Work: Warnings and Advice. Chicago: University of Chicago Press. 1971

Weber-Kellermann, Ingeborg Ludoif Parisius und seine altmiirkischen Volkslieder. Berlin: Akademie-Verlag. 1957

WEBER, Mateus Felipe. O Metal em Porto Alegre na Década de 1980: identidade, tribo e atuação espetacular. Monografia (Graduação)-Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de História, 2012.

Weber, Max The Rational and Social Foundations of Music. Carbondale: Southern Illinois University Press. First published in German,1921. 1958

WEBER, Max. Economia e sociedade, vol. 1. Brasília. Ed. Unb, 2003.

WEININGER, Elliot B. Chapter 4: Pierre Bourdieu on social class and symbolic violence.

Weinstein, Deena. 1991. Heavy Metal: The Music and Its Culture. New York: Da Capo Press.

WEINSTEIN, Deena. Heavy Metal: the music and its culture. Da Capo Press.

WEINSTEIN, Deena. Heavy Metal: the music and its culture. Da Capo Press.

WEINSTEIN, Deena. The empowering masculinity of British heavy metal. In: BAYER, Gerd (ed.) Heavy Metal Music in Britain. Farnham (ING): Ashgate, 2009. 201 p.

WEINSTEIN, Deena. The globalization of metal. In. Metal Rules the Globe: Heavy Metal Music Around the World. WALLACH, Jeremy; GREEN, Paul, and BERGER, Harris. Londres: Routledge, 2011.

WEISSHEIMER, Maria da Glória; ADRESS, Paulo. Musicalização: um processo a partir do indivíduo. Sana Maria, 1988.

WEISSHEIMER, Maria da Glória; ADRESS, Paulo. Musicalização: um processo a partir do indivíduo. Sana Maria, 1988.

WELLESZ, Egon ed. (1999) The new Oxford history of music. 10v. Oxford : Oxford University Press.

Wenker, J. “A Computer-Oriented Music Notation Including Ethnomusicological Symbols.” In B. S. Brook, ed., Musicology and the Computer. New York: City University of New York Press, pp. 91-129. 1970

Werner, Heinz Die melodische E!tindung im frähen Kindesalter. Vienna: Akademie der Wissenschaften Wien, Phil.-hist. Klasse, Sitzungsberichte 182, no.4. 1917

Wertheimer, Max “Musik der Wedda.” Sammelbiinde der intemationalen Musikgesellschaft 11: 300-304. 0

WESTON Craig, Musical Phenomenology: What has Been and What Might Be, Paper delivered to the Society for Music Theory, Oakland CA, November 1990.

WHEELER, Jesse Samba and Rosa Virgı́nia Melo. 2006. ‘Brası́lia (Brazil): Hardcore Healthy’. In The Ethnomusicologists’ Cookbook: Complete Meals from around the World, edited by Sean

WHEELER, Jesse Samba. 2007. ‘Dark Matter: Towards an Architectonics of Rock, Place, and Identity in Brası́lia’s Utopian Underground’ . PhD Diss., University of California, Los Angeles.

WHEELER, Jesse Samba. 2008. ‘‘‘(Fuck the) USA’’: Rage, Distortion and the ‘‘furious Face’’ of Cosmopolitanism’. In Música, Ciudades, Redes: Creación musical e Interacción social [Music, Cities, Networks: Musical Creation and Social Interaction], edited by edited by Rubén Gómez Muns and Rubén López Cano. Salamanca, Spain: SIBE-Obra Social Caja Duero. Electronic archive.

WHEELER, Jesse Samba. 2012. Rock, Refrain and Remove: Hearing Place and Seeing Music in Brasília. Ethnomusicology Forum, 21(1):77-103.

WHEELER, Jesse Samba. 2012. Rock, Refrain and Remove: Hearing Place and Seeing Music in Brasília. Ethnomusicology Forum, 21(1):77-103.

White, Leslie The Science of Culture. New York: Farrar, Strauss & Giroux. 1949

WICKE, Peter. Rock music: culture, aesthetics and sociology. Nova Iorque: Cambridge University Press, 1993.

WIDDESS, Richard. 1994. “Involving the Performers in Transcription and Analysis: A Collaborative Approach to Dhrupad”. Ethnomusicology, 38 (1):59-79.

Wieschoff, Heinz Die afrikanischen Trommeln und ihre ausserafrikanischen Beziehungen. Stuttgart: Strecker und Schroder 1933

Wikipédia. 2007a. Doom Metal. [Online; acessado em 16 de Janeiro de 2007].

Wikipédia. 2007b. Headbanging. [Online; acessado em 16 de Janeiro de 2007].

Wilgus, D. K. Anglo-American Folksong Scholarship since 1898. New Brunswick, N .J.: Rutgers University Press. 1959

Wilkens, Eckart Kiinstler und Amateure im persischen Santourspiel. Regensburg: G. Bosse. 1967

WILLEKES, Venâncio. Fr.OFM. São Francisco das Chagas de Canindé. Canindé, Ed.Vozes, 1973.

Willems, E. (1970). As Bases Psicológicas da Educação Musical. Suiça: Pró-Música.

Willems, E. (1989). El Valor Humano de la Educacion Musical. México: Paidos.

Willis, P. 1978. Profane Culture. London: Routledge.

Wiora, Walter “Alter als die Pentatonik.” In Studia Memoriae Belae Bartok Sacra. Budapest: Academia Scientiarum Hungaricae, pp. 185-208. 1956

Wiora, Walter “Das Alter des Begriffes Volkslied.” Musikforschung 23:420-28. 1970

Wiora, Walter “Reflections on the Problem: How Old Is the Concept Folksong.” Yearbook of the IFMC 3:23-33. 1972

Wiora, Walter Ergebnisse und Aufgaben vergleichender Musikforschung. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft. 1975

Wiora, Walter EuroPäische Volksmusik und abendliindische Tonkunst. Kassel: J. P. Hinnenthal. 1957

Wiora, Walter EuroPäischer Volksgesang. (Das Musikwerk, no.4.) Cologne: Arno Volk. English trans. ca. 1966, Robert Kolben, European Folk Song: Common Forms in Characteristic Modification. New York: Leeds. 1953

Wiora, Walter The Four Ages of Music. New York: Norton. 1965

WISNIK, José Miguel. O Som e o Sentido. 2 ed. Companhia das Letras, 1999.

Wissler, Clark Social Organization and Ritualistic Ceremonies of the Blackfoot Indians. American Museum of Natural History, Anthropological Papers, no.7. 1912

Wissler, Clark The American Indian. New York: McMurtrie. 1917

Witmer, Robert “Recent Change in the Musical Culture of the Blood Indians.” Yearbookfor Inter-American Musical Research 9:64-94. 1973

WOLFF, Marcus. Entrevista com Samuel Araújo. Música e Cultura, n. 2, 2007. Disponível em http://musicaecultura.abetmusica.org.br/artigos-02/MeC02-Entrevista-Samuel-Araujo. . Acessado em: 11 out. 2012.

WOLLEN, Peter. Readings and writings – semiotic counter-strategies. Oxford. Blackwell. 1982.

Wood, Abigail. Transcription for undergraduates. Email da autora com respostas.

WOODFORD, Paul G. Democracy and music education: Liberalism, Ethics, and the Politics of Practice. Bloomington: Indiana University Press, 2005.

Wright, Robert. 2000. “‘I’d Sell You Suicide’: Pop Music and Moral Panic in the Age of Marilyn Manson.” Popular Music 19 (3): 365–85.

WRIGHT, Ruth e KANEPOULOUS, Panagiotis. Informal music learning, improvisation and teacher education. Britsh Journal of Music Education. 2010, 27:1, 71-87.

Wulstan, D. “The Earliest Musical Notation.” Music and Letters 52:365-82. 1971

Wundt, Wilhelm Völkerpsychologie, eine Untersuchung der Entwicklungsgesetze von Sprache, My thus und Sitte. 3d ed. Leipzig: Engelmann. 1911

YORK, Will (2004). Voices from hell – the dark, not-so-dulcet Cookie Monster vocals of extreme metal. The San Francisco Bay Guardian – 14-20/julho, 2004 – vol.38, no.40.

Zagonel, B. (1991). Do gesto ao musical. Cadernos de Estudo ? Educação Musical, 2/3.

ZAN, José Roberto. Música popular brasileira, indústria cultural e identidade. EccoS Revista Científica, vol. 3, núm. 1, junho, 2001, pp. 105-122. Universidade Nove de Julho. São Paulo, Brasil.

ZANIN, Fabiano C. O violão flamenco e as formas musicais flamencas. Revista Científica da FAP, Curitiba, v. 3, p. 123-152, jan.-dez., 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2012.

ZATTERA, Vilson. Sambas, Batuques e Sembas: Experiências em Música Popular no Brasil, Moçambique e Angola. In: Congresso Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música. N. 25, 2015, Vitória. Instituto de Artes UNICAMP, Campinas, 2015.

ZBIKOWSKI, Lawrence M. Music, Emotion, Analysis. Music Analysis, vol. 29, n. 1-3, p. 37-60, Mar.-Oct., 2010.

Zonis, Ella Classical Persian Music, an Introduction. Cambridge, Mass.: Harvard University Press. 1973